Como está a ONU a apoiar a luta do Haiti para superar a violência e a instabilidade?

Como está a ONU a apoiar a luta do Haiti para superar a violência e a instabilidade?


1. O contexto: ilegalidade e medo

Embora a situação no Haiti seja há muito caracterizada pela ilegalidade, com gangues poderosas controlando grande parte da capital, Porto Príncipe, os meses de janeiro e fevereiro de 2024 foram os mais violentos dos últimos dois anos, com mais de 2.500 pessoas mortas. . , sequestrados ou feridos desde o início do ano. A decisão do primeiro-ministro Ariel Henry, em março de 2024, de renunciar complicou ainda mais a situação.

No dia 21 de março, Ulrika Richardson, o Coordenador Humanitário da ONU no Haiti, alertou que a violência estava agora a espalhar-se por novas áreas da capital, incluindo subúrbios anteriormente pacíficos, após semanas de ataques orquestrados de gangues a prisões, portos e hospitais. A Sra. Richardson disse que as violações dos direitos humanos são generalizadas; A violência baseada no género, com o uso de tortura e “estupro colectivo” contra as mulheres, é galopante, disse ela.

O alto funcionário da ONU descreveu uma crise humanitária crescente, com mais de 362 mil pessoas deslocadas internamente, falta de água potável e menos de metade das instalações de saúde em Porto Príncipe a funcionarem com capacidade normal.

A fome atingiu níveis sem precedentes, de acordo com um relatório nova avaliação lançado em 22 de março e apoiado pela ONU. De acordo com o relatório, 4,97 milhões de pessoas enfrentam crises ou níveis piores de insegurança alimentar aguda, incluindo 1,64 milhões de pessoas que enfrentam níveis de “emergência”.

Cada vez mais pessoas tentam sair da capital, arriscando-se a atravessar estradas controladas por gangues. Pelo menos trinta e três mil partiram em busca de refúgio nas províncias em Março, a maioria deles com destino aos departamentos do Grand Sud, uma região que já acolhe mais de 116 mil pessoas deslocadas.

Incêndios estão queimando nas ruas da área de Cité Soleil, em Porto Príncipe.

2. A resposta humanitária: Entregar sob fogo

Desde o início da última crise, marcada por uma série de ataques coordenados de gangues no final de Fevereiro em Porto Príncipe, que levaram ao estado de emergência e à possível demissão do Primeiro-Ministro Henry, os trabalhadores da ONU continuaram a distribuir ajuda. à população civil, apesar das perigosas condições de segurança.

O Programa Alimentar Mundial (PMA) distribuiu aproximadamente 160 mil refeições quentes, enquanto a Organização Mundial da Saúde (Organização Mundial de Saúde) entregou uma série de suprimentos essenciais de saúde e aeronaves do Serviço Aéreo Humanitário da ONU (UNHAS) transportou cerca de 800 kg de bolsas de sangue.

A ONU, juntamente com parceiros, está a tentar resolver a falta de acesso à água potável: por exemplo, entre 16 e 18 de Março. UNICEF e a ONG Solidarités International entregou 20.500 galões de água a quatro locais que abrigam mais de 12.000 pessoas deslocadas, enquanto entre 17 e 20 de março, a agência de migração da ONU. UM POUCO entregou 16.000 galões de água em dois locais.

Apoio da agência das Nações Unidas para a saúde reprodutiva, FNUAPe ONG parceiras são disponibilizadas às vítimas de violência sexual, sob a forma de uma linha telefónica que presta assistência psicossocial, e de uma clínica móvel de saúde sexual e reprodutiva/violência sexual e sexual num dos locais para pessoas deslocadas internamente.

O Conselho de Segurança adota uma resolução que autoriza a criação de uma missão de Apoio Multinacional à Segurança (MSS) no Haiti em outubro de 2023.

Foto ONU/Paulo Filgueiras

O Conselho de Segurança adota uma resolução que autoriza a criação de uma missão de Apoio Multinacional à Segurança (MSS) no Haiti em outubro de 2023.

3. A resposta multilateral

Encontrar uma forma de acabar com a crise haitiana tem sido tema de diversas reuniões de alto nível da ONU. No dia 21 de março o Conselho de Segurança, o órgão da ONU encarregado de manter a paz e a segurança internacionais, emitiu um comunicado de imprensa reiterando o apoio dos seus membros a um “processo político liderado pelos haitianos e de propriedade dos haitianos” e enfatizou a necessidade de a comunidade internacional redobrar os seus esforços para fornecer assistência humanitária ajuda. à população e apoiar a Polícia Nacional Haitiana. Os membros do Conselho de Segurança também expressaram séria preocupação com o fluxo ilegal de armas e munições no Haiti, que continua, segundo eles, um fator fundamental de instabilidade e violência.

Em Outubro de 2023, o Conselho de Segurança autorizou o envio de uma missão multinacional de apoio à segurança (MSS) para o Haiti, a pedido do então governo. A resolução foi saudada na altura como uma inovação histórica, embora a missão ainda não tenha sido implantada.

4. Financiamento: uma enorme lacuna a preencher

Entretanto, vários altos funcionários do Sistema das Nações Unidas continuam a apelar a um aumento significativo do financiamento para o esforço humanitário.

Na quinta-feira, a Sra. Richardson observou que o plano de resposta humanitária para o Haiti, que requer 674 milhões de dólares, é financiado apenas em 6%. “O tempo está se esgotando”, disse ela.

No início de Março, Cindy McCain, chefe do Programa Alimentar Mundial, alertou que o esforço de ajuda estava “esgotado”.

Mulheres e seus filhos esperam numa clínica móvel apoiada pela UNICEF em Porto Príncipe, Haiti.  (arquivo)

Mulheres e seus filhos esperam numa clínica móvel apoiada pela UNICEF em Porto Príncipe, Haiti. (arquivo)

5. Futuro incerto

A missão do MSS para reforçar a falta de pessoal e a falta de pessoal da Polícia Nacional Haitiana deverá ser liderada pelo Quénia, com tropas também prometidas de vários países das Caraíbas. Os Estados Unidos prometeram aproximadamente US$ 300 milhões, de acordo com relatos da mídia.

Embora esta não seja uma missão da ONU, foi autorizada por um Resolução do Conselho de Segurança.

No entanto, embora haja um acordo generalizado de que o Haiti necessita urgentemente de ajuda para criar um ambiente seguro e estável, a missão foi desorganizada pela demissão do Sr. Henry, o que levou o Quénia a anunciar que irá adiar o destacamento até que seja anunciado um novo. . governo haitiano.

De acordo com relatos da comunicação social, os grupos políticos estão perto de chegar a acordo sobre um conselho de transição que assumirá os poderes presidenciais até que as eleições possam ser realizadas. Não está claro se e quando o conselho assumirá o poder ou quando a missão de segurança começará a operar em solo haitiano.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. You don't need to write many articles yourself. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.