EUA anunciam mudanças para dar mais apoio financeiro ao setor privado e às pequenas empresas em Cuba



WASHINGTON/HAVANA – O Departamento do Tesouro dos EUA anunciou na terça-feira mudanças regulatórias para permitir mais apoio financeiro americano ao nascente setor privado de Cuba e reforçar o acesso aos serviços norte-americanos baseados na Internet, medidas limitadas, mas oportunas, que as autoridades disseram que ajudariam a dar às pequenas empresas emergentes da ilha um perna para cima.

Os Estados Unidos disseram que permitiriam que pequenos empresários na ilha comunista abrissem e acessassem contas bancárias americanas a partir de Cuba pela primeira vez em décadas, após proibições implementadas logo após a revolução de Fidel Castro em 1959.

As medidas também permitiriam aos empresários cubanos utilizar plataformas de redes sociais, sites de pagamento online, videoconferências e serviços de autenticação sediados nos EUA, anteriormente indisponíveis para o setor e um grande obstáculo que as pequenas empresas enfrentam atualmente na ilha.

As medidas visam cumprir a promessa há muito adiada da administração Biden de ajudar os empresários emergentes de Cuba, dando deferência ao seu pequeno mas crescente sector privado, apesar do embargo dos EUA durante a Guerra Fria, que durante décadas complicou as transacções financeiras do governo cubano.

“Hoje estamos dando um passo importante para apoiar a expansão da livre iniciativa e a expansão do setor empresarial empreendedor em Cuba”, disse um alto funcionário dos EUA aos repórteres na terça-feira.

O governo cubano não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as mudanças políticas.

Ao elaborarem as medidas, as autoridades norte-americanas, que informaram os jornalistas sob condição de anonimato, sinalizaram que procuraram equilibrar o objectivo de reforçar o sector privado com o desejo de evitar benefícios para as autoridades cubanas.

Presidente Joe Biden assumiu o cargo em janeiro de 2021 com grandes esperanças em Cuba de uma reversão de uma abordagem dura da era Trump, mas a repressão de Cuba aos protestos durante o verão daquele ano levou o governo a manter a pressão sobre Havana.

As novas medidas excluiriam funcionários cubanos, oficiais militares e outros “membros do governo”, com o objectivo de minimizar os recursos disponíveis a partir dos benefícios para o governo cubano, disseram os funcionários.

A deputada republicana dos EUA Maria Elvira Salazar, uma legisladora cubano-americana do sul da Florida, criticou rapidamente o anúncio da administração democrata.

“O administrador Biden está agora dando ao ‘setor privado cubano’ acesso ao sistema financeiro dos EUA”, disse ela em uma postagem no X. “Isso seria uma zombaria da lei americana, considerando que nenhum progresso foi feito em direção à liberdade na Ilha e a repressão se intensificou.”

ABERTO PARA NEGÓCIOS

Há muito que Cuba culpa o embargo – uma teia emaranhada de leis e regulamentos dos EUA que complica as transacções financeiras do governo cubano – por décadas de crise económica que recentemente lhe deixaram pouca escolha a não ser abrir a sua economia às pequenas empresas privadas.

Esses negócios – durante décadas tabu na Cuba governada pelos comunistas – estão agora em expansão na ilha.

As novas leis cubanas implementadas em 2021 permitiram o estabelecimento de mais de 11.000 pequenas empresas até Maio, disse o governo, desde mercearias de esquina a empresas de canalização, transportes e construção.

Estas empresas empregam mais de 15% dos trabalhadores cubanos e representam cerca de 14% do produto interno bruto, de acordo com estatísticas do Ministério da Economia do final de 2023.

As regulamentações anunciadas na terça-feira também autorizam os bancos dos EUA a processar mais uma vez as chamadas transferências de fundos “U-Turn”, permitindo-lhes movimentar dinheiro para cidadãos cubanos – incluindo pagamentos e remessas – desde que remetentes e destinatários não estejam sujeitos à lei dos EUA. .

Tais medidas são um passo na direcção certa, disse John Kavulich, presidente do Conselho Comercial e Económico EUA-Cuba, mas notou uma “omissão flagrante” na política: as empresas cubanas ainda são prejudicadas pela exigência de utilizarem bancos em países terceiros movimentarem o seu dinheiro.

“Enquanto o financiamento, o investimento e os pagamentos precisarem de ser encaminhados através de países terceiros, a administração Biden-Harris restringirá precisamente a actividade que afirma apoiar”, disse Kavulich por e-mail.

Não houve nenhum sinal de que o anúncio de terça-feira pudesse prenunciar um alívio mais significativo das sanções e outras restrições dos EUA a Cuba, para além dos passos modestos que Biden já tomou desde que se tornou presidente.

Alguns analistas atribuíram a forma cautelosa de Biden lidar com as questões de Cuba à sua preocupação de que uma abordagem mais branda em relação a Havana poderia prejudicá-lo politicamente entre os eleitores cubano-americanos fortemente anticomunistas na Flórida, um estado indeciso importante que ele perdeu para Trump nas eleições de 2020.

As autoridades norte-americanas recusaram-se a dizer se a administração estava a realizar uma revisão formal da presença contínua de Cuba na lista do Departamento de Estado de patrocinadores estatais do terrorismo.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.