ESPECIAL: A corrida contra o tempo para desarmar as gangues do Haiti

ESPECIAL: A corrida contra o tempo para desarmar as gangues do Haiti


As notícias sobre a violência de gangues no Haiti têm sido marcadas por fatos como o uso de franco-atiradores para atirar aleatoriamente contra a população, saques e sequestros em massa, ataques a prisões para libertar milhares de presos e controle de estradas e portos vitais para a economia.

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc, relatou um aumento no tráfico de armas cada vez mais poderosas e sofisticadas para o país desde 2021, como os rifles AK47, AR15 e Galil. Segundo especialistas Reunidos pelo Secretário-Geral da ONU, estes “arsenais mortíferos” significam que os gangues exercem “um poder de fogo que excede o da polícia nacional haitiana”.

Barricadas são erguidas regularmente para bloquear estradas em Porto Príncipe

“Níveis de desordem sem precedentes”

Tal como afirmado em diversas resoluções do Conselho de Segurança, o tráfico ilícito de armas e munições para o Haiti é um dos principais motores da expansão do controlo territorial dos gangues e dos níveis extremos de violência armada no país, além de representar uma ameaça à estabilidade regional. .

As ações para impedir a entrada de armas incluem uma embargo do Conselho de Segurança desde 2022, a cooperação regional para combater as redes criminosas e fortalecer a capacidade do país caribenho de monitorar suas fronteiras. No entanto, quanto mais armas entram, mais controlo os gangues ganham sobre pontos estratégicos, como portos e estradas, tornando ainda mais difícil para as autoridades prevenir o tráfico.

Para a representante regional do Unodc na América Latina e no Caribe, Sylvie Bertrand, a crise de segurança no país precisa ser estabilizada para “melhorar as chances de monitorar e controlar todas as fronteiras”. Ela afirmou que a situação atual representa “níveis de desordem sem precedentes”.

A agência planeja fornecer equipamentos de varredura nas entradas marítimas, aéreas e terrestres do Haiti e tecnologia de radar para que as autoridades policiais e alfandegárias possam compreender melhor os navios e aviões que chegam. Outra prioridade é a segurança portuária, para que produtos essenciais possam entrar no país sem serem sequestrados ou roubados.

Passageiros agarrados à parte externa de um ônibus nas ruas de Porto Príncipe

Passageiros agarrados à parte externa de um ônibus nas ruas de Porto Príncipe

Controle de áreas estratégicas

O diretor de pesquisas do Instituto Igarapé, Robert Muggah, descreve o momento atual como “o pior que ele viu nos últimos 20 anos”, desde que começou a trabalhar com a nação caribenha. Ele é o autor do relatório “Mercados Criminosos do Haiti”publicado pela Unodc em 2023.

Em conversa com a ONU News, o especialista independente afirmou que as gangues “controlam áreas muito estratégicas da capital, bem como as principais estradas que ligam Porto Príncipe aos portos e fronteiras terrestres, além das cidades e zonas costeiras”. onde ocorre grande parte do tráfico.” de armas.”

Afirmou que as armas chegam ao Haiti “por via aérea, terrestre e principalmente marítima e são distribuídas às gangues, especificamente o G9 e o G-Pèp, que são as duas maiores gangues do Haiti, e são usadas para ajudar essas gangues a cometer crimes e fortalecer seu poder político.”

O Unodc tem trabalhado para cumprir o mandato criado pelo resolução 2692, que solicita relatórios trimestrais ao Conselho de Segurança sobre as fontes e rotas de armas ilícitas. Os primeiros relatórios, divulgados em Outubro de 2023 Isso é Janeiro de 2024analisou rotas no Nordeste do país, dinâmicas regionais e relações internas entre gangues.

O terceiro estudo, ainda a ser divulgado, abordará as vulnerabilidades do sul do Haiti ao tráfico e a relação entre a desestabilização do país e o crescente fluxo migratório no Caribe. Este conjunto de análises revela a dimensão do desafio de desarmar as gangues que atualmente controlam quase 90% da capital Porto Príncipe.

Haiti: Combate ao tráfico de armas

A demanda: quem são as gangues e como elas se organizam

Atualmente, existem cerca de 23 gangues atuando na região metropolitana de Porto Príncipe, divididas em duas grandes coalizões rivais: a “G-Pèp”, liderada por Gabriel Jean Pierre, também chamado de “Ti Gabriel” e a “Família G9 e Aliados”, liderado por Jimmy Chérizier, conhecido como “Churrasco”.

Segundo Robert Muggah, “as gangues haitianas não são um fenômeno novo” e datam da década de 1950. Segundo ele, o país tem uma longa história de actores económicos que utilizam gangues para proteger os seus negócios e sabotar concorrentes, bem como a elite política que financia grupos armados para controlar o eleitorado. Atualmente, existem cerca de 150 a 200 gangues no país caribenho.

De acordo com Painel de especialistas chamados pela ONU a apoiar a implementação de sanções, em particular o embargo de armas, os gangues estão a tornar-se “mais fortes, mais ricos, bem armados e autónomos”. Nos últimos três anos, diversificaram as suas fontes de rendimento, especialmente devido ao aumento dos sequestros que geram pagamentos de resgate que variam entre 7.000 e 500.000 dólares. Entre janeiro e fevereiro deste ano, 379 pessoas foram sequestradas.

Robert explica que outros ganhos advêm da exploração da população civil, bem como dos mercados criminosos internacionais de drogas e, em alguns casos, de armas de fogo. O especialista alerta que esta dinâmica está a gerar enormes desafios para a população haitiana, um dos “piores da história moderna”.

Destacou que nos últimos meses, as duas facções rivais começaram a “unir forças em ataques coordenados contra o aeroporto, o Palácio Nacional, o Teatro Nacional, hospitais, escolas, quartéis da polícia, alfândegas e portos, impondo efectivamente a sua vontade e ampliando a sua vontade”. território.”

Armas de fogo confiscadas durante controlos fronteiriços

Armas de fogo confiscadas durante controlos fronteiriços

A oferta: Fontes e rotas que alimentam a violência

Falando da sede do UNODC no Panamá, Sylvie Bertrand afirmou que “a maioria das armas de fogo e munições traficadas para o Haiti, seja diretamente ou através de outro país, tem origem nos Estados Unidos”. Eles normalmente são comprados em varejistas licenciados, feiras de armas ou lojas de penhores.

O Unodc identificou quatro rotas de tráfico. A principal delas vem dos Estados Unidos, saindo da Flórida diretamente para Porto Príncipe, em navios cargueiros. A segunda é da Flórida até as costas norte e oeste do Haiti, passando por Turks e Caicos e Bahamas. A terceira é através da República Dominicana através das diversas passagens fronteiriças com o Haiti e a última através de bens pessoais, transportados por navios cargueiros, barcos pesqueiros ou pequenas aeronaves.

Esta última modalidade envolve um segmento da diáspora haitiana e corretores que servem como compradores e intermediários “frontais”. Eles adquirem armas em estados dos EUA com legislação mais branda, como Arizona, Califórnia, Flórida, Geórgia e Texas.

A grande maioria das apreensões realizadas pelas autoridades norte-americanas ocorreu em Miami, principal ponto de partida do território haitiano e único local onde os navios transportam mercadorias em segunda mão e a granel.

Nessas embarcações que partem do rio Miami, pacotes de todos os formatos e tamanhos são empilhados sem deixar espaço para movimentação, oferecendo amplas oportunidades para esconder armas e munições. As agências de controlo duplicaram as buscas em 2023, mas muitas vezes não encontram os produtos ilícitos.

Há também suspeitas de operações ilegais envolvendo voos não registrados e pequenos aeroportos ao longo da costa sul da Flórida. Sylvie Bertrand citou a presença de pistas de pouso clandestinas no Haiti e disse que esta é uma “vulnerabilidade ao tráfico ilícito” que requer mais resposta das autoridades.

Calibres cada vez maiores e armas “fantasmas”

À medida que a procura de armas aumenta, o tráfico tornou-se um negócio muito lucrativo, mesmo em pequenas remessas. Por exemplo, rifles semiautomáticos de 5,56 mm que custariam algumas centenas de dólares nos Estados Unidos são vendidos regularmente por US$ 5.000 a US$ 8.000 no Haiti.

O Painel de Peritos convocado pelo Conselho de Segurança recebeu imagens de metralhadoras 7,62 x 51 mm alimentadas por cinto e munições 12,7 x 99 mm para metralhadoras pesadas ou rifles. Segundo o pessoal médico entrevistado pelo Painel, “o número crescente de armas em circulação, bem como a modernização dos arsenais, está a ter um impacto na letalidade e na gravidade dos ferimentos infligidos”.

O painel documentou ainda a presença de “armas fantasmas”, que são fabricadas de forma privada com relativa facilidade através da compra de peças online, evitando assim os processos de controlo que se aplicam às armas de fogo fabricadas em fábrica. Estas armas não são serializadas e, portanto, não podem ser rastreadas.

Armas de fogo confiscadas durante controlos fronteiriços

Armas de fogo confiscadas durante controlos fronteiriços

Reforço da Polícia Nacional com apoio internacional

Segundo Robert Muggah, nos últimos meses houve tentativas de aumentar bloqueios e apreensões, “tanto nos Estados Unidos como em países de trânsito em todo o Caribe e no próprio Haiti”. No entanto, o especialista afirma que “o Haiti tem fronteiras extraordinariamente porosas e é extremamente difícil limitar o fluxo”.

Sylvie Bertrand disse que os Estados Unidos reforçaram os controles sobre os navios no rio Miami e os aviões que voam para o Haiti e acrescentou que a República Dominicana destacou vários agentes nas fronteiras. Em relação ao Haiti, afirmou que é “necessário restabelecer alguma segurança” para trabalhar na fronteira. No contexto atual, “os agentes da lei estão muito ocupados tentando conter a crise nas ruas de Porto Príncipe”, explicou ela.

O representante do Unodc informou que a agência está treinando “unidades de controle” em portos e aeroportos do Haiti, que são equipes interinstitucionais formadas pela Polícia Antidrogas, Alfândega, Conselho de Polícia e Guarda Costeira. Segundo ela, o objetivo é identificar e fiscalizar contêineres e cargas de alto risco, de forma a “afetar significativamente o fluxo de armas no país”.

Ao comentar o possível envio de um Missão Multinacional de Apoio à Segurança, Sylvie destacou que será essencial no “apoio ao trabalho muito corajoso que já está sendo feito pela polícia”. A ação da força internacional foi aprovada pelo Conselho de Segurança em outubro passado.

O Unodc espera contribuir com dados sobre “modelos de negócios, motivações e poder de fogo das gangues”. Num dos seus relatórios, a agência identificou, por exemplo, que um número relativamente pequeno de gangues haitianas é altamente especializado na aquisição, armazenamento e distribuição de armas e munições.

Para Robert Muggah, a “prioridade absoluta” deve ser o reforço da Polícia Nacional Haitiana, incluindo a “capacidade de consolidar o controlo sobre os territórios e infraestruturas críticas do país” para garantir um fluxo mínimo de bens e serviços. Ele também destacou a urgência de fortalecer o sistema criminal e as fronteiras.

O especialista disse que apesar do “ambiente geopolítico onde muitos dos actores estão paralisados ​​para responder”, a comunidade internacional tem uma “responsabilidade extremamente importante” de apoiar o Haiti neste momento de necessidade crítica. Caso contrário, uma “situação má poderia piorar dramaticamente”, concluiu.

Estima-se que 362 mil pessoas estejam atualmente deslocadas internamente no Haiti e tenham dificuldade para se alimentar. Cerca de 17 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe para áreas mais seguras do país. De acordo com a análise mais recente apoiada pela ONU, quase metade da população necessita de assistência alimentar.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Advantages of local domestic helper. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.