Mianmar: Níveis insuportáveis ​​de sofrimento e crueldade

Mianmar: Níveis insuportáveis ​​de sofrimento e crueldade



Numa atualização programada do principal fórum de direitos humanos da ONU, o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos explicou que a crise humanitária ligada ao golpe de 2021 piorou nos últimos meses.

“Três anos de regime militar causaram – e continuam a causar – níveis insuportáveis ​​de sofrimento e crueldade ao povo de Mianmar”, disse ele, em meio a uma escalada do conflito armado em todo o país que ceifou milhares de vidas, incluindo ataques aéreos em cidades. e cidades.

Supressão de liberdades

O Sr. Türk citou relatórios verificados de que mais de 4.600 pessoas foram mortas pelos militares desde Fevereiro de 2021, incluindo centenas de mulheres e crianças. O número real de mortos provavelmente será muito maior, observou o Alto Comissário, referindo-se a testemunhas que indicaram que centenas de civis foram queimados vivos ou executados pelos militares, incluindo mulheres.

Este “desrespeito perturbador pela vida humana” foi acompanhado por outras “violações graves dos direitos fundamentais e do Estado de direito” que continuam em todo o país, insistiu Türk.

Hoje, em Mianmar, mais de 20 mil opositores aos militares, incluindo 3.909 mulheres, ainda definham na detenção, disse o Alto Comissário. As pessoas temem poder ser presas por qualquer motivo a qualquer momento, continuou ele, citando vários relatos de maus-tratos e outras violações.

“É profundamente chocante ler os relatórios do meu Gabinete sobre uso sistemático de tortura contra presos políticos em delegacias de polícia, centros de interrogatório militares e prisões”, disse Türk.

Tensões interétnicas

Isto também foi afirmado pelo chefe dos direitos da ONU os militares empregaram milícias ultranacionalistas para provocar tensões interétnicas. Relacionado com isto, a violência atingiu níveis sem precedentes no estado de Rakhine, com relatos de que civis foram bombardeados e deslocados em massa.

Rakhine ganhou destaque internacional em 2017, quando centenas de milhares de membros da etnia Rohingya fugiram do estado para o vizinho Bangladesh, seguindo o que o ex-chefe da ONU, Zeid Ra’ad Al Hussein, chamou de “exemplo clássico de limpeza étnica” pelos militares de Mianmar.

No ano passado, cerca de 5.000 Rohingya realizaram viagens de barco “perigosas” em busca de refúgio seguro e centenas de outros foram presos enquanto tentavam fugir para outras partes de Mianmar, disse Türk ao Conselho.

Apelou também ao fim imediato das operações militares contra civis, à libertação de presos políticos e ao pleno cumprimento do direito internacional em matéria de direitos humanos.

O Sr. Türk enfatizou a necessidade urgente de solidariedade e apoio globais para pôr fim à crise de direitos humanos que assola a nação, incluindo a limitação do acesso dos militares ao fornecimento de armas.

“Nos últimos três anos, o povo de Myanmar sacrificou tudo e manteve vivas as suas aspirações por um futuro melhor e mais seguro. Eles precisam de toda a comunidade internacional para os apoiar”, insistiu o chefe dos direitos humanos da ONU.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. Upgrade to vip. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.