Gaza: Relatadas vítimas em massa no ataque israelita ao campo de deslocados

Gaza: Relatadas vítimas em massa no ataque israelita ao campo de deslocados



“Os relatórios provenientes de Rafah sobre novos ataques a famílias que procuram abrigo são terríveis”, afirmou a agência da ONU para os refugiados palestinianos. UNRWAdisse em uma postagem no X, após relatos de um ataque militar israelense a um campo em Tal as-Sultan, no noroeste de Rafah, junto com outros abrigos ao norte em Jabalia, Nuseirat e Cidade de Gaza.

Imagens não confirmadas publicadas online mostraram abrigos totalmente queimados e corpos carbonizados no local do ataque em Rafah.

“Há relatos de vítimas em massa, incluindo crianças e mulheres entre os mortos. Gaza é o inferno na terra. As imagens da noite passada são mais um testemunho disso”, disse a UNRWA.

Condenação internacional

Ecoando esses comentários e a condenação internacional generalizada do ataque, o Relator Especial da ONU sobre o direito à habitação, Balakrishnan Rajagopal, apelou a uma “acção global coordenada” para acabar com a guerra, dias depois de o tribunal superior da ONU ter apelado ao fim da expansão militar de Israel. operação em Rafa.

Atacar mulheres e crianças enquanto elas se preocupam nos seus abrigos em Rafah é uma atrocidade monstruosa”, disse Rajagopal, um especialista independente em direitos humanos que não é membro da equipe da ONU.

“Precisamos de uma acção global coordenada para parar as acções de Israel agora.”

Num comunicado, os militares israelitas negaram ter visado deliberadamente civis e disseram que o ataque foi planeado contra duas importantes figuras do Hamas. O ataque foi um “ataque aéreo de precisão” no noroeste de Rafah que matou Yassin Rabia e Khaled Nagar – ambos trabalhadores na Cisjordânia ocupada – de acordo com o direito humanitário internacional, disseram as Forças de Defesa de Israel (IDF).

Nenhum lugar e ninguém está seguro: UNRWA

Numa publicação separada nas redes sociais, a agência da ONU também expressou preocupação com a segurança e o estado dos colegas em Gaza, com quem o contacto foi perdido após o ataque em Rafah.

“Não temos uma linha de comunicação estabelecida com os nossos colegas no terreno. Não podemos confirmar a sua localização e estamos extremamente preocupados com o seu bem-estar e com o bem-estar de todas as pessoas deslocadas que se abrigam nesta área. seguro. Ninguém está seguro.”

Além da ameaça mortal de violência, os humanitários da ONU insistiram que a fome continua a ser um perigo diário para o povo de Gaza.

Continuam os atrasos na entrega da ajuda

O alerta surge no meio de uma suspensão quase total das entregas de comboios de ajuda humanitária desde que os militares israelitas tomaram a passagem de Rafah, do Egipto para Gaza, no início deste mês, em resposta a um ataque com foguetes à passagem de Kerem Shalom, no dia 5 de Maio, que resultou na morte de quatro defesas israelenses. Soldados da Força (IDF).

De acordo com a UNRWA portal on-line para a ajuda da ONU e o combustível que entra em Gaza através de Rafah e da vizinha Kerem Shalom, nenhum camião de ajuda entrou no enclave desde o passado domingo.

“A ajuda está aí, a dezenas de quilómetros de distância, nas fronteiras – à medida que a população se aproxima da fome”, disse Sam Rose, Diretor de Planeamento da UNRWA. depois no X na noite de domingo.

Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) também confirmou os graves desafios atuais na recepção e entrega de ajuda em toda Gaza, citando atrasos frequentes, controlos arbitrários e restrições de acesso por parte das autoridades israelitas.

Pressões da missão de alívio

Entre 1 e 23 de maio, 31 missões de ajuda tiveram acesso negado e 40 foram impedidas, incluindo “atrasos extremos, detenção de trabalhadores humanitários, disparos de tiros de advertência e abortos forçados de missões oficialmente sancionadas”, disse o OCHA num post sobre X no domingo.

“Se os alimentos e os suprimentos humanitários não começarem a entrar em Gaza em grandes quantidades, o desespero e a fome se espalharão”, disse o Programa Alimentar Mundial da ONU (PMA) também avisou na segunda-feira, depois da ONU Secretário Geral António Guterres manifestou preocupação pelo facto de a operação humanitária estar “quase em colapso”.

“O secretário-geral enfatiza que as autoridades israelenses devem facilitar a recuperação e entrega segura de suprimentos humanitários do Egito que entram em Kerem Shalom para os necessitados”, disse o porta-voz da ONU. declaração no domingo, após a alegada passagem de ajuda e combustível do Egipto para Gaza através do Kerem Shalom.

“O Secretário-Geral reitera o seu apelo a um cessar-fogo imediato e à libertação imediata e incondicional de todos os reféns para acabar com o sofrimento dos civis”, observou o comunicado, acrescentando que o Sr. Guterres estava “horrorizado” com a falta de implementação do encomendas recentes do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) relativamente à situação em Gaza.

“As decisões do Tribunal são vinculativas”, continuou a declaração.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo