Ucrânia: Alto funcionário humanitário da ONU lamenta últimos ataques mortais em Kharkiv


Os ataques ocorreram no bairro Novobovarskyi da cidade na noite de quinta-feira. Pelo menos três pessoas morreram e outras 16 ficaram feridas, segundo relatos da mídia.

Os repetidos ataques de mísseis causaram danos significativos a edifícios residenciais. Eles também afetaram equipes de resgate que correram para o local.

Em declaração publicado na sexta-feira, a Coordenadora Humanitária da ONU para a Ucrânia, Denise Brown, estendeu suas mais profundas condolências “às famílias afetadas pelos ataques ininterruptos das Forças Armadas da Federação Russa”.

Resposta humanitária dificultada

Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, tem estado sob bombardeamentos implacáveis ​​nas últimas semanas. As agências da ONU ajudaram na evacuação de pessoas de outras áreas da região de Kharkiv que estavam sob ataque.

Brown disse que a escalada das hostilidades em Kharkiv e noutros locais da Ucrânia continua a devastar a vida das famílias, tornando os esforços de resposta humanitária ainda mais preocupantes e difíceis.

“O direito humanitário internacional proíbe estritamente ataques contra civis ou infra-estruturas civis”, disse ela.

“Viver com medo de ataques aéreos em casa, no trabalho ou durante as compras não é normal”.

Violações contra crianças

A Sra. Brown chefia o Escritório da ONU na Ucrânia, que emitiu um relatório separado declaração na sexta-feira, condenando as graves violações dos direitos das crianças após a invasão russa em grande escala em fevereiro de 2022.

As hostilidades violentas continuam a causar enormes danos físicos, psicológicos e emocionais às crianças, perturbando as suas vidas e comprometendo o seu futuro.

“A mais recente onda de ataques russos na região de Kharkiv sublinha o terrível custo da guerra e os horrores que as crianças da Ucrânia enfrentam”, disse Brown.

“Muitos foram mortos ou feridos, e milhares foram forçados a fugir de suas casas com nada além das roupas do corpo e o profundo estresse de terem testemunhado uma situação verdadeiramente horrível”.

A vida dos jovens acabou

Mais de 600 crianças foram mortas e mais de 1.420 ficaram feridas desde a escalada, de acordo com o escritório de direitos humanos da ONU. ACNUDHembora o número real seja provavelmente muito maior.

O comunicado afirma que as crianças passam inúmeras horas em abrigos antiaéreos devido a ataques indiscriminados. Meninos e meninas nas comunidades da linha de frente passaram entre 3.000 e 5.000 horas no subsolo – o equivalente a quatro a sete meses – tornando suas vidas estressantes e extremamente difíceis.

O deslocamento forçado agrava ainda mais os perigos que enfrentam, incluindo a separação das suas famílias e o aumento dos riscos de tráfico, exploração e abuso.

Uma menina de quatro anos está abrigada em seu jardim de infância na região de Kharkiv, na Ucrânia.

Educação e saúde interrompidas

A guerra também teve um grande impacto na educação, e muitas escolas adotaram aulas online ou clandestinas. O Escritório das Nações Unidas na Ucrânia manifestou especial preocupação com a situação das crianças nas regiões da linha da frente.

Atualmente, quase um milhão de rapazes e raparigas – um quarto de todas as crianças ucranianas matriculadas na escola – não podiam frequentar a aprendizagem presencial, especialmente as pessoas com deficiência e necessidades educativas especiais.

A saúde das crianças é outra vítima da guerra. Os danos nas instalações de saúde, juntamente com a deslocação de pessoal, significam que o acesso aos serviços de saúde é limitado.

A declaração refere que as famílias deslocadas e as que vivem perto da linha da frente estão a lutar para obter os cuidados médicos necessários, especialmente para mulheres grávidas e recém-nascidos, enquanto as campanhas de vacinação foram interrompidas, aumentando assim o risco de surtos de algumas doenças evitáveis.

Obrigação de entrega

A ONU e os parceiros na Ucrânia estão a trabalhar para ajudar as crianças do país, concluiu o comunicado.

No ano passado, a ONU prestou cuidados de saúde primários essenciais a mais de 5,1 milhões de crianças e mães, e serviços educativos a mais de 2,5 milhões de estudantes e professores.

A Sra. Brown sublinhou o compromisso da ONU em apoiar o povo da Ucrânia, mas observou que “nenhuma quantidade de ajuda trará de volta o que uma geração de crianças está a perder devido à invasão da Rússia”.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo