Do laboratório ao leito: a epigenética abre caminho ao combate ao câncer

Do laboratório ao leito: a epigenética abre caminho ao combate ao câncer



Um pilar central da nossa sistema imunológico Estas são células T, que monitoram todas as partes do nosso corpo através da corrente sanguínea. Eles podem reconhecer proteínas estranhas produzidas pelas células cancerígenas e penetrar no respectivo tecido para atacar e eliminar especificamente as unidades doentes.

Em 1909, o famoso médico e pesquisador alemão Paul Ehrlich levantou a hipótese de que nosso corpo produz constantemente células degeneradas que são destruídas pelo poder de nosso corpo. sistema imunológico. As células cancerígenas que, no entanto, escapam a esta vigilância, conseguem obviamente esconder a sua proteínas alvo que os denunciam.

Estas percepções sobre o potencial central do nosso próprio sistema imunitário para combater eficazmente o cancro levaram, no século XXI, ao desenvolvimento de um novo método extraordinariamente potente de tratamento do cancro, Terapia com células CAR-T.

As células T do próprio paciente são removidas e modificadas fora do corpo em laboratório, de modo que agora carregam um local de ativação e reconhecimento para uma proteína muito específica produzida pelas células cancerígenas. Quando as células CAR-T modificadas desta forma são administradas de volta ao paciente, as células cancerígenas são especificamente procuradas, reconhecidas, atacadas e destruídas.

Continua após a publicidade

Desde 2009, quando o primeira terapia bem sucedida foi demonstrado em um paciente com leucemia intratável, estima-se que mais de 20 mil pessoas em todo o mundo tenham sido tratadas com esse método.

Os dados mais impressionantes estão disponíveis para leucemias infantis. Neste caso, 80% das crianças que de outra forma não teriam outra chance são realmente curadas.

A primeira criança a ser salva foi Emily Whitehead em 2012, que sofria de leucemia linfoblástica aguda (LLA) aos 7 anos de idade. O fim parecia inevitável até que ela recebeu terapia com células CAR-T do médico Carl June, da Universidade da Pensilvânia. Depois de apenas 22 dias, não havia mais nenhum câncer detectável. A menina conseguiu sair da cama do hospital e está livre do câncer há 12 anos.

Continua após a publicidade

Até o momento, seis produtos diferentes de células CAR-T para o tratamento de vários tipos de câncer no sangue foram aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA. Alguns deles já estão lançados no Brasil.

O desafio dos tumores sólidos

Apesar destes sucessos inovadores em vários tipos de cancro do sangue, os avanços nos tumores sólidos ainda não foram alcançados. Tumores sólidos, como próstata, mama, pulmão, câncer de cólon, entre outros, representam quase 90% de todos os cancros em adultos e 30% em crianças.

Um grande obstáculo até o momento é que as respectivas proteínas alvo para a terapia com células CAR-T na superfície das células tumorais não são conhecidas, uma vez que só devem estar presentes ali, mas não em outras células saudáveis ​​do corpo.

Continua após a publicidade

Só assim seria possível direcionar células T exclusivamente para células doentes. Caso contrário, as células CAR-T modificadas também atacariam as células saudáveis, o que poderia levar a efeitos colaterais indesejáveis.

É precisamente para este problema central que as novas descobertas científicas no campo da investigação epigenética oferecem agora uma solução. A possibilidade de descobrir proteínas alvo até então desconhecidas de células CAR-T.

As células cancerígenas estão sujeitas a considerável desregulação epigenética do seu DNA. Como resultado, várias novas proteínas são produzidas, incluindo possíveis proteínas alvo para células CAR-T.

Continua após a publicidade

É interessante notar que os genes associados apresentam alterações epigenéticas características que revelam esta produção anormal das possíveis proteínas alvo das células CAR-T. Os tecidos de câncer de próstata de três importantes centros clínicos da Europa foram determinados patologicamente, e deles todo o DNA foi isolado e todos os genes foram testados para alterações epigenéticas características.

Os pesquisadores apresentaram uma nova maneira de estudar como as características genéticas são influenciadas por fatores ambientais e de estilo de vida, chamada epigenética. Eles sugerem que esta abordagem pode ajudar no tratamento do câncer de próstata. Existem modificações específicas no grau de metilação que permitem identificar a superfície da membrana de uma célula tumoral ou fragmentos livres de DNA (também do tumor). Isto representa um importante mecanismo de precisão na medicina.

A equipe de pesquisa da Universidade Heinrich Heine, na Alemanha, em colaboração com o Departamento de Urologia da Universidade Positivo, em Curitibaconseguiram apresentar novas proteínas alvo potenciais de células CAR-T para uma possível terapia para câncer de próstata.

Continua após a publicidade

A terapia com células T é uma forma de tratar o câncer usando as próprias células de defesa do corpo. Para que funcione bem e com poucos efeitos colaterais, é importante encontrar alvos específicos no câncer para as células T atacarem.

Que nova perspectiva foi recentemente apresentada em duas publicações científicas. Conforme demonstrado, esta é uma tecnologia de plataforma que poderia potencialmente ser aplicada a todos os tumores sólidos para identificar novas proteínas alvo para células CAR-T, abrindo uma nova e ampla possibilidade de combate ao cancro.

* Marcelo Bendhack é urologista, uro-oncologista e presidente da Associação Latino-Americana de Uro-oncologia (Urola)

Compartilhe este artigo via:



bxblue emprestimos

quero fazer empréstimo consignado

como fazer emprestimo consignado

empréstimo c

bxblue simulação

emprestimo consignado para aposentado inss

emprestimo consignado online rapido

empréstimos consignados

simulação para emprestimo consignado

empréstimo consignado para negativado

emprestimos para aposentados inss

Link. Advantages of overseas domestic helper. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.