Marcas em crânio egípcio de 4 mil anos sugerem tentativa de tratar câncer – Jornal Estado de Minas

Marcas em crânio egípcio de 4 mil anos sugerem tentativa de tratar câncer – Jornal Estado de Minas


PARIS, FRANÇA (FOLHAPRESS) – Os egípcios podem ter tentado tratar o câncer na cabeça de um paciente há milhares de anos. A possibilidade é levantada em estudo publicado nesta quarta-feira (29/5).

Os pesquisadores examinaram dois crânios com indícios de câncer e, em um deles, observaram que houve intervenções no tumor.

Segundo Edgard Camarós, professor da Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha, e um dos autores do estudo, esta é a primeira vez que se investiga uma tentativa de manipulação de um câncer em um crânio tão antigo: de cerca de 4 mil anos. anos atrás.

Os dois crânios fazem parte da coleção do laboratório Duckworth, ligado à Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Camaros já tinha trabalhado na universidade inglesa e a sua investigação enquadra-se na área da paleopatologia, “que é a intersecção entre a arqueologia e a medicina” com o objetivo de “compreender como a sociedade interage com as doenças e também como as doenças evoluem”.

No caso desta pesquisa específica, publicada na revista Frontiers, o foco está nos cânceres, sendo a civilização egípcia uma rica fonte de estudos devido à sua medicina avançada na antiguidade. A pergunta que Camarós e outros dois pesquisadores buscaram responder era clara: seria possível encontrar vestígios de tratamento ou como morriam pessoas que sofriam de câncer no antigo Egito?

Edgard Camarós, paleopatologista da Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha, é um dos autores da pesquisa

Arquivo pessoal

E eles encontraram. Mas, para chegar aos resultados, os autores do estudo realizaram inicialmente uma análise macroscópica dos crânios. O objetivo era identificar se se tratava de fato de um caso de câncer, algo possível de observar porque um tumor maligno destrói e cria novos ossos, deixando padrões específicos no crânio.

Após esta primeira etapa, o estudo envolveu um sistema de microtomografia computadorizada. Utilizado hoje em pacientes com câncer, esse equipamento realiza uma espécie de raio X 3D de alta resolução. Com isso, foi possível diagnosticar a situação do câncer que se desenvolveu naquele crânio. Análises microscópicas também foram adotadas durante a pesquisa.

Usando esses métodos, foi possível observar que um dos crânios, nomeado de número 236 no estudo e datado de 4 mil anos atrás, apresentava sinais da doença. Segundo o estudo, a pessoa inicialmente apresentava câncer nasofaríngeo, na região do pescoço. O tumor metastatizou e se espalhou para a cabeça. Os pesquisadores notaram que os egípcios realizaram cortes nesses tumores secundários. “Essa é uma pista para dizer que fizeram uma intervenção cirúrgica”, resume Camarós.

A análise também forneceu informações sobre como essa intervenção foi realizada. “Ao estudar o formato dessas marcas de corte, sabemos que usavam algum tipo de metal muito afiado, lâminas que poderiam ter naquela época. Isso é algo que também observamos nos hieróglifos, onde vemos imagens de ferramentas que lembram pequenos facas de corte. Provavelmente eram os mesmos tipos de facas. […] que eles usaram para cortar com precisão o tumor.”

O segundo crânio, chamado de 270 e com pelo menos 2.300 anos, também apresentava sinais de câncer, mas não há evidências de intervenção. Além do tumor, o crânio apresenta sinais de traumas ocorridos antes da doença – isso foi tratado pelos egípcios.

Camarós chama a atenção para esse fato ao demonstrar que, embora avançada, a medicina desta civilização tinha suas limitações relacionadas ao câncer. Embora tenham conseguido tratar e curar o trauma, isso não aconteceu com o tumor daquele segundo crânio.

E o que aconteceu depois?

A descoberta do câncer em um crânio tão antigo anima Camarós, principalmente quando também se observa a intervenção no tumor. No entanto, algumas questões permanecem em aberto.

Um deles é o momento em que retiraram o tumor do crânio de 4 mil anos atrás. A pesquisadora afirma que isso pode ter ocorrido enquanto o paciente ainda estava vivo ou logo após sua morte. Portanto, existem dois pressupostos para as motivações da intervenção: se o corte ocorreu enquanto o indivíduo estava vivo, o objetivo era realizar o tratamento; Se fosse com o morto, uma possibilidade é que os egípcios quisessem fazer uma autópsia para investigar o tumor.

Além disso, não é possível compreender o que aconteceu após a realização da intervenção. Os pontos em aberto mostram como o campo de estudo ainda pode evoluir. Camarós defende que é preciso aprimorar as tecnologias disponíveis, como possibilitar a realização de análises moleculares de câncer em ossos antigos – o procedimento já é realizado em casos contemporâneos – para trazer ainda mais respostas sobre a relação entre a doença e o passado. sociedades.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. View live statistics of all links being created for your website. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.