Haddad tem razão… só que não

Haddad tem razão… só que não



Em audiência na Câmara dos Deputados, Fernando Haddad perdeu a paciência com as provocações da oposição. E ele subiu.

Ao ouvir que a economia vai mal e que deveria voltar aos livros: “Não sei o quanto você gosta de livros, mas peço que acompanhe os relatórios do Tesouro”.

Ao ver o custo da inadimplência dos precatórios e da isenção do ICMS (feita por Bolsonaro) colocado na conta do governo: “O filho é seu, você tem que assumir a responsabilidade. Faça um teste de DNA.”

Sobre o desprezo pela cultura: “Você gosta da monocultura, eu sei que você gosta”. “Eu olho para você de um ponto de vista antropológico. (…) Tentando entender o seu raciocínio. Com muita dificuldade.”

Sobre a isenção de impostos sobre jogos de azar: “Gostaria de saber se você está no seu perfeito juízo.”

Continua após a publicidade

E, com toda a razão, acusou o bolsonarismo de estar mais interessado em lacrar as redes do que em contribuir para um debate sério sobre o país —ironicamente, ao criticar a vedação alheia, lacrou-a como se não houvesse amanhã.

É certo que Haddad se divertiu muito, deu um baile e, sem dúvida, venceu a discussão.

Mas ele não aceitou.

As críticas ao governo não partem apenas de bolsonaristas duros e mal-intencionados: há muitas pessoas sérias e bem-intencionadas que estão preocupadas, com razão, com os rumos da economia.

Continua após a publicidade

O défice nominal está nas nuvens, continua a aumentar, mas o quadro fiscal não prevê cortes de despesas em nenhuma circunstância (pelo contrário, prevê um aumento constante). O equilíbrio fiscal depende exclusivamente do aumento das receitas (ou seja, dos impostos). Mas, quando a receita aumenta, em vez de reduzir a dívida, o governo reduz a meta do défice primário.

Ministros como Ruy Costa e Alexandre Silveira defendem o aumento dos gastos e a única pessoa que demonstra compromisso com a responsabilidade fiscal é o ministro das Finanças. O próprio Lula critica constantemente a responsabilidade fiscal e defende reduções nas taxas de juros. E bastou Haddad defender na Câmara a taxação das importações da China (que ele chama, não sem razão, de “contrabando”) para o presidente avisar que deve vetá-la.

Haddad disse que “a impressão que dá é que tem um fantasmazinho tomando conta das pessoas e prejudicando o nosso plano de desenvolvimento”.

O problema é que o “fantasminha” que assombra o governo Lula e atrapalha os planos de Haddad é o próprio presidente Lula.

Continua após a publicidade

(Por Ricardo Rangel em 26/05/2024)



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. View live statistics of all links being created for your website. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.