Como é ter ‘pais tóxicos’? Conheça os tipos mais comuns – Jornal Estado de Minas

Como é ter ‘pais tóxicos’? Conheça os tipos mais comuns – Jornal Estado de Minas


“Meus pais me deixaram deprimida – eu costumava chorar quase todos os dias. Então decidi ignorá-los.”

Não é muito comum ouvir isso de uma filha, especialmente logo depois que ela mesma se torna mãe.

Mas Sarika, uma mulher malaia de 30 anos, diz que a sua relação com os pais atingiu o limite depois de anos a conviver com o seu “comportamento tóxico” – que, segundo ela, afetou a sua saúde mental.

“Isso me impactou muito, principalmente durante a gravidez. Acredito que até meu bebê, na minha barriga, poderia ter me ouvido chorar”, disse ela.

Sarika limitou o contato com os pais, mas a decisão de se distanciar da mãe e do pai não foi fácil.

“A culpa está sempre presente”, diz ela.

Sarika não está sozinha.

Ashley, do Quênia, disse à BBC: “Eu definitivamente descreveria meu pai como um narcisista. Ele nunca apareceu para nada na escola, nem apareceu na minha formatura. Ele sempre tinha uma desculpa.”

Segundo a jovem de 25 anos, apesar da ausência do pai, ele reclamava frequentemente de quase tudo sobre ela.

“O que realmente ajudou a me proteger de seu comportamento tóxico foi minha mãe. Ela fez tudo da melhor maneira que pôde”, disse Ashley.

“O casamento deles terminou há muito tempo, mas a minha mãe continuou ligada a ele. Porque na maioria das culturas africanas, os divórcios são uma coisa totalmente diferente em comparação com as culturas ocidentais”, acrescentou. “Agora ele liga principalmente para perguntar se consegui um emprego para poder comprar alguma coisa para ele.”

Imagens Getty
‘Paternidade tóxica’ pode ter efeitos negativos na idade adulta, alertam especialistas

Ashley e Sarika moram a milhares de quilômetros de distância, mas têm muito em comum.

Os dois relatam que os pais, geralmente ausentes quando necessário, ainda tentam controlá-los, interferindo em suas decisões sobre carreira, vida social, relacionamentos e casamento.

Também estão circulando vídeos no TikTok e em outras plataformas de mídia social nos quais outras pessoas contam como cortaram o contato com seus pais. A atitude é justificada pelo que chamam de “comportamento tóxico” dos pais, que provoca culpa e medo constantes desde a infância.

“O número de pessoas que procuram ajuda profissional por danos causados ​​por pais tóxicos não é apenas comum, é galopante”, diz Ayo Adesioye, psicoterapeuta registado na Associação Britânica de Aconselhamento e Psicoterapia (BACP).

Embora o termo “tóxico” seja usado mais do que nunca, o que significa?

O que é um ‘pai tóxico’?

Segundo a agência da ONU para a infância, Unicef, “a parentalidade positiva não se restringe a um método, a um conjunto de regras ou a um estilo; é uma crença, um modo de vida. vergonha e guiado com encorajamento amoroso.”

Embora não exista uma definição oficial para “pai tóxico”, o termo é amplamente usado para descrever genericamente um conjunto de características negativas que são contrárias à “paternidade positiva”.

“Geralmente rotulamos algo como tóxico quando é um padrão recorrente de comportamento, e não um evento isolado”.

Por exemplo, perguntar ao seu filho se ele tem companheiro não é, por si só, problemático, segundo o especialista. Mas se o questionamento fizer parte de um padrão de comportamento controlador ou abusivo, a pergunta assume maior significado para a criança.

“Às vezes os pais fazem isso sem querer, sem saber o que estão fazendo, por falta de autoconsciência, conhecimento e educação”, explica Adesioye, que também é especialista em violência doméstica.

Um estudo de 2013 da UCLA (Universidade da Califórnia, Los Angeles) descobriu que pessoas com altos níveis de estresse infantil tinham maior chance de desenvolver certos riscos à saúde na idade adulta, como colesterol alto, pressão alta e diabetes.

Controlador, narcisista e outros tipos

Adesioye descreve os dois tipos mais comuns de paternidade tóxica que ela vê em sua prática.

Primeiro, existem pais controladores, que podem interferir na carreira acadêmica, na vida profissional ou nas escolhas de relacionamento dos filhos, estabelecendo expectativas e padrões irrealistas.

Depois, há os pais narcisistas, cuja prioridade número um não são os filhos, mas eles próprios.

Ela diz que as características desses dois tipos muitas vezes se sobrepõem.

No entanto, a lista de tipos de pais tóxicos continua, disse Alyson Corner, psicóloga clínica consultora baseada no Reino Unido.

Depois de se aposentar do NHS, ela lançou um site, myhorridparent.com, com dicas de sobrevivência para jovens afetados por pais tóxicos, com o objetivo de ajudá-los a seguir em frente. com suas vidas.

Segundo ela, alguns dos outros tipos são:

  • Mães opressoras – que tomam decisões pelos filhos sem pedir
  • Mães irritadas – que criticam quase tudo que as crianças fazem (e deixam seus filhos saberem disso)
  • Mães ciumentas – que carecem de algo em suas vidas e querem vivê-lo através dos filhos
  • Pais competitivos – que podem tornar-se desagradáveis ​​e críticos se os seus filhos se saírem melhor do que eles
  • Pais irritados – que têm um temperamento impetuoso e agressivo e perdem o controle sobre pequenas coisas
  • Pais submissos – que deixam todas as decisões e responsabilidades para as mães

Alyson Corner diz que ao ouvir “as histórias trágicas e comoventes” que recebe, às vezes ela se vê tendo que ajudar as vítimas, fornecendo linhas internacionais de apoio ao suicídio, se necessário.

“Pode ser muito ruim”, disse ela à BBC.

celular

Imagens Getty
Muitas pessoas compartilham vídeos nas redes sociais sobre como estão se afastando de pais tóxicos

Tabu cultural

Sarika tentou conversar com uma terceira pessoa próxima de sua família – “alguém que não julga”, diz ela – sobre o assunto, mas diz que todos acabaram culpando-a.

“Nossa cultura nos faz pensar que as crianças estão erradas e os pais estão sempre certos. As pessoas costumam dizer que não há fumaça sem fogo”, acrescentou.

Segundo a professora Cheris Shun-ching Chan, especialista em Sociologia da Universidade de Hong Kong, vários factores socioeconómicos também podem contribuir para o fenómeno.

Por exemplo, ela diz que a política do filho único da China, que limitava a maioria das famílias a ter um filho, pode exercer pressão sobre as crianças porque os seus pais não têm ninguém em quem confiar.

“E essa criança está sob uma pressão ainda maior para satisfazer as expectativas dos seus pais, porque os seus pais realmente sacrificaram muito ou fizeram tudo por ela”, disse ela à BBC.

Enquanto isso, muitos pais buscam dependência emocional dos filhos, que se preocupam com eles o tempo todo, principalmente se os pais tiverem um casamento desfeito ou se o pai tiver um caso extraconjugal, explica o professor Chan.

“Acho que também é uma espécie de parentalidade tóxica e seria ainda mais difícil para as crianças serem abertas sobre isso”, acrescenta. “Nestas circunstâncias, algumas crianças tornam-se conselheiras das suas mães”.

Silhueta de mãe e filha

Imagens Getty
‘Não quero ser como meus pais. Quero apoiar muito minha filha, dar o meu melhor e deixar que ela decida a própria vida’

De acordo com Ayo Adesioye, alguns dos efeitos a longo prazo que podem ser observados em seus pacientes adultos devido à parentalidade tóxica são problemas de autoestima, vergonha crônica, autocrítica severa e falta de autocompaixão, necessidade de agradar constantemente, dificuldade pedir ajuda e incapacidade de se sentir seguro nos relacionamentos.

Como lidar com pais tóxicos

Sarika diz que seu relacionamento com os pais tornou-se extremamente tóxico após o casamento, o que seus pais não aprovaram.

“Aparentemente, meus pais fizeram tudo por mim. Eu não fiz nada por eles. ‘Você é uma vergonha para minha família’, era o que meu pai costumava dizer. Em algum momento, pensei que provavelmente estava errado.” Ela adiciona.

De acordo com Asha Patel, psicóloga clínica e fundadora da Innovating Minds, uma empresa social que fornece apoio psicológico a crianças e jovens no Reino Unido, é normal sentir-se culpado por reconhecer que tem pais tóxicos, mas priorizar o seu próprio bem-estar é crucial.

“Ninguém mais está cuidando da sua saúde mental”, acrescenta. “Então a única pessoa que pode fazer isso é você.”

Ayo Adesioye diz que, sem se envolverem em discussões desnecessárias com os pais, os filhos adultos devem estabelecer limites firmes, reconhecendo para si próprios que já não são crianças.

“Acho que é isso que se perde. Vejo muito isso na minha prática. Você volta a ser criança e esquece que é adulto.”

Ashley seguiu esse conselho e optou por estabelecer limites claros com seu pai, priorizando seu bem-estar mental, enquanto Sarika agora está determinada a ser uma boa mãe para sua filha recém-nascida.

“Só não quero ser como meus pais. Quero apoiá-la muito, fazer o meu melhor e deixá-la decidir sua própria vida”, disse ela.

Este relatório foi escrito e revisado por nossos jornalistas utilizando a assistência de IA na tradução, como parte de um projeto piloto.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. What are the vip benefits ?. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.