Violência se espalha na capital do Haiti e faltam hospitais para tratar vítimas

Violência se espalha na capital do Haiti e faltam hospitais para tratar vítimas


A situação na capital devastada por gangues do Haiti passou de preocupante a “extremamente alarmante”, à medida que as condições em Porto Príncipe continuam a piorar. Há relatos de uma fome crescente e de uma grave escassez de hospitais para tratar vítimas de tiros.

As declarações foram feitas esta quinta-feira pela coordenadora humanitária da ONU no Haiti, Ulrika Richardson. Ela afirmou que “é importante não permitir que a violência se espalhe da capital para o país”.

Uso de tortura e estupro coletivo contra mulheres

Falando do Haiti por videoconferência, o coordenador explicou que nas últimas semanas ocorreram ataques orquestrados de gangues contra prisões, portos e hospitais, mas nos últimos dias estes grupos fortemente armados avançaram para novas áreas da capital.

“Há sofrimento humano numa escala alarmante”, disse ela, descrevendo a tensão diária, os sons de tiros e o medo crescente em toda a cidade.

Ulrika Richardson declarou que “abomináveis ​​violações dos direitos humanos” estão em curso, com mais de 2.500 pessoas mortas, raptadas ou feridas. Ela destacou que a violência sexual é “desenfreada”, com o uso de tortura e “estupros coletivos” contra as mulheres.

Um total de 5,5 milhões de haitianos necessitam atualmente de assistência, dos quais mais de 3 milhões são crianças. A segurança alimentar continua a ser uma preocupação séria e 45% dos haitianos não têm acesso a água potável.

Escassez de suprimentos essenciais em hospitais

O coordenador humanitário disse que os voos apoiados pela ONU para o Haiti trouxeram alguns carregamentos de suprimentos vitais, incluindo bolsas de transfusão de sangue, para hospitais que tratam de um número crescente de vítimas de tiros.

Ao mesmo tempo, o aeroporto está fechado ao tráfego comercial, impossibilitando a importação de bens essenciais, incluindo medicamentos. O porto nacional está operacional, mas o acesso é difícil porque as áreas circundantes são controladas por gangues.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, informou que menos de metade das instalações de saúde em Porto Príncipe estão a funcionar com capacidade normal e há uma necessidade premente de produtos sanguíneos seguros, anestésicos e outros medicamentos essenciais.

Pessoas no Haiti expulsas de suas casas pela violência e pela insegurança são recebidas em uma escola no centro da capital Porto Príncipe

Proteção de refugiados

Em meio à rápida deterioração da situação de segurança no Haiti, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados, ACNUR, emitiu na quarta-feira novas orientações legais para garantir que a proteção internacional dos refugiados seja fornecida aos haitianos que dela necessitam.

A violência indiscriminada de gangues no país causou deslocamentos internos em grande escala. Quase metade dos 11,4 milhões de habitantes do país necessita de assistência humanitária. As novas orientações do ACNUR visam ajudar os países a avaliar os pedidos de asilo.

A diretora da Divisão de Proteção Internacional da agência, Elizabeth Tan, afirmou que “as vidas, a segurança e a liberdade dos haitianos estão ameaçadas por uma confluência de violência de gangues e violações dos direitos humanos”.

Ela enfatizou que os Estados devem garantir que os haitianos que possam necessitar de proteção internacional para refugiados a recebam. Elizabeth Tan também apelou aos países para que não devolvam à força pessoas ao Haiti, “incluindo aqueles que tiveram os seus pedidos de asilo rejeitados”.

Legislação de proteção internacional

Nas suas novas orientações, o ACNUR considera que, ao abrigo da Convenção sobre Refugiados de 1951, os haitianos que deveriam ser considerados elegíveis para protecção de refugiados podem incluir activistas políticos, jornalistas, juízes, advogados e outros que lutam contra a corrupção e o crime. , entre outros perfis de risco.

Além disso, os haitianos também podem ser elegíveis para protecção de refugiados de acordo com a definição regional da Declaração de Cartagena de 1984. De acordo com este texto, aplicado por muitos países da região, a protecção dos refugiados deve ser alargada aos indivíduos afectados por circunstâncias que perturbem gravemente a ordem pública no país e pela violência generalizada em áreas afectadas pela actividade de gangues.

Apoio de países da região

Os países também podem considerar a concessão de proteção adicional ou temporária às pessoas do Haiti, bem como outras modalidades de permanência legal, como o reagrupamento familiar, vistos humanitários e acesso à documentação.

Vários países das Américas já oferecem estas alternativas aos haitianos deslocados, aumentando a sua proteção e permitindo-lhes a integração nas comunidades de acolhimento.

Esta quinta-feira, o Conselho de Segurança da ONU emitiu uma declaração reiterando o total apoio a um processo político liderado e controlado pelos haitianos, e instando todas as partes interessadas do país a continuarem a promover o consenso mais amplo possível através do diálogo inclusivo.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Copyright by naturhaus gmbh.