Haitianos ‘mal podem esperar’ pelo fim do reinado de terror das gangues: líder de direita



“A escala das violações dos direitos humanos não tem precedentes na história moderna do Haiti”, Volker Türk disse em uma declaração em vídeo à ONU Conselho de Direitos Humanosparte de um diálogo interativo sobre seu mais recente relatório sobre o país caribenho.

“Este é um desastre humanitário para um povo já exausto”.

Estado de emergência

Falando em francês, Türk disse que a situação já alarmante no Haiti piorou na última semana, à medida que gangues lançaram ataques a esquadras de polícia, prisões, infra-estruturas críticas e outras instalações públicas e privadas.

Está em vigor um estado de emergência, mas enquanto as instituições estão em colapso, ainda não existe um governo de transição após a demissão do primeiro-ministro Ariel Henry, há três semanas.

“A população haitiana não pode esperar mais”, disse ele.

Violência de registro

Entretanto, o aumento da violência teve efeitos devastadores sobre a população, com um aumento chocante de assassinatos e raptos.

Só entre 1 de Janeiro e 20 de Março, 1.434 pessoas morreram e outras 797 ficaram feridas em violência relacionada com gangues. Türk disse que este foi o período mais violento desde que seu escritório começou a monitorar assassinatos, ferimentos e sequestros relacionados a gangues, há mais de dois anos.

A violência baseada no género, especialmente contra mulheres e raparigas, é generalizada e provavelmente atingiu níveis recordes.

Mais de 360 ​​mil haitianos estão agora deslocados e cerca de 5,5 milhões, principalmente crianças, dependem de ajuda humanitária. Embora 44 por cento da população enfrente insegurança alimentar, a prestação de ajuda adicional está a tornar-se quase impossível.

O Sr. Türk relembrou sua visita à capital, Porto Príncipe, há pouco mais de um ano, onde conheceu duas meninas. Uma foi estuprada e a outra sobreviveu a um tiro na cabeça. Ele alertou que uma geração inteira corre o risco de ser vítima de traumas, violência e privações.

“Precisamos acabar com esse sofrimento. E devemos permitir que as crianças do Haiti saibam o que é sentir-se seguro, não morrer de fome, ter um futuro.,” ele disse.

Proteja as pessoas, garanta o acesso à ajuda

No seu relatório, o Alto Comissário apelou à restauração de algum grau da lei e da ordem como uma prioridade imediata para proteger ainda mais o povo do Haiti da violência e garantir o acesso à assistência humanitária.

Isto exigirá uma cooperação estreita com a Missão Multinacional de Apoio à Segurança (MSS), autorizada pela ONU Conselho de Segurança em Outubro passado, cujo destacamento esperava ser iminente.

“Todas as medidas tomadas para restaurar a segurança devem cumprir integralmente os padrões de direitos humanos”, disse ele, acrescentando que “devem ser estabelecidos corredores humanitários O mais breve possível.”

Dê esperança aos haitianos

O Sr. Türk instou todas as partes interessadas no Haiti a colocarem o interesse nacional no centro das suas discussões, para que um acordo pudesse ser alcançado sobre as disposições para o governo de transição.

“As autoridades de transição devem esforçar-se por criar as condições necessárias para a realização de eleições livres e justas. Devem também iniciar o processo de fortalecimento das instituições policiais e judiciais para restaurar o Estado de direito e, portanto, acabar com a impunidade”, disse ele.

A protecção das crianças também deve ser uma prioridade absoluta, incluindo as que são recrutadas por bandos armados. A este respeito, enfatizou a necessidade de programas de reintegração, incluindo apoio psicossocial a longo prazo e acesso garantido a educação e cuidados de saúde de qualidade.

Ele também apelou à comunidade internacional para que tome medidas mais fortes para impedir o fornecimento, venda, desvio ou transferência ilegal para o Haiti de armas ligeiras, armas ligeiras e munições.

É hora de acabar com o impasse político, de reconstruir urgentemente a paz, a estabilidade e a segurança no país, e dar aos haitianos a esperança de que tanto precisam”, disse ele. Confira nosso Notícias da ONU vídeo explicativo da semana passada sobre a crise:

Transforme palavras em ações: representante do Haiti

O Representante Permanente do Haiti junto à ONU em Genebra, Justin Viard, saudou o relatório do Alto Comissário e sublinhou os profundos desafios que os haitianos enfrentam.

Ele sublinhou que a comunidade internacional e o Haiti devem agir em conjunto para enfrentar tanto os gangues como as causas profundas da crise, que incluem o desemprego generalizado, um sistema educativo deficiente e a insegurança alimentar.

Devemos passar das palavras às ações concretas“, disse ele. “Não podemos permitir que o Haiti apareça alguma vez numa página da história como um exemplo da impotência da comunidade internacional ou do abandono da população de um Estado-Membro da ONU.”

Fortalecer os direitos humanos

A Vice-Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Nada Al-Nashif, esteve presente para responder a perguntas de representantes do país e da sociedade civil.

Ela falou do envolvimento em torno da missão de apoio multinacional apoiada pela ONU, que ajudará a Polícia Nacional do Haiti a garantir que cumpre as normas internacionais relevantes em matéria de direitos humanos.

“Tudo isto significa que as capacidades do serviço de direitos humanos exigirão um maior reforço em algumas áreas, especialmente, por exemplo, na violência contra as crianças”, disse ela.

Não há escapatória: especialista em direitos

O especialista designado pelo Alto Comissariado para a situação dos direitos humanos no Haiti, William O’Neill, também esteve presente para responder a perguntas, observando que a insegurança foi a principal preocupação levantada e “todo o resto flui daí”.

Ele disse que o aeroporto de Porto Príncipe está fechado há mais de quatro semanas, enquanto gangues controlam o acesso a todas as principais estradas dentro e fora da cidade, o que significa que “não há fuga – aérea, terrestre ou marítima”.

O’Neill relatou que o maior hospital do Haiti foi basicamente esvaziado, “e hoje ouvimos dizer que uma banda apareceu e tomou conta de todo o lugaro que resta dele.”

Apoie a polícia do Haiti

Destacando o envio da missão multinacional apoiada pela ONU, enfatizou o seu papel de apoio, afirmando que “não é uma ocupação”.

Embora a missão vá reforçar a força policial do Haiti, ele disse que a força nacional também precisará de apoio de inteligência, recursos como drones e meios para interceptar comunicações de gangues e impedir fluxos financeiros ilegais para eles.

“Eles precisam de um exame”, acrescentou. “Infelizmente, há alguns policiais nacionais haitianos que ainda estão em conluio com as gangues e isso precisa ser resolvido”.

O sistema judicial, actualmente “de joelhos”, também precisará de ajuda na investigação e acusação de líderes de gangues quando voltar a funcionar.

Pare o slide

Fazendo eco ao chefe dos direitos humanos da ONU, O’Neill apelou aos países para que trabalhem para impedir o fluxo de armas e munições para os gangues do Haiti. Ele observou que alguns representantes também apontaram a necessidade de sanções contra as pessoas que patrocinam as gangues.

“Se tomarmos essas três medidas – a linha de apoio à polícia, sanções, um embargo de armas – talvez estejamos começando a direcionar o impulso em uma direção positiva e parar com esse deslize que vimos se intensificar nas últimas semanas”, afirmou.

O especialista em direitos também pediu maior apoio ao apelo humanitário de 674 milhões de dólares para o Haiti, que atualmente é financiado em cerca de 7%.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.