O povo indígena Kalinago lidera o caminho para tornar a Dominica “resiliente ao clima”

O povo indígena Kalinago lidera o caminho para tornar a Dominica “resiliente ao clima”


A Domínica, que está localizada no leste das Caraíbas, é particularmente vulnerável a fenómenos meteorológicos extremos, que são agravados pela crise climática: o furacão Maria, em 2017, foi um exemplo devastador, danificando quase todas as casas e edifícios, destruindo cerca de três quartos da pesca. frota e paralisando a economia.

O povo indígena Kalinago foi particularmente afetado, mas, desde então, os líderes comunitários têm trabalhado com a ONU para ajudar o seu povo a tornar-se mais resiliente, antecipando o próximo choque climático.

Antes da sessão de 2024 do Fórum Permanente da ONU sobre Questões Indígenas (UNPFII) Conor Lennon de Notícias da ONU conheceu Sylvanie Burton – que é ao mesmo tempo a primeira Kalinago do país, bem como a primeira mulher Chefe de Estado – e Lorenzo Sanford, o mais jovem chefe da comunidade Kalinago, para descobrir como planeiam alcançar o seu objectivo de tornar a ilha o primeira nação “resistente ao clima” do mundo, e porque os jovens da comunidade são fundamentais para a revitalização da cultura indígena na ilha.

Sylvanie Burton (l), Lorenzo Sanford (c), Conor Lennon (r)

Lorenzo Sanford No passado eram sempre as mesmas pessoas que eram escolhidas como líderes. Queria fazer a diferença e apresentar as opiniões dos mais jovens, porque a nossa comunidade tem muitos jovens, através de uma abordagem popular.

Notícias da ONU O que as gerações mais velhas da comunidade Kalinago pensaram sobre um homem tão jovem se tornar um líder?

Sylvanie Burton A população de Kalinago é composta por cerca de 65% de jovens, por isso queríamos dar aos nossos jovens a oportunidade de fazer a diferença. Unimo-nos em torno de Lorenzo, o que lhe dá o nível de autoridade necessário para se tornar um líder.

Notícias da ONU Qual foi o impacto do furacão Maria no território de Kalinago?

Lorenzo Sanford Eu estava em outra parte da ilha quando Maria apareceu e queria ver como estava minha família. Não havia internet, nem ligação telefónica e as estradas estavam bloqueadas, pelo que a única forma de regressar era a pé, pelas estradas tradicionais.

Quando cheguei às montanhas, tudo estava marrom; não havia mais vegetação. Tudo o que se via eram casas destruídas e pessoas parecendo perdidas, sem saber o que fazer.

Sylvanie Burton Antes de Maria chegar, eu sabia que nossa ilha seria atingida diretamente. Então, convocamos um conselho de emergência e decidimos ir até as casas dos idosos e levá-los para os abrigos. No meio da tarde, as pessoas mais vulneráveis ​​estavam sendo conduzidas para um local seguro.

E então a tempestade tropical começou a chegar. O mar estava furioso e eu podia ouvir o rugido do vento vindo do vale. A tempestade nos atingiu por horas e horas. Comecei a orar e até perguntei a Deus por que ele não responde às nossas orações. Fiquei grato por estar numa estrutura de concreto e só conseguia imaginar o que estava acontecendo com nosso povo que vivia em pequenas casas de madeira no resto do Território de Kalinago.

No dia seguinte, depois de passada a tempestade, pensámos que o mar estava muito perto das nossas casas. Não era, mas parecia que sim porque todas as árvores e casas haviam desaparecido.

Foi uma experiência muito dolorosa que você não gostaria que ninguém passasse. Foi um milagre que ninguém no nosso território tenha morrido.

Notícias da ONU Antes do furacão a maioria dos edifícios eram feitos de madeira, mas vi várias casas e edifícios de concreto. Esta construção faz parte do esforço para tornar a Domínica mais resiliente?

Lorenzo Sanford Sim. No Território Kalinago temos muitas acomodações diferentes. Entramos na comunidade com diferentes agências que se ofereceram para ajudar, para ver como poderíamos fazer casas mais fortes que ainda seriam construídas no estilo Kalinago. Também estamos construindo um grande abrigo comunitário universal, mas queremos que mais pessoas se sintam mais seguras em suas próprias casas na próxima vez que ocorrer uma tempestade tropical.

Notícias da ONU O acesso a informações confiáveis ​​é crucial para salvar vidas. Como garantir que o maior número possível de pessoas receba avisos antecipados de eventos climáticos extremos?

Sylvanie Burton Estamos trabalhando para obter melhores informações sobre o clima e transmiti-las à população antes que as tempestades cheguem. Estamos também a criar centros de TIC (tecnologia de informação e comunicação) em toda a Domínica, onde as pessoas podem aceder a informações antes das tempestades, tomar precauções e encontrar abrigo com antecedência.

Território de Kalinago, Dominica

Território de Kalinago, Dominica

Notícias da ONU A angariação de fundos para fazer face às consequências da crise climática é um problema para todos os pequenos Estados insulares em desenvolvimento, e não apenas para a Domínica. Você não é responsável pela crise, mas é desproporcionalmente afetado por ela. É mais fácil acessar os fundos necessários para se adaptar?

Sylvanie Burton Nas conferências da ONU sobre o clima, ouvimos os grandes países poluidores prometerem dar dinheiro e reduzir a sua própria pegada de carbono. Mas estes países devem transformar as suas promessas em ações.

Por exemplo, depois do furacão Maria, o Secretário-Geral da ONU veio à Domínica e vários países prometeram ajudar. Mas muitas destas promessas não foram cumpridas, por isso tivemos de contrair empréstimos para garantir que estávamos a construir um país resiliente ao clima.

Estamos muito gratos às organizações da ONU que ajudam a Dominica e aos países que ajudam, mas será necessário um pouco mais. Estes grandes países precisam de colocar o seu dinheiro onde está a boca!

Notícias da ONU O Kalinago está nesta ilha há mais de 500 anos. Esse conhecimento popular acumulado ajudou você a se adaptar às mudanças climáticas?

Lorenzo Sanford Eu diria que isso nos ajudou a nos recuperar de uma forma muito rápida. Por exemplo, as nossas práticas indígenas informam a forma como plantamos os nossos alimentos. Assim, esperamos que este conhecimento seja transmitido às gerações mais jovens para que possamos proteger o nosso futuro, tanto no Território de Kalinago como em toda a ilha.

Esta entrevista foi editada para maior clareza e extensão.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Alepeo aleppo duschseife mit lorbeeröl 5 liter.