ONU pede fortalecimento da resposta à crise de deslocados em Moçambique

ONU pede fortalecimento da resposta à crise de deslocados em Moçambique


Durante uma visita a Moçambique, realizada de 4 a 7 de Março, dois altos funcionários da ONU discutiram com o governo e as comunidades locais soluções para apoiar os milhares de pessoas deslocadas no país.

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, e o Conselheiro Especial do Secretário-Geral da ONU para Soluções para Pessoas Deslocadas Internamente, Robert Piper, também apelaram a um apoio internacional renovado.

ONU apela ao reforço da resposta à crise de deslocamento em Moçambique

80 mil deslocados em Cabo Delgado

Moçambique tem enfrentado desafios significativos relacionados com a violência de grupos armados não estatais desde 2017, bem como os impactos adversos da emergência climática, resultando em mais de 1,2 milhões de pessoas deslocadas internamente.

Piper e Grandi reuniram-se com o Presidente Filipe Nyusi e altos funcionários do governo moçambicano antes de visitarem comunidades deslocadas em Cabo Delgado, onde ocorreram recentemente novos ataques por grupos armados não estatais que levaram à fuga de cerca de 80.000 pessoas.

Filippo Grandi afirmou que, além das pessoas deslocadas pelos conflitos em Cabo Delgado, no norte do país, há deslocamentos periódicos causados ​​por desastres naturais em zonas mais centrais da nação africana.

Segundo ele, as questões mais urgentes em Moçambique são a segurança alimentar e a restauração dos serviços públicos.

600 mil deslocados conseguiram regressar a casa

Para Piper, apesar da complexidade de um contexto em que tanto a violência como as alterações climáticas estão a impulsionar o deslocamento, o país está a apresentar alguns resultados positivos.

O conselheiro especial destacou que embora ainda existam 700 mil pessoas deslocadas internamente no norte e em partes do centro de Moçambique, 600 mil pessoas regressaram a casa nos últimos um a dois anos.

Segundo o especialista, este é “um grande resultado e “um voto pela paz”. Por outro lado, afirmou que muitos ainda carecem de serviços básicos e condições de vida adequadas.

Brigadas médicas móveis prestam serviços de saúde essenciais às pessoas deslocadas em Cabo Delgado, Moçambique

País piloto em agenda de acção sobre pessoas deslocadas internamente

Grandi e Piper reuniram-se com pessoas deslocadas internamente e autoridades locais nos distritos de Pemba e Mueda, analisando abrigos transitórios, iniciativas de protecção e centros comunitários e conhecendo mulheres empresárias com formação em gestão empresarial. Visitaram também um programa de desenvolvimento e reuniram-se com repatriados em Mocímboa da Praia.

Moçambique é um país piloto no âmbito da Agenda de Acção sobre Deslocamentos Internos do Secretário-Geral das Nações Unidas, um esforço para remodelar a forma como o sistema da ONU responde a situações prolongadas através de abordagens lideradas pelo governo ancoradas em soluções para as alterações climáticas. longo prazo.

Durante a visita ao país, responsáveis ​​da ONU afirmaram que é necessário mais financiamento em 2024 para proteger e promover soluções para refugiados e famílias deslocadas à força. O apelo humanitário do país para 2024, no valor de 413,4 milhões de dólares, recebeu menos de 6% do financiamento até à data.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Alepeo aleppo duschseife mit lorbeeröl 5 liter.