Mianmar: recrutamento obrigatório mostra o ‘desespero’ da junta, diz especialista em direitos humanos


Descrevendo a medida como mais uma prova da “fraqueza e desespero” da junta, o Relator Especial Tom Andrews apelou a uma acção internacional mais forte para proteger as populações vulneráveis ​​em todo o país.

Embora ferida e cada vez mais desesperada, a junta militar de Mianmar continua extremamente perigosa,” ele disse. “As perdas de tropas e os desafios de recrutamento tornaram-se ameaças existenciais para a junta, que enfrenta pesados ​​ataques nas linhas da frente em todo o país.”

Preenchendo as fileiras

A junta emitiu uma ordem em 10 de fevereiro que, segundo ela, teria colocado em vigor a Lei do Serviço Militar Popular de 2010.

Homens de 18 a 35 anos e mulheres de 18 a 27 anos podem agora ser convocados para o exército, embora homens e mulheres “profissionais” com idades até 45 e 35 anos, respectivamente, também possam ser recrutados.

O plano é recrutar 5 mil pessoas por mês a partir de abril. Aqueles que evitam o serviço militar, ou ajudam outros a fazê-lo, estão sujeitos a penas até cinco anos de prisão.

Um apelo à ação

“Enquanto a junta força homens e mulheres jovens a ingressarem nas fileiras militares, redobrou os seus ataques a civis usando arsenais de armas poderosas”, disse Andrews.

Acrescentou que, face à inacção da ONU Conselho de Segurançaos países devem reforçar e coordenar medidas para reduzir o acesso da junta às armas e ao financiamento de que necessita para continuar os ataques contra a população.

“Não se engane, sinais de desespero, como a imposição de um alistamento militar, não são indicações de que a junta e as suas forças sejam uma ameaça menor para o povo de Mianmar. Na verdade, muitos enfrentam perigos ainda maiores”, disse ele. .

Uma criança num centro para deslocados internos (PDI) em Myanmar. (arquivo)

Golpe, conflito e vítimas

Os militares tomaram o poder em Myanmar há três anos, depondo o Governo eleito. Desde então, as forças militares têm lutado contra grupos armados de oposição, provocando deslocamentos em massa e vítimas.

Os últimos números da ONU mostram que quase 2,7 milhões de pessoas continuam deslocadas internamente em todo o país, que inclui quase 2,4 milhões que foram desenraizados após a tomada militar de Fevereiro de 2021.

O conflito continua a agravar-se em várias partes do país, com um agravamento da situação no estado de Rakhine, localizado na costa oeste, o escritório de assuntos humanitários da ONU, OCHArelatado no início desta semana.

Rakhine tem assistido a uma escalada dos combates entre as forças armadas e o Exército Arakan, um grupo étnico armado que restringiu o acesso humanitário, apesar da escalada das necessidades.

Entretanto, prossegue um cessar-fogo no norte do estado de Shan, permitindo que a maioria das pessoas que foram deslocadas até ao final de 2023 regressem a casa. Quase 23 mil civis que fugiram da escalada do conflito na região no ano passado continuam deslocados em 141 locais em 15 pequenas cidades.

O OCHA acrescentou que a situação de conflito no noroeste e sudeste de Mianmar continua, com confrontos armados, ataques aéreos e morteiros ameaçando a segurança civil e o movimento de passageiros.

Jovens ‘aterrorizados’

Para o Sr. Andrews, a decisão da junta de activar a lei de recrutamento é uma tentativa de justificar e expandir um padrão de recrutamento forçado que já está a afectar pessoas em todo o país.

Ele disse que nos últimos meses, jovens teriam sido sequestrados nas ruas das cidades de Mianmar ou forçados a ingressar no exército, enquanto os moradores teriam sido usados ​​como carregadores e escudos humanos.

Os jovens ficam horrorizados com a possibilidade de serem forçados a participar no reinado de terror da junta. O número de pessoas que fogem através das fronteiras para evitar o recrutamento certamente começará a aumentar”, alertou.

O especialista em direitos apelou a uma infusão de ajuda humanitária às comunidades afectadas em Mianmar, nomeadamente através da prestação de ajuda transfronteiriça, bem como a um maior apoio aos líderes empenhados numa transição democrática.

“Agora, mais do que nunca, a comunidade internacional deve agir urgentemente isolar a junta e proteger o povo de Mianmar”, disse ele.

Sobre os relatores da ONU

Relatores Especiais como o Sr. Andrews são nomeados pela ONU Conselho de Direitos Humanos e recebeu mandatos para relatar situações específicas de países ou questões temáticas.

Esses especialistas trabalham voluntariamente e são independentes de qualquer governo ou organização. Eles servem a título individual e não são funcionários da ONU nem são pagos pelo seu trabalho.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo