Histórias do Arquivo da ONU: a primeira força de manutenção da paz da ONU

Histórias do Arquivo da ONU: a primeira força de manutenção da paz da ONU


A crise começou quando o Egipto nacionalizou a Companhia do Canal de Suez em Julho de 1956, e a França e a Grã-Bretanha protestaram. Em Outubro desse ano, as forças israelitas lançaram um ataque ao Egipto e ocuparam o Sinai, com tropas britânicas e francesas pouco depois de desembarcarem na zona do Canal de Suez.

A ONU não conseguiu resolver a questão no Conselho de Segurançaque se reuniu para discussões em 31 de outubro e não adotou uma decisão depois que a França e a Grã-Bretanha usaram o seu poder de veto, um privilégio dos membros permanentes do órgão.

Esses vetos desencadearam disposições no “União pela Paz” resolução, adotado pela Assembleia Geral em 1950, que afirma que se o Conselho, “devido à falta de unanimidade dos membros permanentes, não exercer a sua responsabilidade primária de manter a paz e a segurança internacionais em qualquer caso em que pareça haver uma ameaça à paz, uma violação da a paz ou um ato de agressão, a Assembleia Geral considera imediatamente o assunto a fim de fazer recomendações apropriadas a um Membro sobre medidas coletivas”.

Duas unidades na história da ONU

Os termos da resolução Unidos pela Paz também afirmavam que uma sessão especial de emergência poderia ser convocada dentro de 24 horas, e foi isso que a Assembleia Geral fez um dia após o veto do Conselho.

Uma unidade militar norueguesa da UNEF se prepara para partir do campo de aviação Fornebu, perto de Oslo, Noruega, em 13 de novembro de 1956. (arquivo)

De 1 a 10 de Novembro na sua primeiro sempre sessão especial de emergênciaa Assembleia apelou ao cessar-fogo e à retirada de todas as forças estrangeiras, com o então secretário-geral da ONU, Dag Hammarskjöld, a fornecer as últimas actualizações.

“Estamos agora a menos de duas horas do momento estabelecido para um cessar-fogo acordado, sem compromissos dos três governos que ainda não indicaram a sua aceitação”, disse o chefe da ONU ao organismo mundial.

A Assembleia solicitou então que, no prazo de 48 horas, o Secretário-Geral apresentasse um plano para o estabelecimento de uma força das Nações Unidas para garantir e monitorizar a cessação das hostilidades, o que ele fez.

Dele um plano foi um modelo para o estabelecimento da primeira força de manutenção da paz da ONU – a Força de Emergência da ONU (UNEF). O mandato era supervisionar a retirada das três forças de ocupação e, uma vez concluída a retirada, actuar como uma barreira entre as forças egípcias e israelitas e fornecer supervisão imparcial do cessar-fogo. A Força de Emergência da ONU estava armada, mas as tropas deveriam usar as suas armas apenas para autodefesa e, mesmo assim, com a máxima contenção.

Embora mais de 100 soldados da paz tenham sido mortos, a operação supervisionou com sucesso a retirada das forças armadas britânicas, francesas e israelitas do Egipto.

Após o rápido envio da UNEF para a área, as forças francesas e britânicas deixaram a Zona do Canal de Suez em 22 de Dezembro de 1956, e a retirada das forças israelitas foi concluída em 8 de Março de 1957.

Uma coluna motorizada da UNEF arvorando a bandeira da ONU espera em janeiro de 1957 que os israelenses evacuem El Arish para se mudarem para aquela cidade.  (arquivo)

Uma coluna motorizada da UNEF com a bandeira da ONU espera em janeiro de 1957 que os israelenses evacuem El Arish para se mudarem para aquela cidade. (arquivo)

A ONU libera o Canal de Suez bloqueado

A criação da UNEF representou uma inovação significativa dentro da ONU. Não se tratou de uma operação de imposição da paz, tal como previsto no artigo 42.º do Um voomas sim uma operação de manutenção da paz a ser realizada com o consentimento e a cooperação das partes no conflito.

Para lembrá-los de casa, a equipe da UNEF e membros da Royal Canadian Electrical and Mechanical Engineers construíram uma placa de sinalização fora de sua oficina no Egito, com distâncias variadas até as cidades do Canadá.  (arquivo)

Para lembrá-los de casa, a equipe da UNEF e membros da Royal Canadian Electrical and Mechanical Engineers construíram uma placa de sinalização fora de sua oficina no Egito, com distâncias variadas até as cidades do Canadá. (arquivo)

Estacionada inteiramente em território egípcio com o consentimento do governo, a UNEF patrulhou a linha fronteiriça do armistício egípcio-israelense e a fronteira internacional ao sul da Faixa de Gaza e trouxe relativa calma a uma área há muito conturbada.

O Canal de Suez, bloqueado pelo conflito, foi liberado pelas Nações Unidas.

A Força de Emergência da ONU consistia em seu auge de 6.073 militares, vindos do Brasil, Canadá, Colômbia, Dinamarca, Finlândia, Índia, Indonésia, Noruega, Suécia e depois da Iugoslávia.

Houve mortes: 109 militares e um funcionário local.

A pedido do governo egípcio, que informou o Secretário-Geral que não concordaria mais com o estacionamento da força em território egípcio e em Gaza, a UNEF retirou o seu pessoal em Maio e Junho de 1967.

Assista aos vídeos da ONU Histórias do Arquivo da ONU último episódio sobre UNEF aqui.

Notícias da ONUA série #ThrowbackThursday apresenta momentos épicos ao longo da história da ONU, cultivados desde o Biblioteca Audiovisual da ONUSão 49.400 horas de vídeo e 18.000 horas de gravações de áudio.

Veja os vídeos da ONU Histórias do Arquivo da ONU lista de reprodução aqui e nossa série complementar aqui.

Junte-se a nós na próxima quinta-feira para mais um mergulho na história.

Tropas do contingente UNEF da Índia praticam evacuação e desembarques na praia de Abu, em Rafah, Gaza, em 1958. (arquivo)

Tropas do contingente UNEF da Índia praticam evacuação e desembarques na praia de Abu em Rafah, Gaza, em 1958. (arquivo)



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Advantages of local domestic helper. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.