Zema sobre caso das joias de Bolsonaro: ‘sou favorável a toda investigação’

Zema sobre caso das joias de Bolsonaro: ‘sou favorável a toda investigação’



BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) – O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou que sua relação com Jair Bolsonaro (PL) não mudará devido ao indiciamento do ex-presidente no caso de joias recebidas de governos estrangeiros.

“A minha relação com ele é boa, sempre foi a mesma, não vamos mudar. Sou a favor de todas as investigações e também sou a favor de todos os direitos de defesa. , disse Zema em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

O governador também repetiu argumento da defesa do ex-presidente e do senador Sergio Moro (União Brasil-PR) ao dizer que as investigações da Justiça mudam de acordo com o atual governador.

“Se ele (Bolsonaro) for investigado dessa forma, todos os ex-presidentes também precisariam ser. Sou a favor do tratamento isonômico. Parece que no Brasil, infelizmente, a Justiça tende a investigar mais ou menos certas pessoas dependendo de quem está governando, o que é muito ruim”, disse Zema.

Na semana passada, Moro comparou a situação do ex-presidente com a de Lula e disse que o petista não foi indiciado “por se apropriar de presentes” recebidos em seus mandatos anteriores.

“Mesmo durante a Lava Jato, tudo foi tratado como infração administrativa dada a ambiguidade da lei. Os crimes foram diferentes. Há uma diferença notável de tratamento entre situações semelhantes”, disse o senador nas redes sociais.

Na mesma linha, os advogados de Bolsonaro citaram o relógio do presidente Lula (PT), recebido em outro mandato pelo ex-presidente francês Jaques Chirac.

Alegaram que o caso é idêntico ao de Bolsonaro, mas que o ministro do STF Alexandre de Moraes já decidiu que “não há indícios mínimos de infração penal”, ao protocolar o pedido de investigação.

Nesta segunda-feira (7/8) Moraes retirou o sigilo do caso de venda de joias recebidas como presentes de autoridades estrangeiras pelo governo brasileiro, pelo qual o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e outras 11 pessoas foram indiciadas pela Polícia Federal.

O ex-presidente já havia sido alvo de busca e operação sobre o assunto. A corporação aponta Bolsonaro como suspeito de ter montado um esquema para desviar os itens durante seu mandato. Os crimes, segundo a PF, são formação de quadrilha e peculato.

Os investigadores citam mensagens do celular do ex-presidente para afirmar que ele sabia da medida de venda de um conjunto de joias apresentado pela Arábia Saudita.

Segundo a PF, o desvio ou tentativa de desvio de brindes recebidos pelo governo brasileiro teve como alvo mercadorias com valor de mercado de R$ 6,8 milhões.

O documento, enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) no relatório que embasa o indiciamento do ex-presidente e de outras 11 pessoas no caso, afirmava que o valor dos bens totalizava R$ 25 milhões (US$ 4.550.015,06).

Durante a tarde, porém, a PF corrigiu os dados. Bolsonaro zombou do erro, mas não explicou as mensagens no celular.



emprestimo do inss

empréstimo para consignados

simular um empréstimo consignado

simular empréstimo picpay

simular emprestimo picpay

como fazer emprestimo no picpay

emprestimo consignado no inss

blue emprestimo

simulação empréstimo picpay

emprestimo consignado simulação

inss empréstimos