PP pede para Supremo suspender MP de Lula que limita dedução do PIS/Cofins


Continua após a publicidade

Ó Progressistas ajuizou ação direta de inconstitucionalidade contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta segunda-feira perguntando ao Supremo Tribunal Federal (STF) suspender imediatamente a medida provisória que limita a compensação dos créditos do PIS/Cofins. O ministro Gilmar Mendes foi sorteado para relatar o processo.

Publicado sob a justificativa de fazer frente à perda de receita por redução de imposto sobre folha de pagamento, a MP 1.227 de 2024 atraiu revolta de diversas frentes parlamentares e do setor produtivo, principalmente do agronegócio e da indústria. Nesta segunda-feira, o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) conversou durante uma hora com Lula sobre a proposta e não descartou a devolução.

Na ação, o PP alega que a medida provisória não atende aos requisitos constitucionais de relevância e urgência, prejudica o planejamento financeiro das empresas, compromete investimentos e gera insegurança jurídica. Afirma ainda que a União utiliza o instrumento “para apresentar medidas de caráter exclusivamente arrecadatório, ao invés de buscar ações que reduzam os gastos públicos”.

A parte autora da ação participa da Governo Lula através do Ministro do Esporte, André Fufuca.

Quais são os argumentos do PP?

Progressistas afirmam que a proposta seria inconstitucional porque viola os requisitos de relevância e urgência que a Constituição estabelece para toda e qualquer medida provisória e, ainda, os princípios da anterioridade, da não cumulatividade dos impostos, do não confisco e da segurança jurídica.

Continua após a publicidade

Leia abaixo o que escrevem os advogados que representam a parte na ação sobre alguns desses pontos.

  • Suposições de relevância e urgência: “Nota-se que NENHUMA situação ou necessidade social foi sequer levantada para justificar a relevância da medida. Entendemos que não existe qualquer justificação relevante ou urgente capaz de suprimir o garantido direito à compensação fiscal. Veja que a urgência de recomposição da base tributária é única e exclusiva do Governo Federal, que busca equilibrar as contas públicas aumentando a arrecadação.”
  • Princípio da anterioridade: “A União não pode cobrar tributos no mesmo exercício financeiro em que foi publicada a lei que os instituiu ou aumentou e antes de decorridos noventa dias da data de publicação da norma (…) A Medida Provisória ora impugnada não instituiu qualquer novo tributo , nem aumentou a alíquota do PIS/Cofins, mas (revogado) uma série de mecanismos presentes na legislação contributiva do PIS/Pasep e da Cofins, que permitiriam compensar o saldo credor dos créditos presumidos dessas contribuições com eventuais dívidas controladas pela RFB ou reembolsadas em dinheiro.”
  • Princípio da não cumulatividade: “A Receita acabou com a possibilidade de compensação e, com isso, o contribuinte terá que desembolsar dinheiro para pagar os tributos que antes eram compensados. Isto dará tempo às autoridades fiscais para devolverem o dinheiro aos contribuintes, aumentando a receita imediata e adiando este desembolso para os próximos anos.”



bxblue emprestimos

quero fazer empréstimo consignado

como fazer emprestimo consignado

empréstimo c

bxblue simulação

emprestimo consignado para aposentado inss

emprestimo consignado online rapido

empréstimos consignados

simulação para emprestimo consignado

empréstimo consignado para negativado

emprestimos para aposentados inss

Link. Είναι το στοιχείο που σας παρέχει ασφάλεια και ζεστασιά. Index.