CEO da Frontier Airlines quer repressão a impostores que usam cadeiras de rodas em voos

CEO da Frontier Airlines quer repressão a impostores que usam cadeiras de rodas em voos


O CEO da Frontier Airlines apelou à repressão do “abuso desenfreado” de serviços especiais em voos, incluindo passageiros que solicitam cadeiras de rodas que não precisam delas.

Barry Biffle disse que é necessário implementar penalidades para quem explora esses serviços, da mesma forma que quem estaciona em vagas para deficientes físicos é multado e rebocado.

A Lei de Acesso às Transportadoras Aéreas de 1986 proíbe as transportadoras aéreas de discriminar pessoas com deficiência. Em Fevereiro, o secretário dos Transportes dos EUA, Pete Buttigieg, propôs uma nova regra que garantiria que os passageiros das companhias aéreas que utilizam cadeiras de rodas possam viajar “com segurança e dignidade”.

Em um almoço do Wings Club na última quinta-feira em Nova York, Biffle disse que tais acomodações estavam sendo aproveitadas.

“Há um abuso massivo e desenfreado dos serviços especiais. Há pessoas que usam cadeiras de rodas que não precisam dela”, disse Biffle, segundo a CNBC.

O CEO da Frontier Airline, Barry Biffle, disse que aqueles que abusam dos serviços aeroportuários projetados para ajudar pessoas com deficiência deveriam enfrentar penalidades semelhantes às daqueles que estacionam em vagas para deficientes físicos.
O CEO da Frontier Airline, Barry Biffle, disse que aqueles que abusam dos serviços aeroportuários projetados para ajudar pessoas com deficiência deveriam enfrentar penalidades semelhantes às daqueles que estacionam em vagas para deficientes físicos. (Direitos autorais 2023 da Associated Press. Todos os direitos reservados.)

Mais tarde, ele descreveu alguns voos da Frontier em que cerca de 20 pessoas foram levadas em cadeiras de rodas até o portão de embarque, e apenas três pessoas as usaram na chegada. “Estamos curando tantas pessoas”, brincou Biffle.

Biffle disse que o abuso do serviço – que custa à companhia aérea entre US$ 30 e US$ 35 por cadeira de rodas – leva a atrasos para viajantes com necessidades genuínas.

Segundo a CNBC, o CEO esclareceu que não se tratava de cadeiras de rodas pessoais, mas sim do serviço que as companhias aéreas prestam quando os viajantes chegam ao aeroporto.

“Todos deveriam ter direito a isso, quem precisa, mas [if] você estaciona em uma vaga para deficientes, eles rebocam seu carro e multam você”, disse ele ao outlet. “Deveria haver a mesma penalidade para o abuso desses serviços.”

Tais preocupações foram expressas por outros executivos aeroportuários. Em julho de 2022, John Holland-Kaye, CEO do Aeroporto de Heathrow, disse que as pessoas abusaram do suporte para cadeiras de rodas nos aviões “para passar rapidamente pelo aeroporto”.

Holland-Kaye disse à LBC que tal comportamento era “absolutamente a coisa errada a se fazer” em meio a relatos de verdadeiros usuários de cadeiras de rodas presos em aviões esperando para serem ajudados.

Estima-se que 5,5 milhões de americanos usam cadeiras de rodas e muitos enfrentam barreiras quando se trata de viagens aéreas, de acordo com um comunicado do Departamento de Transportes em fevereiro.

A regra do secretário Buttigieg exige que as companhias aéreas cumpram padrões rigorosos para acomodar passageiros com deficiência com segurança e dignidade.

“A proposta estabelecerá novos padrões para assistência rápida, segura e digna, exigirá treinamento aprimorado para funcionários e prestadores de serviços de companhias aéreas que auxiliam fisicamente passageiros com deficiência e manuseiam cadeiras de rodas de passageiros e especificarão ações que as companhias aéreas devem tomar para proteger os passageiros quando uma cadeira de rodas for danificada durante o transporte”, dizia o comunicado.

O Independente entrou em contato com o Departamento de Transportes para comentar os comentários de Biffle.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo