Investigação sobre voo mortal da Singapore Airlines descobre que queda brusca de altitude causou ferimentos


Descobertas preliminares divulgadas na quarta-feira de uma investigação sobre um voo da Singapore Airlines atingido por forte turbulência na semana passada mostraram que uma rápida mudança na força gravitacional e uma queda de altitude de 54 metros (177 pés) causaram ferimentos.

Um passageiro de 73 anos morreu de suspeita de ataque cardíaco e dezenas de pessoas ficaram feridas depois que o voo SQ321, voando de Londres para Cingapura, encontrou o que a companhia aérea descreveu como turbulência extrema e repentina enquanto sobrevoava Mianmar.

O voo de 21 de maio em um avião Boeing 777-300ER transportando 211 passageiros e 18 tripulantes foi desviado para Bangkok para um pouso de emergência depois que o avião foi atingido por uma turbulência que jogou passageiros e tripulantes pela cabine, batendo alguns no teto.

“A aeronave experimentou uma rápida mudança em G (força gravitacional)… Isso provavelmente fez com que os ocupantes que não estavam amarrados pudessem decolar”, disse o Ministério dos Transportes de Cingapura em um comunicado.

“A aceleração vertical mudou de 1,5G negativo para 1,5G positivo em 4 segundos. Isso provavelmente resultou na queda dos ocupantes que estavam no ar”, afirmou, citando informações extraídas dos dados de voo e dos gravadores de voz da cabine.

“As rápidas mudanças em G ao longo dos 4,6 segundos de duração resultaram em uma queda de altitude de 178 pés, de 37.362 pés para 37.184 pés. Esta sequência de eventos provavelmente causou ferimentos à tripulação e aos passageiros”, acrescentou.

Ambulâncias esperam para transportar passageiros feridos em Bangkok, na Tailândia, na semana passada.Sakchai Lalit/AP

Cenas caóticas

Passageiros abalados descreveram cenas de caos minutos após o incidente, com a turbulência jogando as pessoas para cima e depois para o corredor, muitas saindo com sangramentos e ferimentos na cabeça.

Fotografias da cabine mostravam cortes nos painéis superiores da cabine, máscaras de oxigênio e painéis pendurados no teto e bagagens espalhadas. Um passageiro disse que as cabeças de algumas pessoas bateram nas luzes acima dos assentos e quebraram os painéis.

A Singapore Airlines disse que reconheceu o relatório e estava cooperando totalmente com a investigação.

A companhia aérea disse na noite de terça-feira que 42 pessoas que estavam a bordo do voo ainda estavam em Bangkok, incluindo 26 passageiros que recebiam tratamento médico no hospital.

Entre os inicialmente hospitalizados estavam pacientes com lesões na medula espinhal e alguns com lesões cerebrais e cranianas, segundo autoridades médicas tailandesas.

O relatório preliminar disse que após o voo encontrar leves vibrações, houve um aumento não comandado de altitude, resultando no lançamento da aeronave para baixo pelo piloto automático. Os pilotos experimentaram um aumento na velocidade no ar e responderam aplicando freios de velocidade.

“Enquanto gerenciava a velocidade no ar… ouviu-se que um piloto gritou que o sinal de apertar os cintos de segurança estava ligado”, disse.

A Greater Bay Airlines de Hong Kong disse na quarta-feira que exigiria que os passageiros apertassem o cinto de segurança em todos os momentos do voo, mesmo quando o sinal de cinto de segurança estiver desligado, a partir de quinta-feira.

A empresa disse que não é um requisito obrigatório, mas uma medida de precaução para a segurança dos passageiros.

A equipe de investigação era composta por investigadores de Singapura e representantes dos EUA da Boeing, do National Transportation Safety Board (NTSB) e da Federal Aviation Administration (FAA). O Ministério dos Transportes de Cingapura disse que a investigação estava em andamento.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

傳播小姐. Link. Link.