Corrupção: Governo teme repercussão e trava acordo com empresas da Lava-Jato


Após 40 dias de negociações, permanece o impasse sobre o pagamento da dívida bilionária acumulada por empresas de construção que confessaram múltiplas fraudes na competição empresarial ao longo da última década – desde a formação de cartéis à corrupção de funcionários e políticos no governo, Congresso e empresas públicas.

Fizeram acordos judiciais, validados pelo Supremo Tribunal Federal, para indenizar suas vítimas em ações da Lava-Jato, principalmente da Petrobras. Eles pagariam 18,5 bilhões de reais, no total, em parcelas de até vinte anos. Eles pagaram apenas metade.

Eles suspenderam o pagamento da outra metade e foram defendidos no STF por um trio de partidos políticos aliados ao governo —Socialismo e Liberdade, Comunista do Brasil e Solidariedade, ligado ao centro sindical Força Sindical.

PSOL, PCdoB e Solidariedade uniram-se numa ação judicial contra o Estado para proteger os interesses exclusivos de algumas empresas nacionais e estrangeiras.

(./OLHAR)

Os três partidos desenvolveram a tese inusitada de que, no capitalismo nacional, algumas empresas são mais iguais que outras. Alegaram que construtoras como Odebrecht (atual Novonor), OAS, Engevix (atual Nova), Camargo Correa, Andrade Gutierrez e UTC aceitaram acordos de leniência “num contexto de coerção absoluta e irresistível” e, também, de “violência” — uma palavra que destacaram oito vezes na petição inicial.

Em audiência pública em fevereiro, o desembargador André Mendonça, do STF, perguntou a cada um se aquilo era verdade. Alguns negaram, outros discordaram.

As empresas basicamente afirmam:

* Reconsideração de crimes confessados. Em vez de corrupção, querem acusar crimes mais leves, como financiamento ilegal de campanhas eleitorais;

Continua após a publicidade

* Desconto (50%) em dívida ativa (cerca de 9 bilhões de reais);

* Possibilidade de utilização de dispositivos contábeis, como compensação de prejuízos fiscais, no pagamento do valor apurado após o desconto no prazo de dez anos.

O governo Lula, que havia incentivado PSOL, PCdoB e Solidariedade na defesa das construtoras, aparentemente ficou refém da própria surpresa diante das repercussões negativas dessa negociação, causada por partidos aliados.

O prazo dado pelo STF para conciliação termina em duas semanas, na quinta-feira, 27 de junho.



bxblue emprestimos

quero fazer empréstimo consignado

como fazer emprestimo consignado

empréstimo c

bxblue simulação

emprestimo consignado para aposentado inss

emprestimo consignado online rapido

empréstimos consignados

simulação para emprestimo consignado

empréstimo consignado para negativado

emprestimos para aposentados inss

Sample page – atalaia news.