O apelo de reféns israelenses aos captores do Hamas revela o desejo de paz

O apelo de reféns israelenses aos captores do Hamas revela o desejo de paz


O vídeo mostra Naama Levy ensanguentada implorando aos seus captores.

“Tenho amigos na Palestina”, diz ela aos combatentes do Hamas que a detêm.

E Levy fê-lo, disse a sua mãe – resultado de um programa dos EUA que promove o diálogo entre jovens palestinianos e israelitas, do qual ela fazia parte antes de iniciar o serviço militar obrigatório que a levou a ser feita refém na manhã do ataque do Hamas, em 7 de Outubro.

Foram às amizades que ela construiu durante seu tempo no programa Mãos da Paz – que desde então foi encerrado – que Levy provavelmente estava se referindo, disse sua mãe à NBC News, quando ela apareceu em um vídeo mostrando mulheres soldados sendo capturadas por militantes do Hamas. As imagens divulgadas na quarta-feira mostraram os combatentes chamando as mulheres, algumas das quais estavam ensanguentadas, de “cachorros” e ameaçando atirar nelas.

O vídeo provocou indignação em Israel, com autoridades a considerá-lo uma prova da brutalidade do Hamas, enquanto famílias de reféns disseram que deveria ser um lembrete para se concentrarem em garantir um acordo para libertar os seus entes queridos e pôr fim aos combates em Gaza. As palavras de Levy também são vistas por alguns como um golpe simbólico à já sitiada esquerda de Israel, depois de décadas de vozes linha-dura abafando aqueles que têm apelado à paz e à reconciliação com os palestinianos.

“Ela sempre teve uma grande paixão por estabelecer pontes entre pessoas e comunidades e por falar, ouvir o outro lado”, disse Ayelet Levy Shachar sobre sua filha em entrevista por telefone na quinta-feira.

Ayelet Levy Shachar, mãe de Naama Levy, em manifestação em Tel Aviv.Evelyn Hockstein/Reuters via Redux

O vídeo que mostra sua captura foi divulgado pelo Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas, que disse que as imagens foram capturadas em câmeras corporais usadas por militantes do Hamas e obtidas pelos militares israelenses. O grupo disse que o vídeo foi “editado e censurado para excluir as cenas mais perturbadoras”. Não ficou imediatamente claro quem o editou e o que foi excluído.

O grupo identificou as outras mulheres do vídeo como Liri Albag, Karina Ariev, Agam Berger e Daniela Gilboa. Acredita-se que todos ainda estejam nas mãos do Hamas.

Levy Shachar disse que ela e outras famílias de reféns esperavam que o vídeo levasse o governo israelense a se concentrar na negociação de um acordo de cessar-fogo para libertar seus entes queridos e pôr fim à guerra em Gaza, onde mais de 35 mil pessoas foram mortas. desde que Israel lançou a sua ofensiva depois de 7 de Outubro.

“Sentimos que as coisas não estavam caminhando… na direção certa ou na direção das negociações”, disse ela.

Depois de semanas de treinamento, Levy estava servindo há apenas alguns dias quando foi feita refém. Levy Shachar disse que sua filha não tinha interesse em ser “soldado combatente” e esperava seguir carreira na diplomacia.

Como parte dessa busca, disse Levy Shachar, sua filha ingressou no programa de verão Mãos da Paz em San Diego, Califórnia, em 2022. O programa reuniu adolescentes israelenses, palestinos e americanos em uma tentativa de promover o diálogo e capacitá-los a se tornarem “agentes de mudança” no conflito amargo e duradouro.

“Eles sentaram-se juntos e conversaram, o que é, você sabe, revolucionário e foi muito difícil. Mas ainda assim eles conseguiram”, disse ela.

A fundadora do Hands of Peace, Gretchen Grad, disse à NBC News em uma entrevista por telefone na quinta-feira que ela nunca conheceu Levy pessoalmente, mas que os colegas se lembravam dela como uma jovem “brilhante, engajada e extrovertida” durante seu tempo participando do programa de verão.

Ao descrever a sua missão no seu website, a Hands of Peace disse acreditar que “as condições existentes entre israelitas e palestinianos são inaceitáveis ​​e deve haver um fim urgente e não violento da ocupação que conduza à segurança e proteção para todos”.

Grad disse que a organização “reconheceu que existe ocupação”, mas disse que não tinha uma “agenda educacional”. Ela disse que procurava fornecer uma plataforma para os jovens palestinianos e israelitas “falarem as suas verdades” e equipá-los para “se tornarem agentes de mudança”.

Naama Levy aparece em uma imagem da câmera corporal de um combatente do Hamas em 7 de outubro de 2023, enquanto ela e outros eram feitos reféns.
Naama Levy aparece em uma imagem da câmera corporal de um combatente do Hamas em 7 de outubro, quando ela e outros foram feitos reféns.através do Fórum de Famílias

A Hands of Peace foi uma das muitas organizações que se enraizou como parte de um movimento global mais amplo para encontrar uma resolução para o conflito israelo-palestiniano que já dura décadas, que possa oferecer paz, segurança e estabilidade a ambos os lados.

O outrora robusto movimento de paz de Israel em tempos informou grande parte da visão dos kibutzim do país, que foram fundamentais para o estabelecimento do Estado judeu. As comunidades do Kibutz foram as mais atingidas no ataque do Hamas em 7 de outubro.

O movimento pela paz impulsionou a assinatura dos Acordos de Oslo de 1993, que procuravam desenvolver um caminho para a implementação de uma solução de dois Estados, com um Estado palestiniano ao lado de Israel. Mas com o colapso do processo de Oslo e a segunda intifada ou revolta palestina, o movimento diminuiu. A guerra em Gaza representa um desafio sem precedentes para o conjunto de organizações de paz que continuam a operar em Israel, com muitas delas a defenderem uma solução de dois Estados e os direitos dos palestinianos.

Levy Shachar disse que nunca conversou longamente com a filha sobre suas crenças sobre o conflito, mas disse acreditar que Levy gostaria de ver uma solução de “dois estados” – um sentimento que ela compartilhava.

Os seus comentários foram feitos no momento em que três aliados dos EUA e de Israel anunciaram esta semana que reconheceriam um Estado palestiniano, juntando-se a mais de dois terços dos membros das Nações Unidas.

Mas as autoridades israelenses disseram que as imagens que mostram a captura de mulheres soldados apenas apoiam o seu argumento contra a criação de um Estado palestino.

“Reconhecer um Estado palestino é recompensar os monstros que fizeram isso”, disse um publicar na conta oficial de Israel no X, administrada pelo seu Ministério das Relações Exteriores.

Uma pesquisa Gallup tomadas nas semanas seguintes ao ataque de 7 de Outubro mostraram que 65% dos israelitas se opunham a uma solução de dois Estados, uma inversão em relação a uma década atrás, quando 61% dos entrevistados apoiavam a ideia.

Observando os comentários de Levy no vídeo, o ex-porta-voz do governo israelense, Eylon Levy, disse que eles “não ajudaram. O Hamas não se importou com as crenças políticas das suas vítimas.”

Grad observou que o Hands of Peace fechou em março, após duas décadas consecutivas, o que ela disse ser devido à falta de fundos e voluntários, o que ela atribuiu em grande parte à ressaca da pandemia de Covid-19. Questionada sobre se os acontecimentos dos últimos oito meses contribuíram para a decisão de cessar as operações, ela disse que não.

Mas, apesar do encerramento da organização, ela disse acreditar que iniciativas como o Hands of Peace são mais importantes do que nunca.

Mãos da Paz, disse ela, deu aos jovens palestinianos e israelitas um espaço para o diálogo que, segundo ela, raramente é uma opção “nas suas comunidades de origem”.

“Acredito que o trabalho precisa continuar”, disse ela.

Levy Shachar disse acreditar que sua filha iria querer o mesmo.

“Ela pensava isso e ainda pensa, talvez, espero, que o mundo possa ser um lugar melhor”, disse ela. “E que podemos fazer mudanças para melhor.”





globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Aleppo seifen von alepeo – natürlich, vegan, rein.