Nova ferramenta associa os tipos de Alzheimer à taxa de declínio cognitivo

Nova ferramenta associa os tipos de Alzheimer à taxa de declínio cognitivo



Um nova ferramenta desenvolvido por pesquisadores da Mayo Clinic, uma organização sem fins lucrativos para inovação na prática clínica, educação e pesquisa nos Estados Unidos, relaciona os tipos de doença de Alzheimer à taxa de declínio cognitivo. Os resultados são mostrados em um estudo publicado em abril em Neurologia JAMA.

Segundo os pesquisadores, a ferramenta do índice corticolímbico, que atribui uma pontuação à localização de emaranhados tóxicos de proteínas Tau, associados à doença de Alzheimer por danificar células em regiões cerebrais, mostra uma série de alterações em aspectos clínicos e comportamentais únicos das células imunológicas. . Através de dados tridimensionais de diversas áreas do cérebro afetadas pela doença, a tecnologia permite que médicos e cientistas obtenham uma melhor compreensão das distintas experiências das pessoas com Alzheimer.

“Nossa equipe encontrou diferenças demográficas e clínicas notáveis ​​entre sexo, idade de início dos sintomas e taxa de declínio cognitivo”, diz Melissa Murray, neuropatologista translacional da Clínica Mayo, na Flórida, e autora do estudo.

Como funciona?

Continua após a publicidade

Segundo a organização, a ferramenta classifica os casos da doença de Alzheimer em três subtipos, de acordo com a localização das alterações cerebrais. No estudo, os pesquisadores analisaram amostras de tecido cerebral de quase 1.400 pacientes com doença de Alzheimer, doadas entre 1991 e 2020.

Para verificar o valor clínico da tecnologia, também foi realizada uma investigação com participantes do estudo que realizaram neuroimagem ainda em vida – o que permitiu aos pesquisadores observar os resultados do índice corticolímbico, consistentes com as alterações no hipocampo detectadas pela ressonância magnética. imagem (ressonância magnética). e alterações no córtex mostradas pela tomografia por emissão de pósitrons Tau (Tau-PET).

“O índice corticolímbico é uma pontuação que pode estimular uma mudança de paradigma no sentido de compreender a individualidade desta doença complexa e ampliar a nossa perspectiva. Ao combinar a nossa experiência nas áreas de neuropatologia, bioestatística, neurociência, neuroimagem e neurologia para abordar a doença de Alzheimer de todos os ângulos, fizemos avanços significativos na compreensão de como esta afeta o cérebro”, explica Murray.

Continua após a publicidade

O estudo dá continuidade a trabalhos anteriores, que já demonstraram como essas mudanças afetam as pessoas de diferentes maneiras. Os próximos passos serão traduzir essas descobertas na prática clínica, dando aos radiologistas e outros médicos especialistas acesso à ferramenta do índice corticolímbico.

“Pode ajudar os médicos a determinar a progressão da doença de Alzheimer nos pacientes e a melhorar a sua gestão clínica”, afirma o investigador, acrescentando que planeiam mais pesquisas para usar esta ferramenta para identificar áreas do cérebro que são resistentes aos efeitos tóxicos do Tau. proteína. “Este estudo marca um passo significativo em direção ao atendimento personalizado, oferecendo esperança para terapias futuras mais eficazes”, conclui ela.

No brasil, Cerca de 1,7 milhões de pessoas vivem com alguma forma de demência, com 100 mil novos casos diagnosticados por ano e cerca de 55%, com 60 anos ou mais, acometidos pelo Alzheimer. Em todo o mundo, as doenças neurológicas afectam 3,4 mil milhões de pessoas.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. No outbound links (no exchange). Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.