O êxodo de Rafah chega a 360.000 enquanto a ONU destaca US$ 2,8 bilhões em ajuda para Gaza e Cisjordânia

O êxodo de Rafah chega a 360.000 enquanto a ONU destaca US$ 2,8 bilhões em ajuda para Gaza e Cisjordânia



“Quase 360 ​​mil pessoas fugiram de Rafah desde a primeira ordem de evacuação, há uma semana”, disse a agência da ONU numa publicação no X, referindo-se a um panfleto do exército israelita ordenando às pessoas no leste de Rafah que abandonassem os seus abrigos.

Noutro em guarda, UNRWA alertou para o contínuo “acesso humanitário restrito” à Faixa de Gaza e através dela, que era agora “uma questão de vida ou morte” para os habitantes de Gaza que já sofriam “bombardeios implacáveis ​​e insegurança alimentar”.

O desenvolvimento ocorre uma semana depois de Israel ter avançado com a sua ofensiva militar em Rafah, assumindo o controlo do lado de Gaza da passagem fronteiriça de Rafah e da passagem de Kerem Shalom.

“Precisamos imediata e urgentemente de passagem segura para ajuda humanitária e trabalhadores”, insistiu a agência da ONU em meio a novos relatos de mais confrontos e bombardeios no campo de refugiados de Jabalia no norte do enclave.

“Os bombardeamentos e outras ordens de evacuação criaram mais deslocamentos e medo para milhares de famílias” no norte, disse a UNRWA. “Não há para onde ir. Não há segurança sem cessar-fogo.”

A agência da ONU também informou na segunda-feira que outro funcionário foi morto em Gaza, elevando o número total de funcionários mortos na guerra para 188.

Acredita-se que o indivíduo – um oficial sênior do projeto de 53 anos – tenha morrido em um ataque israelense na cidade central de Deir Al-Balah, após deixar Rafah. “Ele deixa esposa e quatro filhos”, disse a agência.

Apelo financeiro

Num desenvolvimento relacionado, a ONU destacou novamente a sua Apelo de US$ 2,8 bilhões apoiar mais de três milhões de pessoas em Gaza e na Cisjordânia durante os próximos oito meses.

“Durante meses, mulheres e crianças foram mortas a uma taxa que excede qualquer guerra neste século, e aqueles que escaparam à morte e aos ferimentos correm agora o risco de perder a vida por falta de alimentos, água potável, medicamentos e tratamento.” disse Joyce Msuya, Secretária-Geral Adjunta para Assuntos Humanitários e Coordenadora Adjunta de Ajuda.

Falando no Kuwait, a Sra. Msuya descreveu como todos os dias: “dezenas de mulheres dão à luz em condições terríveismuitas vezes sem anestesia ou ajuda médica enquanto bombas explodem ao seu redor.”

“As mães veem seus bebês morrerem em seus braços porque não têm leite suficiente para sustentá-los, e as crianças morrem porque não têm comida ou água suficientes”.

Tanta coisa ainda pode ser feita

Após mais de sete meses de guerra, pelo menos 35 mil pessoas foram mortas, segundo as autoridades de saúde de Gaza. Outros 70 mil estão feridos ou desaparecidos, muitos deles presos sob os escombros.

É urgentemente necessário continuar a financiar para ajudar aqueles que dependem da ajuda humanitária para sobreviver, os OCHA disse um alto funcionário, insistindo que mesmo na ausência de um cessar-fogo, “ainda há muito que podemos fazer com as condições certas”.

Estamos em negociações diárias de acesso com as partes. Estamos coordenando a resposta humanitária… Retiramos pessoas dos escombros e repatriamos os corpos de trabalhadores humanitários, incluindo aqueles que trabalhavam para a Cozinha Central Mundial e os Médicos Sem Fronteiras, que foram mortos servindo os necessitados.

Os comentários do funcionário do OCHA foram feitos no momento em que o escritório de coordenação da ajuda relatado novas demolições de edifícios palestinos no campo de Al’Arrub, na província de Hebron, na Cisjordânia.

O último dados do portal online do OCHA indica que 435 estruturas foram danificadas ou destruídas em toda a Cisjordânia este ano, deslocando 824 pessoas.

Cuidados de saúde em perigo

Enquanto isso, a Organização Mundial da Saúde (Organização Mundial de Saúde) disse a incursão em Rafah comprometeu a prestação de serviços de saúde, o acesso aos cuidados de saúde e a entrega de produtos vitais.

A OMS afirmou que a escassez de combustível também ameaça a continuidade dos esforços humanitários, observando que parceiros em Gaza necessitam de um mínimo de 46.000 litros de combustível por dia apenas para as suas operações.

No caso de uma operação militar alargada em Rafah, a OMS alertou que haverá um aumento da procura de combustível.





globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. Feel free to resell backlinks to your clients. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.