Presidente da Assembleia Geral apela à solidariedade com a Ucrânia à medida que “guerra desnecessária” atinge a marca de dois anos

Presidente da Assembleia Geral apela à solidariedade com a Ucrânia à medida que “guerra desnecessária” atinge a marca de dois anos


“Ao refletirmos sobre os dois anos de angústia e dificuldades, saiamos deste lugar com uma mensagem retumbante de solidariedade e apoio inabalável ao povo resiliente da Ucrânia”, disse ele. dissefalando na véspera do solene aniversário.

O Conselho de Segurança também se reunirá ainda nesta sexta-feira na Ucrânia, onde foram relatados novos ataques nas cidades de Odesa e Dnipro, apenas um dia após ataques mortais na região de Donetsk, localizada no leste.

Destruição e devastação

Dirigindo-se aos representantes dos 193 estados membros da ONU reunidos no Salão da Assembleia Geral em Nova Iorque, o Sr. Francis afirmou que eles “não podem ficar cegos à destruição e devastação em curso, nem ignorar a situação do povo da Ucrânia”.

“Isto é especialmente verdade porque este ano também coincide com o décimo aniversário da tentativa de anexação ilegal em 2014 da Crimeia e de outros territórios ucranianos pela Federação Russa”, acrescentou.

a invasão em grande escala da Rússia iniciado em 24 de Fevereiro de 2022. Desde então, milhares de pessoas foram mortas e feridas, outros milhões foram deslocados e escolas, hospitais e outras infra-estruturas críticas foram danificadas. Dezenas de crianças ucranianas também foram deportadas à força para a Rússia.

Efeitos generalizados em todo o mundo

Francisco disse que o impacto desta “guerra desnecessária” se estende muito além das fronteiras da Ucrânia, já que o meio ambiente também é “a vítima silenciosa do conflito”, enquanto o risco real de um acidente nuclear persiste.

“E, finalmente, a guerra afectou todos os Estados-membros reunidos nesta sala – seja na forma de aumento dos preços dos alimentos ou no contexto da segurança energética.”

Além disso, o conflito foi um catalisador importante na reestruturação da geopolítica e da geoeconomia globais, continuou ele, porque prejudica directamente os países em causa e também impede o progresso em muitos outros, especialmente nos países em desenvolvimento.

Carta da ONU minada

“Isso mina ativamente os próprios fundamentos do nosso Um voo – ameaçando os princípios de soberania e integridade territorial que todos nos comprometemos a valorizar e defender”, afirmou.

“Perturbou o delicado equilíbrio das relações internacionais – numa altura em que a unidade, a solidariedade e a cooperação são absolutamente cruciais para a resolução multilateral de problemas.

Francisco destacou que embora o Conselho de Segurança da ONU, composto por 15 membros, esteja paralisado pela divisão devido ao conflito, a Assembleia Geral condenou a agressão da Rússia e exigiu a retirada imediata, completa e incondicional das suas forças do território ucraniano.

Trabalhe pela paz

“Além das condenações, nós, as Nações Unidas, devemos trabalhar ativamente para uma paz abrangente, justa e sustentável, de acordo com a Carta desta organização”, disse ele.

O Presidente da Assembleia apelou a esforços redobrados “para acabar com as guerras e inaugurar um futuro de esperança, promessa e prosperidade para os povos da Ucrânia e da Rússia, também – e na verdade noutros lugares, sem excepção”.

Uma família recebe ajuda médica em Odessa após ser resgatada em Kherson após a destruição da barragem de Kakhovka.

Para fortalecer os cuidados de saúde na Ucrânia

Entretanto, as agências da ONU consideraram a sua resposta ao conflito na Ucrânia, que a Organização Mundial da Saúde (Organização Mundial de Saúde) chamou a maior crise da Europa.

A OMS colaborou com o Ministério da Saúde para determinar, em tempo real, quais são as principais necessidades do sector e intervir sempre que necessário para reforçar os sistemas existentes.

O apoio incluiu a doação regular de suprimentos médicos, veículos e equipamentos essenciais para garantir que as instalações de saúde existentes continuem a funcionar.

As equipas também construíram estruturas temporárias em comunidades onde as instalações de saúde foram danificadas ou destruídas, garantindo assim que as pessoas possam continuar a receber cuidados. Atualmente, 12 clínicas primárias modulares estão abertas em áreas do sul e leste do país.

A OMS monitorizou 1.574 ataques à saúde desde o início da guerra, ceifando a vida a 118 profissionais de saúde e afectando instalações de saúde, transportes e instalações de armazenamento.

O conflito na Ucrânia teve um impacto devastador na saúde mental e na aprendizagem das crianças.

© UNICEF/Aleksey Filippov

O conflito na Ucrânia teve um impacto devastador na saúde mental e na aprendizagem das crianças.

Preocupação com a saúde mental das crianças

De acordo com o Fundo das Nações Unidas (ONU) para a Infância, a invasão em grande escala da Rússia causou danos devastadores à saúde mental dos cidadãos mais jovens da Ucrânia.UNICEF).

A agência disse meninos e meninas nas áreas da linha de frente foram forçados a passar entre 3.000 e 5.000 horas – o equivalente a quatro a sete meses – abrigados em porões, bunkers ou buracos no chão.

Procurar segurança contra mísseis e drones tem um grande custo para estas crianças, disse o porta-voz da UNICEF, James Elder, que esteve na cidade de Kharkiv esta semana, onde conversou com famílias e psicólogos infantis.

“Aproximadamente três quartos dos jovens relataram recentemente que necessitam de algum tipo de apoio psicológico ou emocional; uma fração deles consegue”, disse ele, falando aos repórteres em Genebra na sexta-feira.

“Portanto, os bombardeamentos contínuos, o aumento da utilização de drones – tudo isto aumenta a consciência de que crianças continuam a ser mortas e, portanto, dificulta a capacidade das famílias de superar o stress e o trauma causados ​​por esta guerra”.

O Sr. Elder acrescentou que embora a educação seja uma fonte fundamental de esperança e estabilidade, ela é cronicamente perturbada e está fora do alcance de uma grande parte das crianças da Ucrânia.

“As crianças nas zonas da linha da frente frequentaram a escola durante uma única semana nos últimos quatro anos – dois anos de COVID 19 e dois anos de guerra em grande escala. Na região de Kharkiv, duas das 700 escolas oferecem aprendizagem pessoal”, disse ele.

A resposta da UNICEF na Ucrânia incluiu a disponibilização de uma rede de psicólogos que apoiam as crianças e os seus pais, ajudando-os a superar dificuldades e traumas e a encontrar algum alívio, alguma alegria.

A agência também apoia a reconstrução de infra-estruturas críticas, como escolas e sistemas de água, entre outras operações.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Direct hire fdh. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.