Tráfico no Sahel: Repressão às drogas ilegais


Neste recurso, parte de um Series investigando o tráfico no Sahel, o UN News concentra-se no comércio ilegal de drogas.

De acordo com um novo relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), o tráfico de droga no Sahel continua a impedir a segurança, o desenvolvimento económico e o Estado de direito, ao mesmo tempo que põe em perigo a saúde pública.

“O tráfico de drogas está bem estabelecido na região do Sahel – com consequências prejudiciais tanto a nível local como global”, disse Amado Philip de Andres, que dirige o escritório regional da agência na África Ocidental e Central.

“A maior parte dos fluxos de drogas para a África Ocidental e o Sahel prejudicam a paz e a estabilidade na região”, disse ele. “Isto não é apenas um problema de segurança porque os grupos armados recebem rendimentos para financiar as suas operações, é também um problema de saúde pública porque os grupos criminosos utilizam o crescimento populacional para expandir os mercados de drogas ilegais”.

Cannabis pega em armação de drogas. (arquivo)

Tráfego em grande escala

Em vários países do Sahel – Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger – a resina de cânhamo continua a ser a droga comercializada internacionalmente mais frequentemente confiscada, seguida pela cocaína e pelos opiáceos farmacêuticos.

Na verdade, as apreensões de cocaína explodiram no Sahel em 2022, passando de uma média de 13 kg apreendidos por ano entre 2015 e 2020 para 1.466 kg em 2022. Uma avaliação do UNODC disse que isto sugere a presença de tráfico de cocaína em grande escala em toda a região.

Embora não estivessem disponíveis estimativas anuais para 2023, em meados do ano já tinham sido apreendidas 2,3 toneladas de cocaína na Mauritânia, segundo a agência.

A localização geográfica da região torna-a um “ponto de paragem natural” para a crescente quantidade de cocaína produzida na América do Sul a caminho da Europa, que registou um aumento semelhante na procura da droga, concluiu o novo relatório.

Especialistas examinam cocaína na Guiné-Bissau.  (arquivo)

Especialistas examinam cocaína na Guiné-Bissau. (arquivo)

Um “ciclo vicioso” liga tráfico e instabilidade

A economia da droga e a instabilidade no Sahel estão ligadas por um “ciclo vicioso”, observou o relatório, em que o fraco Estado de direito facilita a expansão da economia da droga. Isto pode, por sua vez, fornecer recursos financeiros para manter ou expandir os conflitos, que continuam a enfraquecer o Estado de direito.

O novo relatório concluiu que o tráfico de droga continua a fornecer recursos financeiros a grupos armados na região, incluindo a Plateforme des mouvements du 14 juin 2014 d’Alger (Plateforme) na Argélia e a Coordination des Mouvements de l’Azawad (CMA) no Mali, permitindo . permitir-lhes continuar o seu envolvimento em conflitos, especialmente através da compra de armas.

Entretanto, os traficantes utilizam o branqueamento de capitais para disfarçar os seus ganhos ilícitos num número crescente de sectores, desde o ouro ao imobiliário. Isto torna as transações financeiras mais difíceis de rastrear, dando aos traficantes maior alavancagem económica e “latência de legitimidade”, concluiu o relatório.

Unidades de controlo portuário estabelecidas no âmbito de um programa de controlo de contentores apoiado pelo UNODC apreenderam 260 toneladas de cocaína em 2023.

Unidades de controlo portuário estabelecidas no âmbito de um programa de controlo de contentores apoiado pelo UNODC apreenderam 260 toneladas de cocaína em 2023.

A corrupção permite aos traficantes

A corrupção e a lavagem de dinheiro são os “principais facilitadores” do tráfico de drogas, segundo o relatório.

As recentes apreensões, prisões e detenções na região do Sahel revelam como o tráfico de droga é facilitado por uma vasta gama de indivíduos, que podem incluir membros da elite política, líderes comunitários e chefes de grupos armados.

Os traficantes utilizaram os seus rendimentos para penetrar em diferentes níveis do Estado, permitindo-lhes efetivamente evitar processos judiciais, de acordo com o UNODC.

O relatório também destacou provas contundentes do envolvimento contínuo de grupos armados no tráfico de drogas na região e concluiu que as organizações terroristas são susceptíveis de beneficiar indirectamente através da aplicação da lei. zakatuma forma de imposto sobre a riqueza, de traficantes e comboios fiscais que atravessam áreas sob seu controle.

Grupos terroristas e crime organizado

A luta contra grupos terroristas que operam no Sahel esteve em destaque na recente Reunião Africana de Alto Nível sobre Luta contra o Terrorismo, realizada em Abuja, na Nigéria, no final de Abril. Entre as preocupações levantadas pelos chefes de estado de toda a região estavam as crescentes ligações entre o terrorismo e o crime organizado.

Falando na reunião, a vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed descrito a situação em África, especialmente no Sahel, é terrível, observando que a região é agora responsável por quase metade de todas as mortes causadas pelo terrorismo em todo o mundo.

“Um factor importante que alimentou o aumento da insurgência no Sahel é o crime organizado, particularmente a proliferação e o contrabando de armas de fogo através das nossas fronteiras porosas”, disse ela. “A disponibilidade de armas capacita grupos terroristas, muitas vezes mais bem equipados com a tecnologia mais recente.”

Crianças brincam em frente a uma delegacia de polícia em Gao, que foi atacada por terroristas.

Crianças brincam em frente a uma delegacia de polícia em Gao, que foi atacada por terroristas.

Da’esh, Al Qaeda está indo para o sul

Na reunião, o chefe antiterrorista da ONU, Vladimir Voronkov, alertou que o Da’esh, a Al-Qaeda e os seus afiliados obtiveram alguns ganhos importantes no Sahel e estão a deslocar-se para sul, em direcção ao Golfo da Guiné.

“Reconhecemos que nenhum ator pode resolver sozinho as atuais ameaças à paz e à segurança”, afirmou. disse. «Em vez disso, precisamos de múltiplos intervenientes a trabalhar em conjunto, com soluções baseadas numa forte apropriação nacional e apoiadas por parceiros financeiros.»

Ele disse que uma “mudança radical” nos compromissos para enfrentar estes desafios complexos veio com o lançamento do Apelo Conjunto da ONU para o Combate ao Terrorismo em África, reunindo 16 entidades da ONU em apoio a 10 novas iniciativas multi-parceiros em todo o continente para abordar tais crítico . áreas como a gestão de fronteiras e as viagens antiterroristas no continente e a ligação entre o terrorismo e o crime organizado.

Centro de detenção em Bamako, Mali.  (arquivo)

© MINUSMA/Harandane Dicko

Centro de detenção em Bamako, Mali. (arquivo)

chamada de despertar

Entretanto, os intervenientes locais e regionais continuam a unir forças para combater o comércio ilegal de drogas no Sahel, de acordo com o UNODC.

O novo relatório da agência deverá servir como um “alerta”, disse Leonardo Santos Simão, Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para a África Ocidental e o Sahel.

“Os Estados da região do Sahel – juntamente com a comunidade internacional – devem tomar medidas urgentes, coordenadas e abrangentes para desmantelar as redes de tráfico de drogas e dar às pessoas destes países o futuro que merecem”, disse ele.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo