Líder da Papua Nova Guiné diz que condições climáticas extraordinárias estão causando desastres


SYDNEY – O primeiro-ministro da Papua Nova Guiné, James Marape, culpou na quarta-feira “chuvas extraordinárias” e mudanças nos padrões climáticos por vários desastres na nação insular do Pacífico este ano, incluindo um deslizamento de terra na semana passada que pode ter matado milhares de pessoas.

Partes de uma montanha na área de Maip-Mulitaka, na província de Enga, no norte de Papua Nova Guiné, desabaram nas primeiras horas da última sexta-feira e Marape disse que mais de 2.000 pessoas morreram, com até 70.000 pessoas que vivem na área afetadas por o desastre.

“Nosso povo naquela aldeia foi dormir pela última vez, sem saber que iriam dar o último suspiro enquanto dormiam pacificamente. A natureza provocou um deslizamento de terra desastroso, submergiu ou cobriu a aldeia”, disse Marape ao Parlamento na quarta-feira.

Os desastres naturais custaram ao país mais de 500 milhões de kina (126 milhões de dólares) este ano, antes do deslizamento de terras em Enga, disse ele.

“Este ano, tivemos chuvas extraordinárias que causaram inundações em zonas fluviais, aumento do nível do mar em zonas costeiras e deslizamentos de terra em algumas áreas”, disse Marape.

“Enfrentamos padrões climáticos extraordinários e mudanças de seca para úmida”, acrescentou.

O vice-primeiro-ministro John Rosso disse: “Os efeitos das alterações climáticas que estão aqui agora não se limitam a Enga, nos últimos dois meses temos visto desastres sem precedentes em todo o país”.

O ministro da Defesa, Billy Joseph, chegou a Enga na quarta-feira com suprimentos de socorro, incluindo alimentos, água, cobertores e tendas fornecidas pela Austrália em dois aviões militares australianos.

O Alto Comissário da Austrália, John Feakes, disse em Enga que mais aviões transportando suprimentos e pessoal de resgate e equipes técnicas australianas chegariam nos próximos dias, informou o Papua New Guinea Post-Courier.

Caixas de ajuda sendo carregadas em uma aeronave em Port Moresby, Papua Nova Guiné, na quarta-feira.STR/AFP-Getty Images

Os Estados Unidos prometeram 2 milhões de kina (506.800 dólares) para abrigo de emergência e apoio logístico, informou a sua embaixada.

As autoridades levantaram preocupações sobre o surto de doenças em meio a alertas de novos deslizamentos de terra. Milhares de pessoas receberam ordens de evacuar em meio a novos deslizamentos de terra na montanha.

As equipes de resgate demoraram a chegar ao local devido ao terreno traiçoeiro e à agitação tribal na área remota, forçando os militares a escoltar comboios de equipes de socorro.

O deslizamento de terra atingiu um trecho da rodovia perto da mina de ouro de Porgera, operada pela Barrick Gold através da Barrick Niugini Ltd., sua joint venture com a chinesa Zijin Mining. A mineradora disse que suas operações não foram afetadas.

Marape disse que o governo estava trabalhando com a Barrick para reabrir a estrada. A Barrick disse que ofereceu ao governo mais equipamentos pesados ​​no local do deslizamento.

As Nações Unidas, na sua última atualização, disseram que uma ponte desabou na terça-feira na estrada principal em direção à área do desastre, potencialmente atrasando a chegada das equipes de resgate ao local.

A agência de migração da ONU alertou para um surto de doenças infecciosas se não forem tomadas medidas imediatas.

“A cada minuto que passa, os corpos enterrados sob os escombros estão a decompor-se, com a água espremida entre o solo e os vastos escombros que cobrem uma área de três a quatro campos de futebol continuam a vazar, o que representa um elevado risco para a saúde”, Serhan Aktoprak, o chefe da missão da agência em Papua Nova Guiné, em comunicado enviado por e-mail.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.