Todos queremos o Afeganistão em paz, diz o chefe da ONU em Doha

Todos queremos o Afeganistão em paz, diz o chefe da ONU em Doha


Falando aos jornalistas durante uma reunião de dois dias com enviados especiais regionais e nacionais para o Afeganistão, António Guterres disse que havia consenso entre os delegados sobre o que precisava de acontecer, embora os talibãs não participassem.

“Queremos o Afeganistão em paz, em paz consigo mesmo e em paz com os seus vizinhos e capaz de assumir as obrigações e as obrigações internacionais de um Estado soberano… em relação à comunidade internacional, aos seus vizinhos e em relação aos direitos dos seus próprios populações, disse ele.

Houve também consenso sobre o processo para alcançar este objectivo, acrescentou, observando propostas delineadas numa revisão independente de uma abordagem integrada e coerente levada a cabo pelo Feridun Sinirlioğluconforme Conselho de Segurança Resolução 2679.

Principais preocupações

Cobriu todas as principais preocupações, disse Guterres, incluindo garantir que o Afeganistão não se tornasse um “refúgio” para atividades terroristas e que tivesse instituições inclusivas nas quais todos os seus diversos grupos se sentissem representados num Estado “verdadeiramente inclusivo”.

A avaliação salienta a importância de apoiar os direitos humanos, especialmente das mulheres e das raparigas, e do reconhecimento dos progressos realizados no combate à produção e ao tráfico de drogas.

O chefe da ONU também sublinhou a necessidade de ajuda humanitária eficaz ao país, bem como questões de longo prazo sobre o desenvolvimento futuro do Afeganistão.

Guterres observou ainda a cooperação contínua entre o Afeganistão e os países vizinhos, como o desenvolvimento do comércio e das infra-estruturas ou acordos bilaterais no combate ao comércio ilegal de drogas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, dirige-se à comunicação social em Doha, Qatar.

Perguntas-chave

No entanto, há um conjunto de questões-chave nas quais “estamos presos”, acrescentou.

“Por um lado, O Afeganistão continua com um governo que não é reconhecido internacionalmente e em muitos aspectos não está integrado nas instituições globais e na economia global”, disse ele.

E, por outro lado, existe uma percepção internacional comum de uma deterioração dos direitos humanos, especialmente para mulheres e raparigas.

“Até certo ponto, estamos na situação do ovo ou da galinha”, disse ele, afirmando a necessidade de superar o impasse e produzir um roteiro comum que aborde as preocupações internacionais e as das autoridades reais ao mesmo tempo.

Pré-requisitos inaceitáveis

Em resposta à pergunta de um correspondente sobre a falta de participação das autoridades de facto talibãs, o chefe da ONU disse que o grupo apresentou um conjunto de condições para a sua participação “não aceitáveis”.

“Essas condições acima de tudo negou-nos o direito de falar com outros representantes da sociedade afegã e exigiu um tratamento que, eu diria, é em grande parte semelhante ao reconhecimento.”

Sobre outra questão, Guterres disse que a reunião foi muito útil e que as discussões foram “absolutamente necessárias”.

“Obviamente seria melhor se também tivéssemos a oportunidade, após a reunião… de discutir as nossas conclusões com as autoridades reais. Isso não aconteceu hoje; isso acontecerá em um futuro próximo.”

Secretário-Geral Guterres discursando à mídia em Doha.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. No outbound links (no exchange). Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.