Líder da ONU diz que “pesadelo” no Sudão não pode ser esquecido pelo mundo


Um pesadelo marcado por derramamento de sangue, violência sexual, destruição, fome e deslocamento. Foi assim que o secretário-geral da ONU descreveu o conflito no Sudão, que completa um ano neste dia 15 de abril.

Numa mensagem vídeo exibida esta segunda-feira na Conferência Humanitária Internacional para o Sudão e Países Vizinhos, em Paris, França, António Guterres disse que o mundo não pode deixar “este pesadelo desaparecer de vista”.

Financiamento para salvar vidas

Ele destacou que o conflito matou mais de 14 mil pessoas, feriu outras 33 mil e “reduziu casas, hospitais, escolas e outras infraestruturas vitais a escombros”, com mais de 8 milhões de pessoas fugindo de suas casas.

O líder da ONU lembrou que o Plano de Resposta Humanitária para o Sudão, no valor de 2,7 mil milhões de dólares, obteve apenas 6% de financiamento. Ao mesmo tempo, o Plano Regional de Resposta aos Refugiados para a Crise do Sudão, no valor de 1,4 mil milhões de dólares, é financiado apenas em 7%.

Guterres apelou à generosidade dos doadores para que intensifiquem as suas contribuições e apoiem estes esforços para salvar vidas. Ele também apelou a todas as partes para que protejam os civis e garantam o pleno acesso humanitário.

O chefe das Nações Unidas também expressou apoio aos esforços de mediação internacional para acabar com os combates.

Uma vista aérea de crianças e suas famílias perto de abrigos temporários no local Khamsa Dagiga para pessoas deslocadas na cidade de Zelingei, Darfur Central, Sudão

Armando civis

Também esta segunda-feira, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos alertou para uma nova escalada de violência, à medida que as partes em conflito armam civis e mais grupos armados se juntam aos combates.

Volker Turk disse que “o povo sudanês foi submetido a um sofrimento incalculável durante o conflito”, que foi marcado por ataques indiscriminados em áreas densamente povoadas, ataques com motivação étnica e uma elevada incidência de violência sexual relacionada com o conflito.

O chefe dos direitos humanos disse que “o recrutamento e utilização de crianças pelas partes no conflito também é profundamente preocupante”.

Segundo ele, os civis já sofreram demasiado e, com relatos no fim de semana de um ataque iminente em El-Fasher, Darfur do Norte, existe um risco “alarmante” de novas violações e abusos contra civis.”

Turk informou que três grupos armados declararam-se a aderir ao conflito ao lado das Forças Armadas Sudanesas e há relatos de que tanto eles como as Forças de Apoio Rápido estão agora a armar civis.

“Vidas destruídas e famílias dilaceradas”

Para o diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações, o Sudão está “à beira de uma catástrofe irremediável”.

Amy Pope disse que já existem 8,6 milhões de pessoas deslocadas pelos combates, “uma das maiores crises de deslocamento desde a Segunda Guerra Mundial”. Estima-se que 25 milhões de pessoas, mais de metade da população total do país, necessitam de assistência humanitária.

Ela disse que esta crise “não se trata apenas de números”, uma vez que no Sudão e nos países vizinhos, “vidas foram destruídas e famílias dilaceradas”.

Amy Pope destacou que à medida que o combate se espalha, “a insegurança alimentar aumenta, a saúde deteriora-se e o abuso e a exploração persistem com aparente impunidade”.

Um edifício destruído na área de Omdurman, no Sudão, onde a guerra que dura desde 15 de abril causou destruição generalizada de infraestruturas

Um edifício destruído na área de Omdurman, no Sudão, onde a guerra que dura desde 15 de abril causou destruição generalizada de infraestruturas

7 mil novas mães em risco de morte

O Papa destacou que a conferência humanitária de Paris dá à comunidade internacional a oportunidade de “começar a corrigir esta situação, a restaurar a promessa da humanidade”.

As agências humanitárias, incluindo a Organização Internacional para as Migrações, apresentaram casos aos governos doadores, pedindo-lhes que ajudassem a aliviar uma das piores crises humanitárias da memória recente.

Este domingo, a ONU Mulheres apelou à comunidade internacional para garantir que o conflito no Sudão não se torne uma crise negligenciada.

Segundo a agência, mais de 7.000 novas mães poderão morrer nos próximos meses se as suas necessidades nutricionais e de saúde não forem satisfeitas. Além disso, mais de 6,7 milhões de pessoas correm o risco de sofrer violência baseada no género.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo