Burkina Faso: Escritório de direitos humanos da ONU profundamente alarmado com relatos de assassinato de 220 moradores



De acordo com relatos dos meios de comunicação social, mais de 220 civis, incluindo 56 crianças, foram mortos em ataques alegadamente levados a cabo pelos militares em duas aldeias num único dia no final de Fevereiro.

Além disso, pelo menos dois meios de comunicação internacionais – a BBC e a Voice of America – foram “temporariamente suspensos” nos últimos dias, após reportarem os ataques mortais.

ACNUDH a porta-voz Marta Hurtado pediu o fim imediato das restrições à liberdade da mídia e ao espaço cívico.

“A liberdade de expressão, incluindo o direito de acesso à informação, é crucial em qualquer sociedade e ainda mais no contexto da transição no Burkina Faso”, disse ela em um declaração.

Burkina Faso está sob regime militar desde o início de 2022, em meio a uma insurgência de extremistas extremistas que desencadeou uma série de golpes e contra-golpes.

O capitão Ibrahim Traoré foi nomeado presidente de transição em Setembro de 2022, e o governo de transição continuou a combater os rebeldes e a denunciar tentativas de golpe.

Não foi possível verificar as alegações

A Sra. Hurtado acrescentou que embora o ACNUDH não pudesse verificar de forma independente os relatos do alegado massacre devido à falta de acesso, é importante que as alegações de violações e abusos tão graves por parte de vários intervenientes sejam trazidas à luz e que as autoridades de transição realizar prontamente investigações completas, imparciais e eficazes.

“Os criminosos devem ser responsabilizados e os direitos das vítimas à verdade, à justiça e à compensação devem ser preservados. Combater a impunidade e buscar a responsabilização são fundamentais para garantir a confiança das pessoas no Estado de direito e na coesão social”, sublinhou.

Desafios multifacetados

Volker Türk, Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, visitou o país no final de março, onde destacou os desafios multifacetados que Burkinabe enfrenta desde a derrubada do governo democraticamente eleito em janeiro de 2022.

No total, cerca de 6,3 milhões de uma população de 20 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária e, em 2023, o ACNUDH documentou 1.335 violações e abusos dos direitos humanos internacionais e do direito humanitário, envolvendo pelo menos 3.800 vítimas civis.

“Os grupos armados foram responsáveis ​​pela grande maioria das violações contra civis em incidentes envolvendo mais de 86 por cento das vítimas”, disse o Sr. Türk, enfatizando que “a protecção dos civis é fundamental. responsável.”



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.