Ucrânia: Necessidades humanitárias e de saúde aumentam à medida que as hostilidades em Kharkiv se intensificam


“Os ataques aéreos implacáveis ​​continuam, prolongando e piorando uma situação já terrível”, disse a agência da ONU para refugiados (ACNUR), a porta-voz Shabia Mantoo. “Mais de dois anos após a invasão em grande escala da Rússia, bombardeamentos e ataques regulares continuam a ceifar vidas e a destruir casas e infraestruturas críticas em todo o país.”

A Sra. Mantoo destacou que, na semana passada, mais de 10.300 pessoas foram evacuadas das suas aldeias nas regiões fronteiriças de Kharkiv pelas autoridades ucranianas, com a ajuda de voluntários e organizações humanitárias.

A maioria dos evacuados são pessoas “altamente vulneráveis”, incluindo idosos e pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência que anteriormente não conseguiam fugir das suas casas.

Avanços militares russos

De acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, OCHAestima-se que mais de 16.000 pessoas tenham fugido das áreas mais atingidas na região de Kharkiv desde 10 de Maio, no meio de relatos de avanços significativos das forças russas.

Dentro de Kharkiv – a segunda maior cidade da Ucrânia, que já acolhe cerca de 200 mil pessoas deslocadas internamente – as condições “poderão tornar-se ainda mais difíceis se as ofensivas terrestres e os ataques aéreos implacáveis ​​continuarem”, alertou Mantoo. “Isso poderia forçar muitas pessoas a deixar Kharkiv em busca de segurança e sobrevivência, buscando proteção em outro lugar”.

O porta-voz do ACNUR enfatizou o facto de os ataques às infra-estruturas energéticas serem “particularmente críticos” em Kharkiv, onde o fornecimento de energia já está “bem abaixo da capacidade padrão” e as casas sofrem com a falta de electricidade.

Portagem civil

Enquanto isso, OCHA informou que nos últimos três dias houve ataques diários na cidade de Kharkiv, resultando em “dezenas de vítimas civis, incluindo crianças e uma mulher grávida”, citando autoridades locais, “bem como uma ambulância. bater e um paramédico ferido quando dois ataques atingiram o mesmo local em estreita sucessão”.

Falando de Kiev, a Organização Mundial da Saúde da ONU (Organização Mundial de Saúde) representante na Ucrânia Dr. Jarno Habicht disse que desde o início da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia em Fevereiro de 2022, “em média, 200 ambulâncias por ano são danificadas ou destruídas em bombardeamentos”.

“Esta é uma perda enorme, que priva o povo ucraniano de uma preocupação urgente”, insistiu.

20.000 amputações

No geral, a OMS registou mais de 1.700 ataques à saúde no país desde fevereiro de 2022, disse o Dr.

O representante da agência de saúde da ONU acrescentou que se acredita que cerca de 10 milhões de pessoas no país sofrem de problemas de saúde mental, enquanto mais de 20.000 amputações foram realizadas desde o início da invasão em grande escala da Rússia – “duas áreas. [which] precisa do apoio de muitos parceiros humanitários e de desenvolvimento e a longo prazo”.

Embora a intensificação das hostilidades na região de Kharkiv tenha aumentado as necessidades humanitárias “exponencialmente”, o Dr. Habicht também enfatizou a necessidade de “pensar a médio prazo para se preparar para o próximo inverno”.

O sistema de saúde da Ucrânia foi destruído pela guerra.

Para garantir que o sistema de saúde da Ucrânia possa “continuar a funcionar em meio a dificuldades prolongadas”, a OMS começou a instalar “unidades de aquecimento modulares” em hospitais, incluindo em Chernihiv e Odesa, nos próximos dias e semanas, disse o Dr.

Mas responder às necessidades imediatas e de médio prazo e preparar a resposta de inverno tem sido um desafio devido à queda no financiamento humanitário para a Ucrânia em comparação com os últimos dois anos.

De acordo com o OCHA, o Plano de Resposta e Necessidades Humanitárias da ONU de 3,1 mil milhões de dólares para o país em 2024 continua a ser financiado apenas em 23%. A resposta do ACNUR na Ucrânia e nos países vizinhos que acolhem refugiados é financiada apenas em 16 por cento, o que, à medida que se aproxima o meio do ano, é “mau”, disse a Sra. Mantoo.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Ele sunt, te pot ajuta să arzi grasimea si sa scapi de o serie de riscuri pentru sanatate.