Na União Europeia, Portugal alinha questões relevantes para outros países da Cplp

Na União Europeia, Portugal alinha questões relevantes para outros países da Cplp


A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, conta com o apoio de Portugal na União Europeia para avançar nas questões que são relevantes para o bloco regional. A afirmação foi feita pelo secretário de Estado português, Bernardo Ivo Cruz.

Ao lado de Portugal, a Cplp é formada por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, a Cplp está cada vez mais focada no desenvolvimento económico e no aumento do volume de comércio dos seus membros estados.

Secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Bernardo Ivo Cruz

Novas dimensões

Nesta entrevista à ONU News, no final de Fevereiro, o Secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Bernardo Ivo Cruz, disse que ao falarem juntos, os países de língua portuguesa tornam-se mais fortes no cenário internacional.

“O esforço que fazemos, no caso de Portugal, para colocar na agenda da União Europeia questões que são importantes para o conjunto da CPLP. Apoiar os Estados-membros da CPLP no seu relacionamento com a União Europeia. O esforço que fazemos aqui, e em Genebra, para ordenar e coordenar as nossas preocupações comuns e colocá-las neste enorme universo que são as várias agências e as várias dimensões que as Nações Unidas trazem para o concerto das nações. Quando falamos em uníssono, há mais vozes, há mais países, há mais força. E por isso a CPLP ganha todos os dias novas dimensões. Alguns são formais, aprovamos agendas, programas, planos. Mas outros são informais. Concordámos que seria bom para o mundo avançar nessa direção, ou ter essas preocupações, e trabalhámos juntos nesse sentido.”

Bernardo Ivo Cruz falou à ONU News sobre o acordo de livre circulação que o seu país aprovou este ano para cidadãos de outras nações de língua portuguesa.

Crescimento econômico

“Portugal aprovou recentemente, já este ano, um mecanismo de circulação de pessoas provenientes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. E, portanto, agora, estamos também a criar um espaço de livre circulação de pessoas, de membros da Comunidade que podem vir trabalhar em Portugal, podem instalar-se em Portugal, podem fazer a sua vida em Portugal e também contribuir para o nosso próprio crescimento económico e fortalecer ainda mais os laços entre os países.”

No passado, segundo chefes de estado e de governo portugueses, o país fez vários movimentos com a União Europeia para, por exemplo, apoiar um acordo entre o bloco europeu e o Mercosul, que inclui o Brasil. Tema que volta a ser debatido no momento em que o bloco sul-americano busca fechar um acordo com a União Europeia.

Em 2022, só o mercado entre Brasil e Portugal movimentou 5,2 mil milhões de dólares, segundo dados oficiais.

O secretário Bernardo Ivo Cruz fala sobre o potencial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que começou com uma língua comum, mas agora está a avançar para outras áreas, já que a Cplp tem mais estados membros associados do que fundadores, incluindo França, Reino Unido e Japão .

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, conta com o apoio de Portugal na União Europeia para avançar em questões relevantes para o bloco

Notícias da ONU/Alexandre Soares

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, conta com o apoio de Portugal na União Europeia para avançar em questões relevantes para o bloco

Português é cada vez mais uma língua de negócios

“O português é a língua mais falada no Hemisfério Sul. Brasil, Angola, Moçambique contribuem com muitos falantes e, portanto, partilhamos a língua mais falada no Hemisfério Sul. É uma língua muito viva, é uma língua bonita, é uma língua de cultura, mas é também uma língua de negócios. E esse reforço do papel da linguagem como linguagem de negócios é um trabalho que todos estamos fazendo. Depois, existem mecanismos que adicionamos ao Cplp. Portugal assinou um acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento para apoiar o investimento privado de empresas dos países de língua portuguesa em África com condições especiais dadas pelo Banco. E, por isso, estamos também a criar condições para que as empresas possam investir no desenvolvimento dos países de língua portuguesa, neste caso, do continente africano.”

O secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Bernardo Ivo Cruz, realizou uma viagem de trabalho à sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, que terminou no dia 24 de fevereiro.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Copyright by naturhaus gmbh.