A crise climática está a alimentar inundações mortais e a agravar a fome no Afeganistão



Programa Alimentar Mundial da ONU (PMA) disse que, à medida que o clima instável “se tornará a norma” à medida que a crise climática piorar, as coisas só vão piorar.

As precipitações invulgarmente elevadas deste mês seguiram-se a um Inverno seco, tornando o solo demasiado difícil de absorver água, causando inundações massivas. As temperaturas excepcionalmente quentes complicaram ainda mais a situação, derretendo a neve das montanhas, fazendo com que os rios transbordassem e inundassem as aldeias com lama.

“Com desastre após desastre atingindo essas comunidades, eles são empurrados de volta para a pobreza. As recentes melhorias na segurança alimentar no Afeganistão correm agora o risco de serem perdidas”, disse Hsiao-Wei Lee, Diretor Nacional do PMA para o Afeganistão.

Essas famílias precisam de ajuda emergencial para sobrevivere a longo prazo, precisam de investimentos em infra-estruturas comunitárias que ajudem a proteger as suas casas, terras e meios de subsistência.”

Destruição severa

As inundações da semana passada devido a fortes chuvas causaram severa destruição nas províncias de Ghor e Faryab, no noroeste do Afeganistão. Mais de 130 pessoas morreram, centenas de outras estão desaparecidas e milhares de casas e empresas foram destruídas ou danificadas.

O acesso também é um grande desafio, com muitas aldeias isoladas e os humanitários lutando para chegar às regiões afetadas.

À medida que as operações de busca e salvamento prosseguem, o número de vítimas aumentará, realçando a necessidade urgente de mais apoio e intervenção internacional para enfrentar a crescente crise humanitária no Afeganistão.

De 10 a 11 de Maio, o Nordeste foi atingido por fortes chuvas e inundações repentinas, afectando as províncias de Badakhshan, Baghlan e Takhar. Pelo menos 180 pessoas foram mortas e outras 280 ficaram feridas.

Resposta do PMA

Numa resposta imediata às cheias, o PAM forneceu biscoitos fortificados e suplementos nutricionais às crianças e trabalhou com padarias locais para distribuir pão às comunidades mais afectadas.

No final da semana passada, a agência começou a distribuir rações alimentares e assistência monetária em áreas funcionais do mercado.

Para a sua resposta contínua, o PAM necessita de um montante adicional de 14,5 milhões de dólares para cobrir a assistência alimentar e nutricional de emergência e projectos de construção resilientes.

Para mitigar desastres futuros, investe em projetos de adaptação climática, incluindo a construção de muros de proteção, barragens e canais de irrigação.

Notavelmente, um muro contra inundações apoiado pelo PAM em Baghlan protegeu 670 famílias e 400 acres de terras agrícolas durante as fortes chuvas.

DiCarlo no Afeganistão

Entretanto, na frente política, Rosemary DiCarlo, Subsecretária-Geral da ONU para Assuntos Políticos, visitou o Afeganistão de 18 a 21 de maio, onde se encontrou com responsáveis ​​talibãs, membros da comunidade diplomática em Cabul e representantes da sociedade civil.

Segundo o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, as discussões centraram-se na reunião de Enviados Especiais para o Afeganistão, que a ONU está a organizar na capital do Qatar, Doha, nos dias 30 de junho e 1 de julho.

A reunião visa aumentar o envolvimento internacional com o Afeganistão de uma forma mais coerente, coordenada e estruturada.

“Ela estendeu ao Ministro de facto dos Negócios Estrangeiros, Amir Khan Muttaqi, um convite antecipado do Secretário-Geral para participar na próxima reunião de Enviados Especiais”, disse Dujarric aos jornalistas na conferência de imprensa regular em Nova Iorque.

Os líderes talibãs não compareceram à última ronda da reunião, realizada em fevereiro.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo