Ativista aponta falta de investimento para avanço da equidade de gênero em Moçambique



Em Moçambique, há falta de investimento para implementar medidas para promover a igualdade de género. A avaliação foi feita pela activista moçambicana Whitney Sabino, que esteve na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, para a 68.ª sessão anual da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, CSW.

Ela falou ao UN News sobre o seu trabalho no país africano com meninas e mulheres e avaliou o progresso da agenda de género. Para ela, embora o machismo e o patriarcado pareçam ser “autofinanciados”, os recursos para apoiar políticas de género são limitados.

Barreiras à igualdade de género

A líder da organização juvenil “Manas” procura promover iniciativas de formação e criar espaços para o empoderamento feminino em Cabo Delgado, uma região que tem sofrido com conflitos e as consequências de consecutivos desastres climáticos.

Whitney Sabino acredita que as principais barreiras ao avanço da igualdade de género no seu país advêm das normas sociais e do baixo financiamento para empoderar as mulheres, tanto na frente política e social, como na frente económica.

Activista aponta falta de investimento para promover a igualdade de género em Moçambique

“As principais barreiras têm a ver com as normas sociais, a nossa cultura, alguns hábitos tradicionais que permanecem e levam, por exemplo, a casamentos precoces ou uniões forçadas; a lei de combate às uniões forçadas e prematuras em Moçambique é recente, de 2019. Diria também que há questões estruturais que têm a ver com financiamento. Isso precisa ser conversado. Esta mudança tem custos muito elevados. Costumo dizer que o machismo, o patriarcado, se reinventa com muita facilidade e é como se fosse autofinanciado. E estamos indo contra esse “sistema” […] Moçambique tem um quadro político legislativo que é um dos mais progressistas de África. Mas a implementação é deficiente, em parte devido à questão da infra-estrutura e do financiamento.”

Além da questão financeira, Whitney Sabino avalia que Moçambique precisa investir no sistema para proteger os direitos humanos das mulheres e meninas. Ela lembra que foram duramente atingidas pelos ciclones e sofrem diversas formas de violência de género.

Futuro da igualdade de género em Moçambique

A activista moçambicana afirma que o caminho para o progresso feminista no país é “feito de sonhos que estão a tornar-se realidade”. Ela enumerou uma série de conquistas no país e espera fazer parte da realização de outros “sonhos coletivos”.

“Há pesadelos pelo caminho, mas são sonhos que se tornam realidade. Hoje, em Moçambique, na região, no continente, temos muitas coisas que não tínhamos, que eram apenas um sonho. Ter uma lei, a famosa 29/2009, que é a Lei da Violência Baseada no Género em Moçambique, é um sonho desde 1995, em Pequim (Pequim), ano em que nasci. Sonho de veteranas, mães, mulheres ativistas que participaram da conferência na época e que lutaram por isso. Mas para mim essa lei é hoje uma realidade e ajuda muito. E é nesta base que eu e outras jovens fazemos advocacia, levamos os violadores à justiça e tudo isto foi um sonho. Uma lei para combater as uniões forçadas de bebés prematuros também era um sonho. Uma estratégia de género, uma política nacional de género que proporcione ou promova mulheres em posições de liderança e de tomada de decisão, também era um sonho. Vale a pena sonhar olhar para este exemplo de Moçambique, para estes avanços que estamos a fazer”

Atualmente, na Assembleia da República, as deputadas representam 42% dos 250 membros do órgão, além de serem lideradas por uma mulher. O país também foi reconhecido na ONU por ter alcançado a igualdade em cargos ministeriais em 2022.

Situação humanitária

No terreno, o trabalho de Whitney Sabino e de outros parceiros humanitários continua a ser essencial para responder à crise no norte do país, especialmente em Cabo Delgado e Nampula.

Segundo dados da ONU, o país necessita de financiamento adicional para a resposta humanitária. Além da tempestade Filipo, que atingiu as regiões centro e sul do país, o país já enfrenta a sua segunda maior crise de deslocamentos desde 2017 na província de Cabo Delgado, onde mais de 120 mil pessoas foram deslocadas por uma nova onda de violência entre fevereiro e março.

O Plano de Resposta Humanitária deste ano, que requer 413 milhões de dólares, está pouco menos de 6% financiado em 23 milhões de dólares.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.