“Não abandonaremos os habitantes de Gaza que estão em Rafah”, diz Unrwa


Em meio a relatos de que 100 mil palestinos foram instruídos a deixar a cidade de Rafah antes de uma operação militar israelense, autoridades humanitárias da ONU reforçaram na segunda-feira que não têm intenção de abandonar o local.

A Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos, Unrwa, afirmou que “uma ofensiva israelita em Rafah significaria mais sofrimento e mortes de civis”, acrescentando que as consequências seriam devastadoras para 1,4 milhões de pessoas.

Grandes partes de Gaza, após sete meses de bombardeio israelense, estão em ruínas

Um acordo para “acabar com o sofrimento”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, reiterou o seu apelo urgente ao governo israelita e aos líderes do Hamas para que façam “um esforço extra para chegar a um acordo e acabar com o sofrimento”.

Guterres disse estar profundamente preocupado com as indicações de que uma operação militar em grande escala em Rafah era iminente.

Segundo agências de notícias, o líder supremo do Hamas, Ismail Haniyeh, confirmou a aceitação do grupo aos termos do cessar-fogo de Israel, num processo mediado pelo Qatar e pelo Egipto.

No entanto, notícias da imprensa indicam que a liderança de Israel sinalizou que a proposta do Hamas fica muito aquém das suas exigências. O país declarou que pretende continuar as negociações de cessar-fogo, mas que também continuará com a operação em Rafah.

Corredores de evacuação minados

A Unrwa afirmou que não evacuará o seu pessoal e “manterá presença em Rafah durante o maior tempo possível” para continuar a prestar serviços de resgate e ajuda às pessoas.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, alertou que “um cerco militar e uma incursão terrestre em Rafah representaria riscos catastróficos para as 600 mil crianças” abrigadas na cidade mais meridional de Gaza.

Muitos deles “são altamente vulneráveis ​​e estão no limite da sobrevivência”, afirmou a agência da ONU num comunicado, destacando o aumento da violência em Rafah e o facto de potenciais corredores de evacuação estarem “provavelmente minados ou repletos de munições não detonadas”. .

A Unicef ​​​​acrescentou que qualquer movimento militar em Rafah resultará num número muito elevado de vítimas civis e, ao mesmo tempo, destruirá “os poucos serviços básicos e infra-estruturas restantes” de que as pessoas precisam para sobreviver.

Mulheres idosas fogem de Khan Younis depois que o exército israelense atacou a cidade

Mulheres idosas fogem de Khan Younis depois que o exército israelense atacou a cidade

Intimidação e ameaças contra profissionais da ONU

A diretora executiva do Unicef, Catherine Russell, disse que muitas crianças foram “deslocadas diversas vezes e perderam casas, pais e entes queridos”. Ela disse que milhares de crianças estão “feridas, doentes, desnutridas, traumatizadas ou vivendo com deficiências”.

No domingo, a Diretora Executiva do Programa Alimentar Mundial da ONU, Cindy McCain, destacou preocupações sobre as restrições de ajuda e atrasos impostos por Israel.

O Comissário Geral da Unrwa, Philippe Lazzarini, disse que “as autoridades israelenses continuam a negar o acesso humanitário às Nações Unidas”.

Explicou que nas últimas duas semanas foram registados 10 incidentes envolvendo disparos contra comboios, detenções de funcionários da ONU, incluindo intimidação, despojamento, ameaças com armas e longos atrasos nos postos de controle. Estes acontecimentos obrigaram os comboios de ajuda a deslocarem-se durante a noite ou a abortarem as missões.

O chefe da Unrwa também condenou os ataques com foguetes na passagem de Kerem Shalom, que supostamente mataram três soldados israelenses, levando ao seu fechamento. A travessia é um importante ponto de entrada para a ajuda humanitária.

“Al Mawasi não é seguro”

De acordo com relatos de agências de notícias, panfletos lançados pelos militares israelenses acima do leste de Rafah aconselhavam as comunidades a se mudarem para a chamada zona segura de Al Mawasi, a oeste de Rafah, ao longo do Mar Mediterrâneo.

Os profissionais humanitários da ONU rejeitaram anteriormente iniciativas de evacuação semelhantes levadas a cabo pelos militares israelitas, dizendo que equivaliam a uma deslocação forçada.

A representante de comunicações da Unrwa em Gaza, Louise Wateridge, disse que “em “Al Mawasi, há uma grave falta de infra-estruturas suficientes, incluindo água”.

Mais de 400 mil pessoas já estão abrigadas na região costeira, de acordo com a última avaliação da agência da ONU, que relatou um afluxo de pessoas deslocadas da cidade vizinha de Khan Younis.

Para apoiar esta população, a Unrwa tem dois centros de saúde temporários em Al Mawasi, juntamente com outros pontos médicos recém-criados na área.

A porta-voz da Unrwa, Juliette Touma, disse que Al Mawasi “está longe de ser seguro, porque nenhum lugar é seguro em Gaza”.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.