Dá para melhorar desempenho em teste de QI estudando? – Jornal Estado de Minas

Dá para melhorar desempenho em teste de QI estudando? – Jornal Estado de Minas


A maioria dos adultos nunca precisou fazer um teste de QI. Mas testes para avaliar as capacidades cognitivas dos alunos, como o Teste de Capacidade Cognitiva (CAT), são usados ​​em escolas de todo o mundo — e são muito semelhantes aos testes de QI. Fazê-los pode ser difícil para as crianças, mas talvez ainda mais difícil para os pais.

Coloque-se, por um momento, no lugar de um pai cujo filho recebe uma pontuação geral do CAT abaixo da média. Uma série de perguntas desagradáveis ​​​​podem surgir na sua cabeça. Isso significa que você não entrará em uma universidade de ponta? E a carreira?

Algum tempo depois de tanto ruminar sobre ideias, outro pensamento pode surgir. Se o desempenho nestes testes é importante, é possível melhorá-lo da mesma forma que melhoramos em qualquer outra coisa, isto é, através da prática?

A ciência revela que, seja você criança ou adulto, é possível melhorar seu desempenho em testes cognitivos. Mas isso não o tornará mais inteligente.

A longa história de testes

Os testes padronizados têm uma longa história na educação e às vezes também são utilizados pelas empresas como uma etapa em processos seletivos. O exemplo mais notável é provavelmente o concurso público chinês. Esta avaliação extremamente difícil foi introduzida durante a dinastia Sui (581-618 d.C.) para selecionar candidatos para a burocracia imperial, um cargo de grande prestígio.

Não mudou muita coisa. Tal como a China imperial, hoje, as instituições educativas em todo o mundo testam os alunos numa variedade de competências, incluindo conhecimentos da matéria e capacidades cognitivas. Nos EUA, os exames SATs são usados ​​para filtrar inscrições em universidades de prestígio. Testar os alunos em matérias como matemática, alfabetização e ciências faz tanto sentido hoje como fazia há 14 séculos.

É uma forma de determinar se os alunos estão aprendendo as habilidades necessárias para serem cidadãos educados, responsáveis ​​e produtivos. Menos óbvio e mais controverso é o que os testes cognitivos escolares trazem para a mesa.

Os testes cognitivos são geralmente um conjunto de tarefas que avaliam uma variedade de habilidades intelectuais. Por exemplo, a versão mais recente do CAT mede quatro habilidades cognitivas: raciocínio verbal, raciocínio não verbal, raciocínio quantitativo e raciocínio espacial.

Imagens Getty
A ciência diz que seja você criança ou adulto, é possível melhorar seu desempenho em testes cognitivos

Aqueles que se saem bem em uma tarefa cognitiva específica têm maior probabilidade de se sair bem em outras tarefas cognitivas. As tarefas cognitivas estão, portanto, interligadas e não exploram o conhecimento adquirido. E a capacidade mental geral para resolver problemas intelectuais desconhecidos e não relacionados é o que chamamos de inteligência.

A pontuação em um teste cognitivo abrangente costuma ser chamada de QI. Mas as pontuações de QI são apenas indicações da inteligência das pessoas. Crucialmente, essas pontuações estão intimamente ligadas ao desempenho acadêmico.

Na verdade, o QI é de longe o melhor preditor do desempenho acadêmico e um importante preditor do sucesso profissional. Os testes cognitivos são, portanto, uma forma útil e bastante confiável de prever resultados na vida real.

A mão masculina segura o lápis para marcar a resposta no teste

Imagens Getty
Bom desempenho em testes cognitivos é sinal de inteligência

A prática leva à perfeição, não a inteligência

Um bom desempenho em testes cognitivos é um sinal de inteligência. E ser inteligente é útil para alcançar objetivos na vida.

O desempenho em testes cognitivos melhora com a prática. Por exemplo, um estudo descobriu que fazer duas vezes um teste de raciocínio não-verbal comum aumenta as pontuações em aproximadamente o equivalente a oito pontos de QI.

Assim, uma criança que faz um teste como o CAT pela segunda vez provavelmente terá um desempenho melhor do que na primeira vez. Várias rodadas de testes repetidos produzem efeitos semelhantes ou até maiores em vários testes cognitivos, mas é claro que se espera um patamar.

Da mesma forma, quando os adultos fazem o mesmo teste de inteligência várias vezes, podem melhorar o seu desempenho aprendendo a lógica por trás das perguntas. Por esta razão, os testes padronizados não estão disponíveis publicamente.

Ainda assim, melhorar a sua pontuação através da prática não provaria que a sua inteligência cresceu. Como visto, os testes cognitivos foram concebidos para medir a inteligência, expondo as pessoas a novos materiais e situações.

Se você tiver a oportunidade de se familiarizar com um teste cognitivo com antecedência, sua pontuação no teste medirá, até certo ponto, sua capacidade de fazer o teste, e não sua inteligência. Ou seja, praticar um teste cognitivo torna essencialmente os resultados do teste ininterpretáveis.

Para apoiar a afirmação de que o treino em tarefas cognitivas específicas torna as pessoas mais inteligentes, é necessário mostrar que as pessoas apresentam melhorias em tarefas cognitivas e académicas não relacionadas com as tarefas treinadas.

A ideia de aumentar a inteligência por meio do treinamento de tarefas cognitivas já existe há pelo menos algumas décadas. No entanto, as evidências apontam na direção oposta. Embora as pessoas melhorem consistentemente em tarefas treinadas (ou tarefas semelhantes), não há efeito em tarefas desconhecidas relacionadas à inteligência.

Treinar seu filho para ter um bom desempenho no CAT ou em qualquer outro teste cognitivo pode ter razões práticas. Por exemplo, algumas escolas seletivas no Reino Unido utilizam CAT em seu processo de seleção. Também pode aumentar a confiança da criança.

Dito isto, a inteligência não pode ser treinada.

Ainda assim, as habilidades acadêmicas e profissionais podem. Embora a alta inteligência seja uma vantagem significativa, o sucesso acadêmico e profissional não depende inteiramente dela. O trabalho árduo, a classe social, a personalidade, a curiosidade, a criatividade e até a sorte têm frequentemente um enorme efeito na vida individual.

* Giovanni Sala é professor de psicologia na Universidade de Liverpool e Fernand Gobet é professor pesquisador na London School of Economics and Political Science.

Este artigo foi publicado originalmente no site de notícias acadêmicas A conversa e republicado sob uma licença Creative Commons. Leia aqui versão original em inglês.



empréstimo sobre a rmc o que é isso

empréstimos de banco

banco para pegar empréstimo

simulação emprestimo aposentado inss

empréstimo brasilia

empréstimo consignado para bpc loas

taxa de empréstimo consignado

simular empréstimo cnpj

Link. Advantages of overseas domestic helper. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.