ONU envia 208 unidades habitacionais emergenciais ao Rio Grande do Sul


A Agência da ONU para Refugiados, ACNUR, deverá instalar 208 unidades habitacionais de emergência no Rio Grande do Sul para apoiar os afetados pelas enchentes no estado.

Em declarações ao UN News nesta sexta-feira, de Brasília, o gerente de comunicação da agência, Miguel Pacioni, revelou que parte já está nas áreas afetadas e o restante deve chegar entre este sábado e a próxima semana.

Unidades Habitacionais para Refugiados em Boa Vista, Brasil

Habitação para refugiados

“Até o momento, nossos depósitos de instalação em Roraima, mais especificamente em Boa Vista, nosso armazém já autorizaram o envio de oito unidades habitacionais emergenciais que já estão em terreno no Rio Grande do Sul. Eles chegaram ao longo desta semana. Outras 100 unidades foram enviadas e devem chegar amanhã. Eles foram enviados do nosso armazém na Colômbia. Outros 100, também da Colômbia, serão enviados na próxima semana. São 208 unidades habitacionais emergenciais, que serão instaladas de acordo com as demandas do governo federal, em linha com a demanda do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, para atender a população atingida pelas enchentes.”

O representante do ACNUR destaca que as estruturas são uma solução temporária, com duração média prevista de cinco anos. Pacioni explica que estas estruturas visam aliviar o peso dos abrigos improvisados ​​e melhorar a qualidade do alojamento da população afectada pelas cheias.

Outros itens como galões, mochilas, fraldas para adultos, lonas, lâmpadas solares, mosquiteiros e kits sanitários e de higiene estão a caminho do Rio Grande do Sul. Mais itens estão sendo despachados dos estoques da agência na Colômbia e no Panamá.

O ACNUR e a Organização Internacional para as Migrações, OIM, estão a visitar abrigos para pesquisar refugiados, aqueles que necessitam de protecção internacional e migrantes para avaliar as suas necessidades e apoiar os casos mais urgentes.

Os entrevistados expressaram preocupação com seu futuro, especialmente para onde e quando retornarão. O ACNUR e os seus parceiros estão a dar prioridade à reemissão de documentos perdidos.

Organizações lideradas por refugiados no Rio Grande do Sul estão coletando e distribuindo doações e realizando trabalhos voluntários em abrigos de emergência. Segundo dados do governo, o estado do Rio Grande do Sul abriga mais de 21 mil venezuelanos que foram realocados do estado de Roraima, na fronteira com a Venezuela, desde abril de 2018.

2 milhões de pessoas afetadas

Segundo a agência, mais de 2 milhões de pessoas foram afetadas pelas tempestades no sul do Brasil, incluindo 43 mil refugiados e outras pessoas que necessitam de proteção internacional, principalmente venezuelanos, haitianos e cubanos.

As inundações são o maior desastre relacionado com o clima no sul do Brasil e causaram 163 mortes e deslocaram 580 mil pessoas. Mais de 65 mil ainda estão em centros de alojamento temporário.

Segundo o ACNUR, 93% das cidades e vilas do Rio Grande do Sul foram afetadas. Estima-se que sejam necessários 3,21 milhões de dólares para apoiar a resposta do ACNUR, incluindo assistência financeira aos indivíduos afectados e itens de ajuda essenciais.

Uma equipa especializada na gestão de abrigos, documentação e prevenção da violência baseada no género foi mobilizada para as áreas de desastre e está a coordenar a recepção de itens de ajuda enviados pelo ACNUR.

A equipe também está prestando assistência técnica para melhorar o funcionamento dos abrigos, principalmente em Porto Alegre, capital do estado.

As primeiras Unidades Habitacionais para Refugiados (RHUs) e colchões chegaram à área afetada do Rio Grande do Sul, vindos do armazém do ACNUR em Boa Vista.

As primeiras Unidades Habitacionais para Refugiados (RHUs) e colchões chegaram à área afetada do Rio Grande do Sul, vindos do armazém do ACNUR em Boa Vista.

Das Alterações Climáticas

Mesmo com a redução das chuvas e a queda do nível dos rios, a situação no Rio Grande do Sul é muito preocupante. A previsão do tempo para os próximos dias indica chuva e ventos fortes, tempestades elétricas e possível queda de granizo em partes do território. Está previsto um ciclone na região, que deverá causar chuvas com ventos constantes no litoral gaúcho.

Os eventos climáticos extremos no Brasil têm sido mais frequentes e devastadores nos últimos anos, incluindo secas na região amazônica e fortes chuvas nos estados da Bahia e do Acre, aos quais o ACNUR respondeu.

O ACNUR adverte que o financiamento para fazer face aos impactos das alterações climáticas é insuficiente para satisfazer as necessidades das pessoas deslocadas à força e das comunidades que as acolhem.

Na avaliação da agência, sem ajuda para se prepararem e resistirem a estes impactos, para os incluírem nos planos nacionais de adaptação e para recuperarem dos choques relacionados com o clima, correm o risco de serem deslocados. Ainda é necessária mais ajuda para proporcionar alívio vital às famílias que perderam tudo.

Em Abril de 2024, o ACNUR lançou o seu primeiro Fundo de Resiliência Climática para aumentar a resiliência dos refugiados, das comunidades deslocadas e dos seus anfitriões à intensidade crescente de fenómenos meteorológicos extremos relacionados com as alterações climáticas.

Outras partes do mundo afetadas por inundações

No Afeganistão, as inundações repentinas e as fortes chuvas, que começaram em 10 de maio, causaram grandes danos e perdas de vidas no norte, nordeste e oeste. Milhares de casas e hectares de terras agrícolas foram danificados ou destruídos e mais de 300 pessoas morreram.

O ACNUR respondeu com outras agências, avaliando as necessidades e distribuindo tendas de emergência, produtos não alimentares e kits de vestuário. Com os seus parceiros, a agência também monitoriza questões de protecção, incluindo casos relatados de separação familiar, e oferece apoio psicológico.

A situação na África Oriental também continua preocupante. No Quénia, esta semana, mais chuvas fortes inundaram partes do campo de Kakuma, afectando abrigos e instalações públicas, incluindo clínicas de saúde e escolas. O ACNUR e os seus parceiros estão a distribuir artigos de primeira necessidade, ajudando a evacuar as pessoas mais afectadas para áreas seguras e a reabilitar abrigos danificados.

No Burundi, a agência, com o governo e parceiros, está a ajudar as pessoas mais afetadas através de realocações para locais temporários, fornecendo água potável, assistência monetária para necessidades urgentes e distribuindo materiais escolares às crianças.

No Sudão do Sul, no Sudão e na Somália, prevê-se mais chuva e os rios continuarão a inundar nas próximas semanas. Muitos refugiados e pessoas deslocadas permanecem em locais que podem ser gravemente afetados.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo