Crânio egípcio antigo mostra tentativa mais antiga de cirurgia de câncer


Um par de crânios egípcios antigos, ambos com milhares de anos, pertenciam a alguns dos primeiros pacientes com câncer conhecidos na história, de acordo com um estudo publicado na quarta-feira.

Os crânios tinham marcas de corte em torno de tumores cancerígenos – fornecendo evidências de que os antigos egípcios exploraram maneiras de tratar o câncer por meio de operações, disse o estudo publicado na revista Journal of Cancer. Fronteiras na Medicina Diário.

Os antigos egípcios eram conhecidos por seu conhecimento médico. Os textos descrevem como tratariam uma série de doenças e lesões, em alguns casos construindo próteses e inserindo dentes falsos.

Mas este vislumbre do tratamento do cancro é um “marco na história da medicina”, afirma o estudo.

“Vemos que embora os antigos egípcios fossem capazes de lidar com fraturas cranianas complexas, o câncer ainda era uma fronteira do conhecimento médico”, disse uma das autoras do estudo, Tatiana Tondini, em comunicado.

Marcas de corte encontradas no crânio masculino fornecem “evidências únicas de como a medicina egípcia antiga teria tentado lidar ou explorar o câncer”. Tondini, Isidro, Camarós, 2024

O principal autor do estudo, professor Edgard Camarós, acrescentou que a descoberta era “uma evidência única de como a medicina egípcia antiga teria tentado lidar ou explorar o cancro há mais de 4.000 anos”.

Camarós, paleopatologista da Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha, e sua equipe analisaram dois crânios mantidos pela Coleção Duckworth da Universidade de Cambridge, usando micro-tomografia computadorizada e análise microscópica da superfície óssea, disse o estudo.

“Queríamos aprender sobre o papel do cancro no passado, quão prevalente era esta doença na antiguidade e como as sociedades antigas interagiam com esta patologia”, disse Tondini, investigador da Universidade de Tübingen, na Alemanha.

Um dos crânios pertencia a um homem e foi datado de 2.687 a 2.345 a.C., enquanto o outro era de uma mulher e datado de 663 a 343 a.C.

Close do crânio com marcas de corte.
Várias das lesões metastáticas no crânio masculino apresentam marcas de corte.Tondini, Isidro, Camarós, 2024

O crânio masculino apresentava uma grande lesão cercada por cerca de 30 pequenas lesões metastizadas ao seu redor. Para sua grande surpresa, os pesquisadores encontraram marcas de cortes ao redor das lesões.

“Quando observamos pela primeira vez as marcas de corte ao microscópio, não podíamos acreditar no que estava à nossa frente”, disse Tondini.

“Parece que os antigos egípcios realizaram algum tipo de intervenção cirúrgica relacionada com a presença de células cancerígenas”, disse outro co-autor, o professor Albert Isidro, oncologista cirúrgico do Hospital Universitário Sagrat Cor, em Barcelona, ​​Espanha.

O crânio feminino também apresentava uma grande lesão consistente com um tumor cancerígeno que levou à destruição óssea, indicando que a pessoa poderia ser mais velha. Há também duas lesões curadas de lesões traumáticas, disse o estudo.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Είναι το στοιχείο που σας παρέχει ασφάλεια και ζεστασιά. Index.