Guerra no Sudão pode causar a morte de 222 mil crianças por desnutrição

Guerra no Sudão pode causar a morte de 222 mil crianças por desnutrição


O Diretor de Operações e Defesa do Gabinete de Coordenação de Assuntos Humanitários, Edem Wosornu, alertou esta quarta-feira o Conselho de Segurança que as indicações indicam que nas próximas semanas e meses, 222 mil crianças poderão morrer de desnutrição no Sudão.

O conflito no país, que em breve completará um ano, está a provocar uma crise alimentar que já afecta milhões de pessoas. Assim, o representante da ONU apelou à cessação urgente dos combates para evitar que uma geração inteira seja destruída e que toda a região seja desestabilizada.

Pior desastre humanitário

De acordo com Edem Wosornu, a violência resulta em saques generalizados e destruição de infra-estruturas críticas, agricultores forçados a abandonar as suas terras agrícolas e preços de produtos alimentares básicos aumentados em 83%. Ela acrescenta que, segundo todas as medidas, “o Sudão é um dos piores desastres humanitários da memória recente”.

Mulheres e crianças deslocadas numa área de deslocados internos no oeste de Darfur devido aos combates no Sudão

O diretor da Ocha afirmou que há relatos de valas comuns, estupros, ataques indiscriminados em áreas densamente povoadas e “muitos outros horrores”. Ela acrescentou que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos alerta que alguns atos podem ser considerados crimes de guerra. Em Cartum, Darfur e Cordofão não houve trégua nos intensos combates durante 340 dias.

Acesso à ajuda humanitária

Apesar da necessidade de ajuda humanitária, ela informou que não houve grandes progressos no terreno desde a adopção pelo Conselho de uma resolução apelando ao acesso pleno e irrestrito.

Para ela, no mínimo, os pontos de entrada identificados devem ser operacionalizados o mais rapidamente possível, com as partes a proteger o pessoal e os abastecimentos humanitários.

Recordando que o seu gabinete apresentou oito relatórios ao Conselho desde o início do conflito, Edem Wosornu disse que não pode explicar em termos mais amplos a situação catastrófica ou “sublinhar ainda mais a necessidade de acção do Conselho”.

Fazendo eco deste alerta, o Diretor Executivo Adjunto do Programa Alimentar Mundial, PAM, Carl Skau, disse que em toda a região, quase 28 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar aguda, com 18 milhões no Sudão, 7 milhões no Sudão do Sul e quase 3 milhões no Chade.

O PAM tem trabalhado para satisfazer as enormes necessidades humanitárias, com o seu pessoal a arriscar a sua própria segurança. Contudo, a operação de ajuda de emergência é gravemente dificultada pela falta de acesso e de recursos; 90% das pessoas na Fase 4 do IPC – a Classificação da Fase Integrada para medir a segurança alimentar – estão presas em áreas que são em grande parte inacessíveis às agências humanitárias.

O total de pessoas deslocadas no Sudão aumentou cerca de 611 mil em dezembro de 2023

© Unicef/UNI492302/Mohamdeen

O total de pessoas deslocadas no Sudão aumentou cerca de 611 mil em dezembro de 2023

Dificuldades de acesso aumentam o risco de fome

Segundo ele, os esforços para chegar a estes civis são desafiados pela violência implacável e pela interferência das partes em conflito. Embora tenha reconhecido o anúncio das autoridades de que permitirá a retomada das entregas de ajuda transfronteiriça do Chade e a abertura de um novo corredor a partir do Sudão do Sul, Carl Skau apelou à reabertura de outras passagens fronteiriças para levar ajuda à região de Darfur.

Ele expressou preocupação com o facto de a fome aumentar quando a época de escassez no Sudão chegar, em Maio, com um elevado risco de nível 5 do IPC ou de insegurança alimentar catastrófica.

O representante do PAM também referiu a pior crise de deslocamento do mundo, que dispersou mais de 8 milhões de pessoas internamente e através das fronteiras do Sudão. Quase 2 milhões de pessoas fugiram para países vizinhos para escapar à violência, colocando uma pressão crescente sobre o Chade e o Sudão do Sul.

No Sudão do Sul, devido à falta de fundos, 3 milhões de pessoas gravemente famintas não recebem assistência do PAM, enquanto no Chade será necessário pôr fim a todo o apoio aos 1,2 milhões de refugiados e aos quase 3 milhões de chadianos gravemente afectados pela fome. A “crise esquecida” exige soluções políticas para parar os combates e “o tempo está a esgotar-se”, sublinhou.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. ます。. Advantages of local domestic helper.