China proíbe comportamento de “exibição de riqueza” nas redes sociais


HONG KONG — Influenciadores online conhecidos pelo seu estilo de vida luxuoso estão a desaparecer das redes sociais chinesas no meio de uma repressão governamental a demonstrações visíveis de riqueza.

Um deles, Wang Hongquan, alegou possuir sete propriedades em Pequim, capital chinesa, e que nunca saiu de casa com uma roupa de valor inferior a 10 milhões de yuans (1,38 milhão de dólares). Vídeos que ele postou online, cuja veracidade não pôde ser verificada, pareciam mostrar suas empregadas, inúmeras bolsas Hermès e carros esportivos caros que ele havia comprado.

Na terça-feira, sua conta no Douyin, a versão chinesa do TikTok, estava inacessível para seus 4,3 milhões de seguidores. As pesquisas retornaram uma mensagem de erro dizendo que havia sido bloqueado “devido a violações das diretrizes da comunidade de Douyin”.

As contas Douyin de outros influenciadores online que postaram conteúdo semelhante, como Bo Gongzi (Young Wealthy Lord Bai), com 2,9 milhões de seguidores, e Baoyu Jiajie (Irmã Abalone), com 2,3 milhões de seguidores, também foram bloqueadas.

A Administração do Ciberespaço da China, o regulador nacional da Internet, anunciou uma campanha em Abril contra influenciadores que “criam uma personalidade ‘ostentadora de riqueza’, exibindo deliberadamente uma vida luxuosa baseada no dinheiro, a fim de atrair seguidores e tráfego”.

Esta está longe de ser a primeira vez que as autoridades chinesas tentaram policiar a Internet, que é fortemente censurada na China, num esforço para combater tendências sociais vistas como indesejáveis. Em 2022, as autoridades emitiram um “código de conduta” para âncoras de transmissão ao vivo proibindo-os de “exibir ou divulgar um grande número de bens de luxo, joias, dinheiro e outros bens”.

A última repressão ocorre num momento em que a China atravessa uma desaceleração económica que atingiu especialmente a classe média. Os jovens na China também enfrentam dificuldades num mercado de trabalho intensamente competitivo, com alguns deles optando por “ficar deitados” e retirar-se da sociedade ou ver a criação de conteúdos nas redes sociais como a única carreira viável.

Clientes fizeram fila para entrar em uma loja Hermès em Hong Kong em 2015.Billy HC Kwok/Bloomberg via arquivo Getty Images

“Quando a maioria das pessoas está infeliz com suas próprias vidas, elas veem todo esse conteúdo on-line que está tão desconectado da realidade – ver todas essas pessoas que parecem tão felizes e ricas cria uma psicologia bastante distorcida”, Lyla Lai, uma ex-influenciadora de beleza que tinha mais de um milhão de seguidores no Douyin, disse à NBC News em mensagem de voz.

Lai, que deixou Douyin em meio a críticas de outros usuários sobre suas táticas de vendas e estilo de vida, disse que havia “preocupações sobre os jovens de hoje verem muito dessas coisas e não se concentrarem mais nos estudos, sendo apanhados neste materialismo excessivo e ganancioso. ”

“A longo prazo, isso definitivamente não é bom para o desenvolvimento, por isso esta limpeza é realmente necessária”, disse Lai, que agora vive na Austrália.

“Mas, no fundo, também precisamos de ver a economia ser capaz de se desenvolver mais, para que as pessoas possam ter uma maior sensação de realização e felicidade nas suas vidas, em vez de apenas procurarem conforto psicológico através da Internet.”



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo