Pressão de Zema leva Assembleia a votar o RRF

Pressão de Zema leva Assembleia a votar o RRF


A contínua pressão do governador Zema, somada ao seu desespero com o possível indeferimento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de seu pedido de nova prorrogação, está levando a Assembleia a votar a adesão ao RRF. A adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, ainda que desnecessária, é a garantia que Zema busca evitar o que chamou de “colapso financeiro” do seu governo. Diante disso, o presidente da Assembleia Legislativa, Tadeu Leite (MDB), marcou uma reunião extraordinária para a próxima segunda-feira (15) com esta possível pauta. Na manhã desta quarta-feira, o próprio vice-governador Mateus Simões (Novo) classificou essa possibilidade como “esquizofrenia política”.

Segundo Simões, forçar a votação do projeto de adesão de Minas ao RRF seria a confirmação do sintoma. A manifestação psicótica envolve perda de contato com a realidade, o que, no momento, consolidou uma proposta alternativa ainda muito mais vantajosa que o RRF. “Seria uma ‘esquizofrenia política’ pedir aos deputados estaduais que votassem um projeto de lei que terá uma alternativa aprovada pelo Congresso Nacional dentro de semanas”, destacou Simões. Ele se referia à proposta de renegociação do senador Rodrigo Pacheco (PSD), que deve ser votada na próxima semana no Senado.

Por outro lado, Zema tem espalhado mensagens nas redes sociais, alertando para o risco de agravamento da crise económica. “Ele [o presidente Tadeu Martins Leite, o Tadeuzinho] Você conhece essa gravidade. Então conto com a Diretoria [da Assembleia] neste momento e também com os deputados. Se amanhã tivermos um caos em Minas, vou deixar bem claro: fiz tudo da minha parte. Alguém não fez isso. Da minha parte, vou dormir com a consciência tranquila”, afirmou o governador.

“Eu sou você amanhã”

Indiretamente, o governador reconheceu as dificuldades de gestão do seu antecessor, Fernando Pimentel (PT), a quem sempre responsabilizou pelo desastre financeiro que herdou. Diante da possibilidade de vivenciar a mesma situação, alertou para o risco de ruptura. “É algo que só depende do tempo. É difícil dar uma projeção exata agora, porque o Tesouro teria que fazer esses cálculos, mas eu digo que, quando você dá negativo, está com sangramento, com hemorragia, é questão de tempo até o coração parar de bater” , destacou ele, em entrevista.

Riscos políticos

Além do risco financeiro, outro risco político envolve a eventual votação do MRR. O governo não tem votos suficientes para aprovação e pode ser derrotado. Também nesta quarta-feira (7/10), o sub-sargento Rodrigues (PL) convocou policiais civis, militares e criminais a se mobilizarem contra a aprovação do RRF.

União parcial da esquerda

Uma semana depois do exemplo francês, a esquerda de Belo Horizonte decidiu se unir, ainda que parcialmente, na disputa pelas eleições para prefeito da capital. Em evento denominado Unifica Beagá, o deputado federal Rogério Correia, pré-candidato do PT, conquistará, no sábado (13), o apoio dos partidos Psol-Rede. Com isso, o petista terá o apoio de cinco partidos, entre eles o seu partido, o PCdoB e o PV, que fazem parte da federação com o PT. Aliados do PT garantem que as pré-candidatas Bella Gonçalves (Psol) e Ana Paula (Rede) desistirão em favor da unidade em torno de Correia. O assessor de Bella não confirmou. Ana Paula confirmou. A aliança é parcial porque o pré-candidato Duda Salabert (PDT) recusou a proposta de unidade, mesmo sendo vice-presidente de Rogério Correia.

Ministro aprova acordo

Nesta quinta-feira (7/11), a ministra do Meio Ambiente e líder do partido Rede, Marina Silva, vai selar o acordo com Rogério Correia. “Vamos entregar ao Rogério as nossas propostas, criadas pelo movimento ‘BH tem jeito’ para que ele inclua no seu programa”, disse a deputada Ana Paula, acrescentando que a federação Psol-Rede manifestou o seu apoio ao petista. Sobre a aliança, ela disse que houve uma tentativa de ampliar a união, durante seu encontro com Rogério, Bella e Duda Salabert. “Vamos continuar conversando”, disse Ana Paula.

Fuad e Lamac perdem

Com esta aliança, perde o pré-candidato à reeleição Fuad Noman (PSD), que buscou apoio da esquerda. Junto com ele, perde também o secretário municipal de Assuntos Institucionais e Comunicação Social, Paulo Lamac, filiado à Rede e que defende apoio ao prefeito. Atendendo à indicação da federação, ele deverá deixar o partido.

Acordo salva 2 mil empregos

Em colaboração com os trabalhadores, o sindicato e a empresa, o superintendente regional do Ministério do Trabalho, Carlos Calazans, evitou a demissão de cerca de mil funcionários da Companhia de Tecidos Santanense, no Centro-Oeste de Minas Gerais. O sócio majoritário da empresa é o empresário Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente José Alencar e atual presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). As negociações envolveram financiamento e acordo com acionistas. Calazans vinha de mais um movimento bem-sucedido, quando evitou demitir o mesmo número de funcionários do Carrefour durante negociações com o supermercado Epa. Com a decisão, a EPA incorporou também os funcionários.



emprestimo do inss

empréstimo para consignados

simular um empréstimo consignado

simular empréstimo picpay

simular emprestimo picpay

como fazer emprestimo no picpay

emprestimo consignado no inss

blue emprestimo

simulação empréstimo picpay

emprestimo consignado simulação

inss empréstimos

Alepeo aleppo duschseife mit 40% lorbeeröl 500 ml.