Especialistas em direitos humanos destacam ameaças a jornalistas que cobrem o Irã



Os especialistas destacado incidentes recentes que visaram o serviço de notícias em língua persa Iran International, os seus jornalistas e funcionários, e o seu proprietário Volant Media UK Limited. As ameaças de morte e a intimidação contra funcionários culminaram no violento esfaqueamento do jornalista Pouria Zeraati à porta da sua casa em Londres, no dia 29 de Março.

Desde 2017, a Iran International tem enfrentado ameaças e assédio contínuos por parte das autoridades iranianas e dos seus representantes, que se intensificaram após os protestos “Mulher, Vida, Liberdade” de 2022 no Irão. A mídia persa no exterior foi falsamente acusada de incitar a agitação, exacerbando os abusos.

“Tais ataques não só violam os direitos humanos à vida e à segurança pessoal, mas também visam suprimir a liberdade de expressão e de imprensa, incluindo críticas legítimas ao governo iraniano”, afirmaram.

Tentativas de assassinato

Segundo os especialistas, existem pelo menos 15 conspirações iranianas credíveis para matar ou raptar pessoas no Reino Unido até 2022.

A polícia antiterrorista britânica alertou dois funcionários da Iran International, incluindo o CEO da Volant, Mahmoud Enayat, sobre “ameaças iminentes às suas vidas” em novembro de 2022, instando-os a fugir do Reino Unido.

Além disso, uma conspiração para matar dois apresentadores de televisão, incluindo Fardad Farahzad, foi frustrada em novembro de 2023.

Efeito perturbador na imprensa

Os especialistas alertaram que estes ataques e ameaças poderiam ter um efeito inibidor sobre os jornalistas, tanto dentro como fora do Irão.

Eles citaram um incidente ocorrido em setembro de 2023 em Nova York, onde o jornalista internacional do Irã, Kian Amani, foi atacado por um membro da delegação do Irã nas Nações Unidas.

O Irão impôs sanções financeiras e de viagens à Volant Media e à Iran International em 2022 por alegadamente apoiarem o terrorismo e, em 2019, congelou os bens dos proprietários e dos seus familiares no Irão.

“Deploramos o abuso óbvio da lei antiterrorismo contra jornalistas, que viola a liberdade de expressão, associação e reunião pacífica, o direito de viajar, a privacidade, os direitos da família, o direito à reputação e ao devido processo e às garantias judiciais”, disseram os especialistas. . .

Padrão de ataques

Os especialistas observaram que os incidentes contra a Iran International faziam parte de um padrão de ameaças e ataques contra meios de comunicação de língua persa e dissidentes fora do Irão, incluindo jornalistas que trabalhavam para a BBC News Persian, Deutsche Welle, Voice of America, IranWire e Radio Farda.

“Pedimos ao Irão que se abstenha de violência, ameaças e intimidação contra a Iran International e o seu pessoal, online e offline, e outros jornalistas e meios de comunicação que reportam sobre o Irão a partir do estrangeiro, e que investigue e processe os responsáveis ​​por tais acções”, afirmaram.

Os especialistas que deram o alarme incluíram os Relatores Especiais sobre a situação dos direitos humanos no Irãosobre protecção dos direitos através do combate ao terrorismosobre liberdade de opinião e expressãosobre associação e assembleia pacíficae assim por diante execuções extrajudiciais.

Nomeado pela ONU com sede em Genebra Conselho de Direitos Humanos, Os Relatores Especiais são mandatados para monitorizar e reportar sobre sectores específicos de direitos humanos e situações de países. Eles não são funcionários da ONU e não recebem salário pelo seu trabalho.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo