África Oriental: O apoio da ONU continua apesar de fortes chuvas, graves inundações e ameaça de ciclone


Chuvas torrenciais podem piorar com a chegada do ciclone tropical Hidaya, informou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertou na sexta-feira.

Prepare-se para o impacto

O ciclone tropical é o primeiro do género a desenvolver-se na África Oriental e deve ter um “impacto muito grande”, disse a porta-voz da OMM, Clare Nullis, aos repórteres em Genebra.

ela disse Esperava-se que a Tanzânia sofresse em particular porque o solo já está encharcado e “é atingido por ainda mais chuva” da tempestade.

O Quénia também está em alerta máximo depois de uma barragem ter rebentado na segunda-feira, matando pelo menos 45 pessoas.

Preocupação com os refugiados

Em particular, a agência da ONU para os refugiados, ACNUR, manifestou especial preocupação sobre milhares de refugiados e outras pessoas deslocadas em toda a África Oriental que foram mais uma vez desenraizadas depois de as suas casas terem sido destruídas.

No Quénia, quase 20 mil pessoas nos campos de refugiados de Dadaab – onde vivem mais de 380 mil pessoas – foram deslocadas pela subida dos níveis das águas. Muitos deles estão entre aqueles que chegaram nos últimos dois anos depois de fugirem de uma seca severa na vizinha Somália..

Alguns 4.000 residentes estão atualmente abrigados em seis escolas com instalações que foram amplamente danificadas. Outros estão hospedados com amigos ou familiares noutros locais do campo, onde várias latrinas ruíram, colocando os refugiados em risco de doenças mortais transmitidas pela água.

Forçado a se mover

Entretanto, no Burundi, cerca de 32 mil refugiados – cerca de metade da população refugiada do país – vivem em zonas afectadas pelas cheias e 500 necessitam de assistência urgente. Famílias refugiadas na capital, Bujumbura, tiveram que se mudar diversas vezes devido ao aumento do nível da água.

O ACNUR afirmou que o acesso a alimentos e outras necessidades é cada vez mais difícil, uma vez que os preços subiram devido às elevadas taxas cobradas pela utilização de canoas para transportar mercadorias. A educação ficou paralisada à medida que as salas de aula foram inundadas e os materiais didáticos destruídos.

Além de Bujumbura, os preços dos aluguéis dobraram, tornando a mudança muito cara para muitas famílias refugiadas. Entre as áreas gravemente afectadas está a comunidade de Nyanza Lac, na província de Makamba, onde 25 mil refugiados do Burundi que regressaram do exílio se instalaram nos últimos anos.

Fugindo das inundações repentinas

Outros países da África Oriental onde as pessoas deslocadas estão entre os mais atingidos pelas chuvas incluem a Somália. Mais de 46 mil pessoas deslocadas internamente em cinco áreas no sul foram forçadas a realojar-se devido a inundações repentinas.

Na Tanzânia, mais de 200.000 refugiados, principalmente da República Democrática do Congo e do Burundi, acolhidos em dois campos, foram afectados. Os abrigos dentro dos campos foram danificados, afetando aproximadamente 200 famílias.

UNRCO/ Fredbrannen Obadha

O Vice-Presidente Rigathi Gachagua (à esquerda), acompanhado por uma delegação queniana da ONU liderada pelo Coordenador Residente Dr. Stephen Jackson (à direita) e funcionários do ACNUR, distribuiu hoje ajuda vital às famílias afetadas pelas recentes inundações em Kiamaiko, Mathare, condado de Nairobi.

Trabalhando em toda a região

Em toda a África Oriental, o ACNUR trabalha em estreita colaboração com as autoridades e parceiros locais, acelerar a ajuda crucial e fornecer serviços de proteção aos refugiados e às comunidades afetadas morando perto.

A agência fornece aos refugiados no Quénia lonas, redes mosquiteiras, sabão, galões e outros artigos de ajuda humanitária, com especial atenção aos idosos e deficientes. As famílias também estão sendo ajudadas a se mudar para áreas mais seguras.

As actividades do ACNUR fazem parte da resposta mais ampla à crise no Quénia, onde a ONU e os seus parceiros já alcançaram cerca de 125.000 pessoas. O Coordenador Residente da ONU no país, Stephen Jackson, disse que o apoio geral inclui abrigo, alimentos, medicamentos e dinheiro, além de cobertores e redes mosquiteiras.

“Acho que a preocupação é que mais chuva está chegando, e então sabemos que as necessidades serão mais profundas antes de melhorarem“, ele contou ONU NovoS.

No Burundi, o ACNUR fornecerá abrigos e assistência monetária para apoiar os refugiados como parte de uma resposta interagências liderada pelo governo. Milhares de ex-refugiados do Burundi que regressaram a casa estão entre os que têm prioridade para receber apoio.

As equipas na Tanzânia estão a trabalhar com parceiros locais para reabilitar abrigos de refugiados, enquanto na Somália estão a ser entregues ajuda crítica de protecção e artigos essenciais a famílias deslocadas internamente.

Construindo resiliência climática

ACNUR disse As alterações climáticas estão a tornar muitas partes do mundo cada vez mais inabitáveisregiões particularmente frágeis, como a África Oriental e o Corno de África, e as inundações revelam lacunas na preparação e na ação precoce.

“O financiamento disponível para fazer face aos efeitos das alterações climáticas não está a chegar às pessoas deslocadas à força ou às comunidades que as acolhem. Sem ajuda para preparar, enfrentar e recuperar dos choques relacionados com o clima, eles enfrentam um risco aumentado de deslocamento adicional”, disse a agência.

No mês passado, o ACNUR lançou o seu primeiro Fundo de Resiliência Climática proteger os refugiados e as pessoas deslocadas dos choques climáticos. A meta é arrecadar US$ 100 milhões até o final de 2025.

As contribuições apoiarão iniciativas como o fornecimento de energia mais limpa para abastecer a água, as escolas e as infraestruturas de saúde utilizadas pelos refugiados e pelas comunidades de acolhimento.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Πολλαπλές επιλογές οδηγών στο δάπεδο, ακόμη και για a. Index.