ONU faz apelo de US$ 2,8 bilhões para assistência em Gaza e na Cisjordânia

ONU faz apelo de US$ 2,8 bilhões para assistência em Gaza e na Cisjordânia


As agências da ONU lançaram na quarta-feira um apelo por 2,8 mil milhões de dólares para fornecer assistência urgente a milhões de pessoas em Gaza, mas também na Cisjordânia, onde os palestinianos têm sido alvo do aumento da violência dos colonos.

O apelo abrange assistência a 3,1 milhões de pessoas até ao final do ano. Isto inclui os 2,3 milhões de pessoas na Faixa de Gaza, onde especialistas em insegurança alimentar alertaram que a fome iminente se aproxima no norte.

Falta de produtos alimentares básicos

De acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha, “mais de metade da população de Gaza enfrenta níveis catastróficos de fome”. Os mercados carecem de alimentos básicos e dependem de vendedores informais que oferecem ajuda.

A agência da ONU afirma que uma tendência preocupante identificada é o “aumento da revenda de ajuda humanitária nos mercados, especialmente vendedores ambulantes informais, muitos dos quais são crianças”.

Uma equipe da ONU inspeciona uma escola destruída em Khan Younis

Liderando o apelo, o OCHA observou que o pedido de financiamento cobre os requisitos da Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados Palestinianos, Unrwa, que continua a ser “a espinha dorsal” da resposta humanitária em Gaza e na Cisjordânia.

Quase um milhão dos 1,7 milhões de deslocados estão abrigados nos 450 abrigos públicos e da Unrwa, ou nas proximidades da agência, que tem mais de 13 mil funcionários em Gaza, sendo que 3,5 mil deles estão envolvidos em ajuda humanitária. A Unrwa também serve 1,1 milhões de palestinianos e outros na Cisjordânia, 890 mil dos quais são refugiados.

Esta quarta-feira, o Conselho de Segurança da ONU discutirá a situação no Médio Oriente, com a participação do comissário-geral da UNRWA, Philippe Lazzarini.

Transbordamentos inadequados de água e esgoto

De acordo com relatos de profissionais da ONU, os bombardeamentos israelitas continuam em curso na Faixa de Gaza, incluindo a Cidade de Gaza, no norte, Rafah, no sul, e no centro do enclave. Estima-se que mais de uma dúzia de pessoas morreram num aparente ataque com mísseis contra um campo de refugiados na terça-feira.

De acordo com Ocha, a falta de acesso à água potável continua a ser uma grande preocupação humanitária, com apenas uma das três fontes de abastecimento de Israel a operar com apenas 47% da capacidade.

Existem também menos de 20 poços de água subterrânea, que só funcionam “quando há combustível disponível”. Atualmente, não existe um sistema de tratamento de águas residuais totalmente funcional.

A agência acrescentou que ocorreram transbordamentos de esgotos “em muitas áreas, aumentando os riscos para a saúde pública em Gaza”.

O apelo de 2,8 mil milhões de dólares representa apenas parte dos 4,1 mil milhões de dólares que a ONU e os parceiros estimam serem necessários

O apelo de 2,8 mil milhões de dólares representa apenas parte dos 4,1 mil milhões de dólares que a ONU e os parceiros estimam serem necessários

Uma avaliação recente realizada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, que analisou 75 locais em Rafah, concluiu que um terço das 750 mil pessoas que vivem nestes espaços consomem água de fontes inadequadas. Além disso, a disponibilidade média de água é de apenas três litros por pessoa por dia.

Nível de destruição de hospitais é “desolador”

Após a retirada das forças israelitas do sul de Gaza no início deste mês, os trabalhadores humanitários expressaram preocupações sobre uma operação militar das Forças de Defesa Israelenses na cidade de Rafah.

Esta quarta-feira, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, destacou como a missão de segunda-feira à Cidade de Gaza foi “severamente atrasada, restando menos tempo” para avaliar os danos e as necessidades no devastado hospital da Al-Qaida. Shifa e o Hospital Indonésio.

Tedros Ghebreyesus afirmou que “a remoção dos cadáveres em Al-Shifa ainda está em curso”. Segundo ele, “o pronto-socorro está sendo limpo por profissionais de saúde e os leitos queimados foram retirados”, mas ainda falta uma avaliação completa da engenharia. O chefe da OMS também mencionou os esforços em curso para reabrir o Hospital Indonésio.

Tedros declarou que “o nível de destruição dos hospitais de Gaza é “desolador” e apelou para que os hospitais fossem protegidos e não “atacados ou militarizados”.

O apelo de 2,8 mil milhões de dólares representa apenas parte dos 4,1 mil milhões de dólares que a ONU e os parceiros estimam serem necessários para satisfazer as necessidades dos mais vulneráveis. O valor reflete o que as equipas humanitárias acreditam que será implementável nos próximos nove meses.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. View live statistics of all links being created for your website. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.