Coordenador da ONU afirma que não houve melhora no acesso ao norte de Gaza


A situação dos habitantes de Gaza continua “terrível”, sem “nenhuma melhoria significativa” nas entregas humanitárias vitais ou no apoio à saúde nas últimas semanas, apesar das esperanças decorrentes dos recentes compromissos de Israel de aumentar a assistência.

A avaliação foi feita esta sexta-feira pelo coordenador humanitário da ONU nos Territórios Palestinianos Ocupados.

Responsabilidade pela entrega da ajuda

Jamie McGoldrick refutou as alegações israelenses de que mais de 1.000 caminhões entraram em Gaza nos últimos dias, mas apenas cerca de 800 foram recolhidos no lado palestino.

O coordenador humanitário afirmou também que o sistema de desescalada, no qual os trabalhadores humanitários partilhavam as suas coordenadas com os combatentes de ambos os lados, é “consistentemente impreciso”. Ele disse que partilhou estas e outras preocupações operacionais com os militares israelitas na sua primeira reunião no início desta semana.

McGoldrick renovou o seu apelo às autoridades israelitas para que reconheçam que a sua responsabilidade como potência ocupante “só termina quando a ajuda chega aos civis em Gaza”.

Uma equipe da ONU inspeciona uma bomba não detonada de 1.000 libras caída em uma estrada principal em Khan Younis

“Vácuo de segurança”

O representante da ONU descreveu longos atrasos nos postos de controlo e um “vácuo de segurança” dentro do enclave que continua a dificultar a entrega de ajuda onde esta é mais necessária. Mencionou que a equipa do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, cujo veículo foi atingido na quinta-feira, ficou presa “durante horas” num posto de controlo na estrada Salah Al Deen.

Até agora, neste mês, cerca de 60 horas foram desperdiçadas dessa forma, disse McGoldrick. Segundo ele, os comboios só podem viajar durante o dia para ir para o norte e por isso às vezes a missão é cancelada.

Actualmente, apenas três estradas estão abertas para ajuda humanitária em Gaza: a rota do meio através da estrada Salah Al Deen, a estrada costeira de Al Rashid e a estrada militar no lado oriental de Gaza.

O coordenador humanitário disse que em nenhum momento do último mês “todas as três ou pelo menos duas destas estradas estiveram a funcionar simultaneamente”. Além disso, afirmou que todas as rodovias estão em “muito mau estado”.

bebês desnutridos

McGoldrick destacou que as consequências das missões de ajuda “muito limitadas” no norte do enclave se reflectem na desnutrição, a julgar “pelo peso abaixo do peso dos bebés quando nascem”.

Falando de Jerusalém, o chefe humanitário cessante descreveu uma visita ao hospital Kamal Adwan há duas semanas. Ele disse que “todos os pacientes” na enfermaria infantil enfrentavam fome com risco de vida.

Jamie McGoldrick afirmou que a última criança que viu estava numa incubadora, que era um menino de dois dias, que não nasceu prematuro, mas pesava apenas 2 quilos.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Είναι το στοιχείο που σας παρέχει ασφάλεια και ζεστασιά. Index.