Somália instada a tomar “ações concretas” contra funcionários que violam os direitos dos cidadãos

Somália instada a tomar “ações concretas” contra funcionários que violam os direitos dos cidadãos



A conclusão de uma visita oficial à nação do Corno de África, Isha Dyfan, destacou o impacto sobre os civis, especialmente mulheres e crianças, que continuam a suportar o peso dos ataques mortais perpetrados pelos terroristas do Al-Shabaab.

Condeno veementemente os contínuos ataques mortais levados a cabo pelo Al-Shabaab e insto o Governo a tomar todas as medidas para garantir a protecção dos civis.e que os grupos armados cumpram rigorosamente as obrigações que lhes são aplicáveis ​​no âmbito dos direitos humanos e humanitários internacionais”, disse ela.

“É também importante que o Governo tome medidas concretas para processar funcionários do Estado envolvidos em violações dos direitos humanos, garantir que os responsáveis ​​fossem responsabilizados e que os sobreviventes de tais violações foram adequadamente compensados.”

Durante a sua visita, ela realizou uma série de reuniões com representantes do Governo Federal da Somália, da sociedade civil, da Missão de Transição da União Africana na Somália (ATMIS) e de várias agências da ONU.

Tomar medidas contra a violência sexual

A Sra. Dyfan também pediu às autoridades investigar e processar prontamente casos de violência sexual e de género.

Ela disse que as alegações de violação e violação colectiva combinadas com homicídio devem ser tratadas de forma eficaz, garantindo que os alegados perpetradores sejam identificados e levados à justiça.

“Todas as medidas necessárias devem ser tomadas para reforçar a capacidade de investigação e acusação de violência sexual e baseada no género e para promover um ambiente seguro onde vítimas e sobreviventes possam denunciar crimes sem medo de represálias ou estigma e garantir que as vítimas sejam protegidas e tenham acesso à justiça e a soluções eficazes”, acrescentou.

Restrições ao espaço cívico

O perito independente manifestou ainda sérias preocupações sobre as contínuas restrições ao espaço cívico, incluindo assédio, prisão arbitrária, detenção e prisão de jornalistas e meios de comunicação social, levando à autocensura.

“A um espaço cívico seguro e inclusivo é essencial para a boa governação e o Estado de direito e pode ajudar a reduzir e prevenir a violência”, apelou.

“Embora me sinta encorajada pela nomeação dos membros da Comunicação Social Nacional da Somália para melhorar o panorama mediático, também recebi preocupações de que o processo não está em conformidade com a lei da comunicação social”, acrescentou.

A ajuda internacional era urgente

Em conclusão, a Sra. Dyfan também apelou à comunidade internacional para continuar a sua assistência à Somália para fortalecer as instituições federais e estatais para promover o Estado de direito e os direitos humanos.

“Exorto também a comunidade internacional a intensificar a sua resposta humanitária e a fortalecer a resiliência a longo prazo contra desastres futuros na Somália, uma vez que o país continua a enfrentar sérios desafios humanitários e climáticos cíclicos”, disse ela.

Especialista independente

A Sra. Dyfan foi nomeada como a Especialista Independente sobre a Situação dos Direitos Humanos na Somália pelo Conselho de Direitos Humanos em maio de 2020.

Ela faz parte do Conselho Procedimentos Especiaisum grupo de Relatores Especiais e outros especialistas, mandatados para monitorar e avaliar a proteção e promoção dos direitos humanos em determinadas situações temáticas ou nacionais.

Os especialistas trabalham voluntariamente, não são funcionários da ONU e não recebem salário.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. No outbound links (no exchange). Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.