República Democrática do Congo está “à beira da catástrofe”

República Democrática do Congo está “à beira da catástrofe”


Os chefes das agências humanitárias da ONU e das organizações parceiras emitiram uma declaração declarando que sem uma acção internacional urgente, a República Democrática do Congo, a RD Congo, poderia chegar “à beira da catástrofe”.

A escalada do conflito está a gerar níveis recordes de violência baseada no género, deslocação e fome na parte oriental da nação africana.

Falta de recursos agrava a crise

A declaração afirma que décadas de conflito e a emergência humanitária resultante já esgotaram e traumatizaram milhões de civis. Só nos últimos meses, mais de 700 mil pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas, elevando o número total de pessoas deslocadas para um máximo histórico de 7,2 milhões.

Os líderes da agência dizem que é fundamental garantir que ajuda suficiente chegue rapidamente aos civis necessitados, sem obstáculos. Contudo, o Plano de Resposta Humanitária deste ano está “lamentavelmente subfinanciado”.

Apenas 16% dos 2,6 mil milhões de dólares necessários foram recebidos. A disparidade entre as necessidades crescentes e os recursos suficientes significa que milhões de pessoas ficam sem o apoio vital de que necessitam.

O comunicado divulgado na terça-feira destaca que a falta de recursos está a agravar a crise, obrigando as organizações humanitárias a reduzir as ações de assistência, com “mulheres e meninas a pagar um preço devastadoramente elevado”.

Um menino sentado em um local para deslocados em Goma, província de Kivu do Norte, República Democrática do Congo

Violência sexual e de género sem precedentes

A falta de protecção e segurança em campos de deslocados lotados significa que muitos são forçados a negociar sexo para sobreviver e apoiar as suas famílias. Quando vão buscar lenha, água ou tentam trabalhar, a população feminina também está exposta a níveis assustadores de violência sexual.

A violência baseada no género atingiu níveis sem precedentes, com o aumento dos casos registados entre 2022 e 2023. O estigma e o medo de retaliação impedem muitos sobreviventes de se manifestarem. Além da violência sexual, as crianças também correm o risco de outras ameaças, incluindo rapto, assassinato, mutilação e recrutamento por grupos armados.

Os líderes humanitários afirmam que “os autores de violações dos direitos humanos devem ser responsabilizados pelos seus crimes”. Além disso, sublinham que, de acordo com o Direito Internacional Humanitário, os civis devem ser protegidos.

Mais de 25 milhões de pessoas, ou um quarto da população congolesa, continuam a enfrentar níveis de crise ou de emergência de insegurança alimentar na RDC, um país que enfrenta uma das maiores crises alimentares do mundo.

Causas “profundas” da crise

A cólera e o sarampo também estão a espalhar-se rapidamente à medida que o sector da saúde continua a deteriorar-se. Os extremos climáticos agravados pelo El Niño são mais uma ameaça para as famílias que já estão em dificuldades.

A declaração afirma que pôr fim à escalada da crise humanitária na RD Congo exige abordar as suas causas profundas, que são “conflitos, exploração de recursos naturais, fluxos financeiros ilícitos, desigualdades de género e défices de desenvolvimento”.

Os chefes das agências e organizações humanitárias sublinharam a importância de reforçar o apoio ao povo congolês, incluindo as mulheres e raparigas que suportam o peso deste conflito.

O texto insiste que a comunidade internacional deve mobilizar recursos adicionais para a resposta humanitária e apoio às organizações da sociedade civil, e reforçar a vontade política para acabar com a violência de uma vez por todas.

Os signatários do apelo são os membros do Comité Permanente Interagências para a RDC:

o Coordenador de Ajuda de Emergência e Subsecretário-Geral para Assuntos Humanitários, Martin Griffiths;

Secretária Geral da Care International, Sofia Sprechmann Sineiro;

Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, FAOQu Dongyu;

Presidente do Conselho Internacional de Agências Voluntárias, Icva, Nimo Hassan;

Diretor Executivo do Conselho Internacional de Agências Voluntárias, Icva, Jamie Munn;

Diretora Geral da Organização Internacional para as Migrações, OIM, Amy Pope;

Presidente e CEO da InterAction, Tom Hart;

a Diretora Executiva do Mercy Corps, Tjada D’Oyen McKenna;

Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Turk;

Relatora Especial das Nações Unidas sobre os Direitos Humanos dos Deslocados Internos, Paula Gaviria Betancur;

Administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, PNUD, Achim Steiner;

Presidente e CEO da Save the Children, Janti Soeripto;

Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos, ONU-Habitat, Michal Mlynár;

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, ACNUR, Filippo Grandi;

Diretora Executiva do Fundo de População das Nações Unidas, UNFPA, Natalia Kanem;

a Diretora Executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, Catherine Russell;

Subsecretária Geral e Diretora Executiva da ONU Mulheres, Sima Bahous;

Diretora Executiva do Programa Alimentar Mundial, PMA, Cindy McCain;

Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Tedros Ghebreyesus;

Presidente e CEO da World Vision International, Andrew Morley.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. Free & easy link building. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.