Inundações sem precedentes deslocam centenas de milhares de pessoas em toda a África Oriental



Em nota, a Organização Internacional para as Migrações (UM POUCO) observou que as fortes chuvas provocaram inundações e deslizamentos de terra catastróficos, ao mesmo tempo que danificaram gravemente estradas, pontes e barragens.

Mais de 637 mil pessoas foram afetadas por semanas de dilúvios, incluindo 234 mil deslocados apenas nos últimos cinco dias. Não há números oficiais sobre o número de mortos.

Crise sem fim

“Os números [of displaced people] continua a aumentar”, afirmou a agência da ONU, observando que a crise das inundações foi uma das “duras realidades” das alterações climáticas que ceifaram vidas e desenraizaram comunidades inteiras.

“À medida que estes indivíduos enfrentam a difícil tarefa de reconstrução, a sua vulnerabilidade só se aprofunda”, disse Rana Jaber, diretora regional da OIM.

“Neste momento crítico, mesmo enquanto a OIM responde, o apelo continua a ser urgente para esforços sustentáveis ​​para abordar a mobilidade humana estimulada pelas mudanças climáticas”, continuou ela.

África é altamente vulnerável às alterações climáticas, apesar de contribuir apenas com cerca de quatro por cento para as emissões globais de gases com efeito de estufa. As áreas do Leste e do Corno de África foram particularmente afectadas por ciclos alternados de seca e precipitação intensa durante a última década, afirmou a OIM.

Em meio às piores chuvas e inundações em décadasA OIM, juntamente com governos e parceiros, continua a prestar assistência vital às populações afectadas que perderam familiares e enfrentam agora um risco aumentado de doenças transmitidas pela água.

No Burundi, a OIM distribuiu abrigos de emergência, cobertores, equipamentos de cozinha, lâmpadas solares, kits de dignidade e outros itens a mais de 5.000 pessoas. A agência da ONU também apoia a realocação de pessoas em risco para áreas seguras e menos propensas a inundações.

Está também em curso ajuda na vizinha Etiópia, a mais de 70 000 pessoas afectadas pelas cheias nas regiões da Somália e Oromia e a 39 000 pessoas nas regiões mais gravemente afectadas pelas cheias a leste, centro e oeste do Quénia e na Somália, onde cerca de 240 000 pessoas serão recebem materiais de abrigo, kits de higiene, cuidados médicos essenciais e apoio psicossocial, entre outros serviços.

Conversas necessárias sobre o clima

Antes das discussões lideradas pela ONU na Alemanha, em Junho, para combater as alterações climáticas, a OIM disse que era cada vez mais “óbvio” que quaisquer discussões sobre o aquecimento do nosso planeta e o seu impacto no ambiente deveriam agora incluir considerações sobre a mobilidade e o deslocamento humano.

Os líderes da África Oriental já o fizeram assinado e comprometido com a Declaração Ministerial de Kampala sobre Migração, Meio Ambiente e Mudanças Climáticas para enfrentar os “desafios e oportunidades da mobilidade climática”, afirmou a OIM, mas são necessários maiores esforços para apoiar a sua implementação, “incluindo a defesa da inclusão da mobilidade climática nas discussões climáticas globais”, como a próxima Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP29) em novembro de 2024, acontecendo em Baku, Azerbaijão.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Είναι το στοιχείο που σας παρέχει ασφάλεια και ζεστασιά. Index.