Gaza: entrega de ajuda por doca flutuante é bem-vinda, mas rotas terrestres são “mais importantes”

Gaza: entrega de ajuda por doca flutuante é bem-vinda, mas rotas terrestres são “mais importantes”


OCHA alertou que o corredor marítimo não pode substituir rotas terrestres críticas, que são a forma mais rápida e eficaz de entregar ajuda humanitária no enclave sitiado, onde mais de dois milhões de palestinianos necessitam urgentemente de alimentos, abrigo e outra ajuda.

“Toda e qualquer ajuda a Gaza é bem-vinda de qualquer forma”, disse o porta-voz Jens Laerke aos repórteres em Genebra. “Mas é um acréscimo e não diminui o fato de que as travessias terrestres serão mais importantes”.

Caminho de ajuda adicional

O Comando Central militar dos EUA anunciou que os caminhões começaram a chegar por volta das 9h, horário local, na sexta-feira, e que nenhuma tropa havia desembarcado.

A doca flutuante foi ancorada numa praia em Gaza no dia anterior. Com a maioria das passagens de fronteira para o enclave fechadas ou inseguras, proporcionará uma rota adicional para a entrega de ajuda ao enclave em conflito.

As Nações Unidas saúdam todos os esforços para garantir que a ajuda chegue a Gaza, disse O vice-porta-voz da ONU, Farhan Haq, falando em Nova York na sexta-feira.

“Assim, agradecemos aos Estados Unidos, bem como a Chipre, com o apoio de outros Estados-membros, por apoiarem o corredor marítimo como uma rota adicional para ajuda a Gaza”, disse ele.

Ele explicou que “após meses de discussões com todas as autoridades relevantes, a ONU concordou em apoiar a recepção e organização do envio de ajuda para Gaza a partir da doca flutuante, desde que respeite a neutralidade e a independência das operações humanitárias”.

Abra todos os pontos de verificação

Laerke disse que as agências da ONU estão a finalizar os seus planos de preparação para lidar com a ajuda assim que a doca flutuante estiver a funcionar correctamente, tendo em mente a necessidade de garantir a segurança do pessoal.

“A consciência e a aceitação da comunidade são fundamentais para garantir a segurança desta operação”, insistiu.

“No entanto, levar ajuda às pessoas necessitadas dentro e através de Gaza não pode e não deve depender de uma doca flutuante longe de onde as necessidades são mais urgentes”, disse ele.

“As estradas terrestres são o método de entrega de ajuda mais viável, eficaz e eficiente, e é por isso que precisamos que todos os cruzamentos estejam abertos.”

Deslocamento de Rafah continua

Atualizando a situação em Rafah, o OCHA informou que quase 640 mil pessoas foram deslocadas da área desde o início da ofensiva militar israelense. Muitos fugiram para a superpovoada província de Deir al Balah, no centro de Gaza, onde as condições são terríveis.

O afluxo contínuo de pessoas deslocadas para lá e para Khan Younis continua a pressionar uma resposta humanitária já sobrecarregada.

“A situação está mudando constantemente por causa dos combates, que são tão intensos”, disse Yasmina Guera, oficial de assuntos humanitários do OCHA em Rafah. Notícias da ONU na sexta

“Um dos desafios para a resposta é que assim que você coloca algo, quando você pensa que sabe alguma coisa, você realmente tem que mudar tudo de novo e começar do zero.”

O OCHA disse que as equipas que trabalham para levar alimentos às pessoas em Gaza relatam que apenas cinco padarias permanecem operacionais em todo o enclave – quatro na Cidade de Gaza e uma em Deir al Balah. Quase uma dúzia de outros pararam de trabalhar devido à falta de combustível e suprimentos, em meio às hostilidades em curso.

Como resultado, os parceiros de ajuda foram forçados a fazer distribuições em pequena escala com stocks limitados, fornecendo rações reduzidas e dando prioridade a Khan Younis e Deir al Balah.

Uma criança caminha pelos escombros em Rafah.

Crise de água e saneamento

A deslocação contínua de Rafah para Khan Younis exacerbou a crise da água e do saneamento, com o transbordamento dos esgotos e a propagação dos resíduos sólidos pelas estradas, pelos campos de deslocados e pelos destroços das casas destruídas – com um impacto catastrófico na saúde.

“Os nossos colegas que trabalham para garantir que as pessoas em Gaza tenham abrigo adequado dizem que não existem stocks restantes de materiais de abrigo dentro de Gaza”, disse o OCHA.

Falta de combustível

Enquanto isso, a Organização Mundial da Saúde (Organização Mundial de Saúde) enfatizou que o maior problema agora é o combustível.

O porta-voz Tarik Jašarević informou que apenas 13 dos 36 hospitais em Gaza estão agora parcialmente a funcionar, sublinhando que o combustível é necessário para a electricidade e para o funcionamento dos geradores.

Ele disse que os parceiros de saúde necessitam entre 1,4 milhões e 1,8 milhões de litros por mês para manter os hospitais funcionando, mas apenas 159 mil litros entraram em Gaza desde o fechamento da fronteira, “e isso claramente não é suficiente”.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. Upgrade to vip. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.