Gaza: Quase 1 milhão de pessoas deixaram Rafah “em busca de segurança inexistente”

Gaza: Quase 1 milhão de pessoas deixaram Rafah “em busca de segurança inexistente”


A Organização Mundial da Saúde, OMS, estima que quase 1 milhão de pessoas deixaram a província de Rafah “em busca de uma segurança que não existe em nenhum lugar de Gaza”.

Esta terça-feira, a agência descreveu uma “situação terrível, incluindo o agravamento da situação da água e do saneamento e os efeitos do clima quente do verão”. Há receios de um aumento das doenças transmissíveis, incluindo diarreia, erupções cutâneas, hepatite A e a possível expansão dos níveis de desnutrição.

Unrwa perdeu dezenas de funcionários entre outubro e dezembro em Gaza

Piora da situação da água e do saneamento

A OMS destaca que o deslocamento da população palestina afeta a prestação de cuidados de saúde devido à movimentação de pessoal que trabalha na área. Muitos profissionais de saúde ou voluntários estão assustados e cansados.

A ONU e os seus parceiros expressaram profunda preocupação com as detenções “desumanas” de supostos combatentes palestinianos levadas a cabo pelas autoridades israelitas em Gaza, numa área marcada por bombardeamentos durante a noite de segunda-feira. As denúncias de maus-tratos incluem casos de amputação devido ao uso prolongado de algemas.

Para responder às grandes necessidades, as entidades parceiras “precisam de se reestruturar e movimentar com a população”. A agência da ONU alerta que há “simplesmente um número decrescente de profissionais de saúde no trabalho”.

Vítimas do ataque de domingo a Tal Sultan

A OMS sublinha também que apoia a assistência às vítimas após o ataque de domingo em Tal Sultan, a noroeste de Rafah, num campo de deslocados que alegadamente matou 35 pessoas. Entre eles estavam mulheres e crianças.

Os feridos foram atendidos no Ponto de Estabilização do Trauma apoiado pela OMS, bem como nos hospitais de campanha das ONG UKmed e IMC. O tipo de intervenção ficou ainda mais sobrecarregado.

Após o incidente, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lamentou o ataque que “matou dezenas de civis inocentes que apenas procuravam abrigo”. Disse que não há lugar seguro em Gaza e que o “horror tem de parar”.

Num novo relatório, a Agência de Assistência aos Refugiados Palestinianos, Unrwa, afirmou que a guerra em Gaza teve um sério impacto na saúde e no bem-estar dos refugiados, com um aumento de ferimentos, traumas e problemas de saúde mental.

As pessoas em Gaza foram deslocadas várias vezes e vivem em abrigos improvisados

As pessoas em Gaza foram deslocadas várias vezes e vivem em abrigos improvisados

Acesso limitado à água potável

A destruição das infra-estruturas e dos transportes complicou ainda mais a prestação de cuidados de saúde, agravando as limitações das condições de vida das vítimas e limitando o acesso à água potável.

Um terço das crianças com menos de dois anos de idade no norte de Gaza sofre de subnutrição aguda, ilustrando o agravamento da situação nutricional.

No último trimestre de 2023, o acesso aos cuidados de saúde diminuiu. A Unrwa revelou que 14 dos 22 centros de saúde tiveram de parar de funcionar e os cortes de energia prejudicaram os sistemas de telemedicina.

A agência abriu 155 abrigos de emergência e montou 108 unidades médicas móveis, além de coordenar o envio de medicamentos essenciais e implementar a vigilância de surtos de doenças.

Tomada de reféns

Em maio, a Unrwa perdeu mais de 191 funcionários, incluindo 11 profissionais de saúde. O relatório menciona relatos obtidos de “médicos e denunciantes” sobre detidos feridos que foram mantidos num hospital de campanha com “mãos e pés algemados e vendados 24 horas por dia, 7 dias por semana, nas suas camas”.

Em 19 de Maio, 128 das 253 pessoas capturadas durante os ataques terroristas liderados pelo Hamas no sul de Israel, em 7 de Outubro, ainda permaneciam em Gaza. A publicação reitera que a tomada de reféns constitui uma “grave violação dos princípios da Convenção de Genebra e um crime de guerra”.

Mais de 35 dos reféns foram declarados mortos e os que estão vivos provavelmente enfrentarão “as condições mais terríveis”. Entre os que foram libertados foram mencionados “múltiplos relatos de abuso sexual em cativeiro”.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. You don't need to write many articles yourself. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.